Opinião

Carlos Vieira

Em 2023, os crimes de ódio cresceram 38% em Portugal. A impunidade é norma. Recentemente a SOS Racismo e a associação Letras Nómadas denunciaram a ausência de resposta às queixas que têm apresentado à Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminaçao Racial.

Graça Marques Pinto

O idadismo continua enraizado na nossa sociedade que caracteriza as pessoas mais velhas como pouco produtivas, frágeis e incapazes. Esta estereotipia é reforçada no caso das mulheres.

Vicente Ferreira

Além de funcionarem como entrave ao investimento público verde, as novas regras orçamentais europeias também podem acentuar a tendência de divergência entre os países mais desenvolvidos da UE e os restantes.

João Bernardo Narciso

A autonomia e o controlo sobre as nossas interações sociais é constantemente ameaçada por mediadores digitais com um só objetivo: o lucro. Mas não tem de ser assim. Também no digital, é necessário juntar forças e idealizar realidades alternativas. É preciso desprivatizar a Internet.

Israel nunca quis qualquer cessar-fogo ou trégua – Netanyahu preparou o ataque a Rafah com a cumplicidade e armas dos EUA e de países europeus, em que Portugal está incluído. Perante os olhos de todo o mundo, inocentes morrem, quem protesta é reprimido e o genocídio praticado por Israel continua.

Roberto Almada

A eleição da Assembleia Legislativa da Madeira decorre a 26 de maio próximo. Um voto no Bloco é um voto contra a corrupção, contra a extrema-direita e a favor do Povo.

Marco Marques

Sob as alterações climáticas, prevê-se mais calor e menos chuva na região, entre 9% e 23%. Os impactos já estão à vista, mas a estratégia de mitigação dos efeitos não segue as recomendações científicas. O futuro da região depende da mobilização da comunidade por uma alternativa sustentável.

Joana Mortágua

Abril não recua, em Maio continua. A história não parou e sim, são vocês, trabalhadores e trabalhadoras, que fazem a história todos os dias. Faremos história com mais salário, menos desigualdade e mais tempo para viver.

O 25 de abril fez muito bem à nossa saúde. Nestes 50 anos de liberdade, Portugal deixou de ser um país com indicadores de saúde medíocres ou sem escrutínio para passar a ser um país de que nos pode orgulhar em várias dimensões. Está na hora de devolver e cuidar da saúde da democracia.

Maria Luísa Cabral

É cansativo estar sempre a bater na mesma tecla mas se tem de ser, que o seja. Acabamos de celebrar 50 anos do 25 de Abril e isto não é saudosismo. Se precisa de nome, é gratidão.

Rodrigo Sousa

Passos Coelho apareceu pronto para salvar a direita portuguesa e ser o seu “compasso moral”, ao comparecer numa apresentação do livro “Identidade e Família”. Assim se desviam as atenções: não se fala das opções políticas do Governo, nem sequer dos casos que o têm abalado.

José Soeiro

Insegurança é isto: viver numa cidade em que um gang encapuzado invade a propriedade, destrói uma casa e espanca moradores (sim, também são moradores, não são?) que estão a dormir. Não há nada que justifique este crime. A sua condenação não deve vir acompanhada de nenhum “mas”.