Está aqui

O Brexit em apuros

O prazo previsto para a saída formal do Reino Unido da União Europeia termina em março, mas a primeira-ministra está longe de obter luz verde dos deputados ao acordo firmado com Bruxelas.
Foto União Europeia ©

A vida política britânica continuou ensombrada pelas negociações do acordo de saída da União Europeia. O frágil governo de Theresa May, que tem suporte parlamentar nos unionistas da Irlanda do Norte, está longe de convencer os deputados (a começar pelos do seu próprio Partido Conservador) a aprovarem o acordo.

Ao fim de meses de negociações difíceis com avanços e recuos, o Conselho Europeu — que reúne os líderes de governo da União Europeia — deu o seu aval ao acordo em novembro. Mas a discórdia entre os apoiantes do Brexit sobre o que seria melhor para o futuro do Reino Unido — o acordo negociado por May ou a saída sem nenhum acordo — foi provocando numerosas baixas no governo ao longo dos meses. Pelo meio, até Donald Trump fez questão de arrasar o plano de May quando visitou Londres.

A questão que está no centro da discórdia tem a ver com a exigência europeia e irlandesa de que não voltará a haver uma fronteira terrestre na Irlanda. Caso houvesse, poria em perigo o histórico Acordo de Sexta-Feira Santa que devolveu a paz à Irlanda do Norte. Não por acaso, o impasse do Brexit anda a par do impasse político na Irlanda do Norte, que já bateu o recorde dos países há mais tempo sem governo formado. O pomo da discórdia é o famoso “backstop” — a garantia inscrita no acordo do Brexit sobre a não existência de fronteiras que muitos conservadores e unionistas querem retirar ou suavizar no acordo. Na Irlanda, já há uma proposta de referendo à unificação caso o acordo acabe por falhar.

Theresa May terminou o ano com uma derrota política, ao ser obrigada a adiar a votação do seu acordo para não o ver chumbado pela Câmara dos Comuns, seguida de uma vitória de Pirro, ao ultrapassar a moção de desconfiança apresentada pelos conservadores que se opõem ao seu acordo.

Ficou assim afastada a hipótese por um ano de May poder voltar a ser desafiada internamente, mas a primeira-ministra não ficou mais perto de ver aprovado o seu acordo no parlamento. Com a fragilidade dos Conservadores e os Trabalhistas de Jeremy Corbyn apostados no desgaste do governo, o cenário de eleições antecipadas, ou mesmo de um novo referendo, está colocado para 2019.

(...)

Resto dossier

2018: o ano internacional em revista

2018 está a chegar ao fim e selecionámos neste dossier alguns dos acontecimentos que marcaram o ano no plano internacional. Dossier organizado por Luís Branco.

Brasil: o fim de um ciclo e um salto no escuro

A “tempestade perfeita” que levou Jair Bolsonaro à Presidência representa o fim do ciclo político marcado pela Constituição de 1988, e a abertura de um outro ciclo de contornos ainda em grande parte indefinidos. Por Luis Leiria.

A nova rota da seda constitui a estratégia expansionista mundial de Xi Jinping

A “nova era” de Xi

Em 2018, a China reconfigurou o poder, reforçando significativamente a liderança de Xi Jinping. Simultaneamente, o “Império do Meio” vem definindo uma estratégia de expansão mundial e exemplificou a aplicação prática do seu poder com a repressão implacável em Xinjiang. Por Carlos Santos

Macron, o “presidente dos ricos” caído em desgraça

O ex-banqueiro de investimento surgiu na cena política francesa como o grande reformador que ia salvar a Europa. Ano e meio de presidência tornaram-no no chefe de Estado mais impopular de sempre em França.

Governos xenófobos reforçam a sua influência na política europeia

As eleições italianas colocaram a direita xenófoba da Liga Norte no governo e as primeiras vítima foram os migrantes e as ONG que os resgatam da morte certa no Mediterrâneo.

2018, mais um ano de guerra permanente na Casa Branca

Acossada por investigações judiciais, a presidência de Donald Trump continua apostada na polarização da sociedade contra os migrantes latinos. O ano acabou com uma derrota eleitoral.

Os avanços nos direitos e liberdades em 2018

No ano que agora termina, vários países festejaram vitórias de algumas lutas sociais importantes. Da legalização do aborto na Irlanda à descriminalização LGBT na India, destacamos aqui alguns exemplos de lutas vitoriosas.

Crise política em Espanha e o impasse catalão

2019 será o ano do julgamento dos dirigentes políticos independentistas que organizaram o referendo catalão à independência. Um julgamento político caucionado pela indiferença dos governos europeus.

Repressão na Palestina, boicotes a Israel

O ano de 2018 voltou a ser de violência e repressão por parte do ocupante israelita nos territórios palestinianos. Mas ganhou força a solidariedade internacional na forma de boicote a Israel.

Gigantes da internet: acabou o tempo da impunidade?

2018 foi o ano em que as grandes empresas da internet, como a Google ou o Facebook, estiveram sob investigação pela forma como tratam os dados dos utilizadores. Na Europa, o debate sobre a Diretiva dos Direitos de Autor levantou receios sobre o aparecimento de uma nova censura promovida pelas grandes plataformas.

O Brexit em apuros

O prazo previsto para a saída formal do Reino Unido da União Europeia termina em março, mas a primeira-ministra está longe de obter luz verde dos deputados ao acordo firmado com Bruxelas.