Está aqui

2018, mais um ano de guerra permanente na Casa Branca

Acossada por investigações judiciais, a presidência de Donald Trump continua apostada na polarização da sociedade contra os migrantes latinos. O ano acabou com uma derrota eleitoral.
Foto Joyce N. Boghosian/Casa Branca/Flickr

2018 começou em Washington com o governo paralisado, face à recusa do Senado em aprovar o Orçamento por causa da situação dos “dreamers”, os que chegaram aos EUA ainda crianças e adolescentes e continuam sem a sua situação regularizada. 

E foi precisamente a situação das crianças migrantes, separadas à força dos seus pais, levadas a julgamento e internadas em campos de retenção, muitas vezes alvo de violência, que provocou escândalo mundial e protestos em vários países, incluindo Portugal. 

Com a promessa de construir um muro na fronteira com o México em banho maria, Donald Trump ameaçou que o exército iria disparar contra os migrantes de países da América Central que viajam organizados em caravanas para se protegerem das redes de tráfico. As caravanas foram recebidas com gás lacrimogéneo, mas as ameaças de Trump serviram para justificar a repressão a tiro noutros países, como a Nigéria. Nas vésperas das eleições intercalares, Trump voltou à carga com o discurso anti-imigração, ameaçando retirar o direito à cidadania, protegido constitucionalmente, aos filhos de migrantes que já nasceram nos EUA.

No plano internacional, a administração norte-americana continuou a investir nas sete guerras que mantém por todo o planeta, aprovando o reforço do seu gigantesco orçamento militar. O isolamento dos EUA manifestou-se na cimeira do G7 no Canadá, na guerra das tarifas alfandegárias com a Europa e a China, que teve uma trégua em dezembro, ou na retirada do acordo nuclear com o Irão.

No plano interno, as investigações à interferência russa na campanha das presidenciais apertaram o cerco ao núcleo duro da Casa Branca, enquanto Trump redobrava os ataques à comunicação social. O responsável pela Justiça, que se tinha negado a intervir na investigação, foi demitido, e o responsável pelo Ambiente demitiu-se por causa da promiscuidade com os lóbis do setor.

As eleições intercalares de novembro permitiram aos Democratas recuperar a maioria na Câmara dos Representantes, mas a eleição parcial do Senado manteve a maioria republicana, sum sistema eleitoral desenhado à medida deste partido. A maior novidade foi a eleição de representantes à esquerda do establishment bipartidário, como Alexandria Ocasio-Cortez, portadora de uma agenda política radical que mobilizou eleitores mas ainda está muito longe de poder influenciar decisivamente a política norte-americana.

(...)

Resto dossier

2018: o ano internacional em revista

2018 está a chegar ao fim e selecionámos neste dossier alguns dos acontecimentos que marcaram o ano no plano internacional. Dossier organizado por Luís Branco.

Brasil: o fim de um ciclo e um salto no escuro

A “tempestade perfeita” que levou Jair Bolsonaro à Presidência representa o fim do ciclo político marcado pela Constituição de 1988, e a abertura de um outro ciclo de contornos ainda em grande parte indefinidos. Por Luis Leiria.

A nova rota da seda constitui a estratégia expansionista mundial de Xi Jinping

A “nova era” de Xi

Em 2018, a China reconfigurou o poder, reforçando significativamente a liderança de Xi Jinping. Simultaneamente, o “Império do Meio” vem definindo uma estratégia de expansão mundial e exemplificou a aplicação prática do seu poder com a repressão implacável em Xinjiang. Por Carlos Santos

Macron, o “presidente dos ricos” caído em desgraça

O ex-banqueiro de investimento surgiu na cena política francesa como o grande reformador que ia salvar a Europa. Ano e meio de presidência tornaram-no no chefe de Estado mais impopular de sempre em França.

Governos xenófobos reforçam a sua influência na política europeia

As eleições italianas colocaram a direita xenófoba da Liga Norte no governo e as primeiras vítima foram os migrantes e as ONG que os resgatam da morte certa no Mediterrâneo.

2018, mais um ano de guerra permanente na Casa Branca

Acossada por investigações judiciais, a presidência de Donald Trump continua apostada na polarização da sociedade contra os migrantes latinos. O ano acabou com uma derrota eleitoral.

Os avanços nos direitos e liberdades em 2018

No ano que agora termina, vários países festejaram vitórias de algumas lutas sociais importantes. Da legalização do aborto na Irlanda à descriminalização LGBT na India, destacamos aqui alguns exemplos de lutas vitoriosas.

Crise política em Espanha e o impasse catalão

2019 será o ano do julgamento dos dirigentes políticos independentistas que organizaram o referendo catalão à independência. Um julgamento político caucionado pela indiferença dos governos europeus.

Repressão na Palestina, boicotes a Israel

O ano de 2018 voltou a ser de violência e repressão por parte do ocupante israelita nos territórios palestinianos. Mas ganhou força a solidariedade internacional na forma de boicote a Israel.

Gigantes da internet: acabou o tempo da impunidade?

2018 foi o ano em que as grandes empresas da internet, como a Google ou o Facebook, estiveram sob investigação pela forma como tratam os dados dos utilizadores. Na Europa, o debate sobre a Diretiva dos Direitos de Autor levantou receios sobre o aparecimento de uma nova censura promovida pelas grandes plataformas.

O Brexit em apuros

O prazo previsto para a saída formal do Reino Unido da União Europeia termina em março, mas a primeira-ministra está longe de obter luz verde dos deputados ao acordo firmado com Bruxelas.