Está aqui

A agenda feminista ocupou as ruas em 2019

A denúncia, a mobilização e o combate à violência sexual fizeram parte da agenda do movimento de mulheres em 2019. Num tempo em que o conservadorismo volta a atacar os seus direitos, o protagonismo das mulheres destacou-se também nas lutas contra o neoliberalismo e na greve internacional feminista.
Chilenas a fazer a coreografia "um violador no teu caminho", novembro de 2019 - Foto de Carla Motto/Facebook
Chilenas a fazer a coreografia "um violador no teu caminho", novembro de 2019 - Foto de Carla Motto/Facebook

O ano começou com uma demonstração de força do movimento de mulheres na Indía que formaram uma corrente humana a que chamaram o “muro das mulheres”, que se estendeu por 620 quilómetros e que de acordo com o próprio governo de Kerala juntou cerca de cinco milhões de pessoas contra a discriminação das mulheres e a proibição de entrada num templo.

A discriminação contra as mulheres reflete-se também na desigualdade salarial que prevalece entre homens e mulheres no mundo inteiro e que foi uma das razões que levou milhares de mulheres a fazer greve laboral e aos cuidados na Suíça, em 2019, exigindo “mais tempo, dinheiro e respeito” para as mulheres.

Verde foi a cor dos lenços usados pelas manifestantes que encheram as ruas das cidades argentinas assinalando o primeiro aniversário dos “pañuelazos”, as manifestações pelo direito ao aborto que juntaram milhares de mulheres na ruas da Argentina.

Lilás foi a cor dos lenços usados por todo o mundo nas marchas e mobilizações da Greve Feminista que ocorreram em várias cidades do mundo e que abrangeram não só o trabalho assalariado como o trabalho doméstico, a prestação de cuidados, o consumo e o setor estudantil.

Num mundo em que o conservadorismo volta a atacar os direitos das mulheres destacámos pela negativa o governo de Bolsonaro no Brasil, a bárbarie legislativa no Brunei e as tentativas de legimitar a violência contras as mulheres de diversas forças políticas europeias como a formação de extrema-direita Vox na Andaluzia.

A denúncia, a mobilização e o combate à violência sexual também fizeram parte da agenda do movimento de mulheres em 2019. A impunidade dos violadores levou a protestos massivos na Índia. Os sequestros, o assédio, as agressões e demais formas de violência contra as mulheres mobilizaram milhares de mulheres a manifestam-se no México.

Na América Latina o levantamento das mulheres tem sido exemplar. Mais de 500 mil militantes feministas participaram no 34º Encontro Plurinacional de Mulheres, Lésbicas, Travestis, Pessoas Trans e Não Binárias em Buenos Aires, Argentina. No Chile dezenas de denúncias de violência sexual por parte de militares e polícias chilenos durante a repressão dos protestos contra o governo de Sebastian Piñera mantiveram as mulheres nas ruas e o grupo feminista LasTesis numa manifestação acabou por criar um hino feminista que foi adotado primeiro no país inteiro e já foi repetido em protestos solidários por todo o mundo. “Um violador no teu caminho” é uma denúncia do papel das instituições em forma de canção e com uma coreografia associada.

O protagonismo das mulheres nas lutas atuais contra o neoliberalismo foi o mote da entrevista à cientista política argentina Veronica Gago que destaca a luta coletiva e o papel da Greve Internacional Feminista neste protagonismo e na definição de um campo de ação política que nos deixa algumas pistas para definir o que também Andrea Peniche propõe como um feminismo anticapitalista para o século XXI.

 

(...)

Resto dossier

O Mundo em 2019

Lembramos aqui alguns factos políticos importantes vividos no mundo no ano que agora finda. Alguns destes acontecimentos prolongam-se para o próximo e irão ser certamente importantes em 2020. Dossier organizado por Carlos Santos.

Manifestação pró-Bolsonaro. Foto José Cruz, Agência Brasil

Brasil: Bolsonaro quer construir base fanatizada

Presidente mantém-se em campanha eleitoral permanente com o intuito de criar uma base de apoio de incondicionais. Até agora, conseguiu manter 30% de apoio ao seu governo. É uma minoria, mas tem um peso importante.

Grande novidade de 2019 foi o surgimento a nível mundial de um forte movimento juvenil exigindo Justiça climática

Juventude assume a luta pela Justiça Climática

A grande novidade de 2019 no combate ao maior drama da humanidade, foi o surgimento de um forte movimento juvenil exigindo Justiça climática e reivindicando outras políticas para enfrentar a crise climática.

Uma promessa: "Iremos até ao fim"

Argélia: A revolução que não esmorece

O movimento popular que luta pela mudança radical do sistema político no país ainda não teve a força suficiente para dobrar o poder do Exército, mas não desiste. As mobilizações semanais já duram há dez meses e estão para ficar. Por Luis Leiria.

Hong-Kong, marcha de protesto contra o governo de Carrie Lam, 21 de julho de 2019 - Foto de Jerome Favre/Epa/Lusa

Hong-Kong: seis meses de revolta em defesa da autonomia

Em junho de 2019, a revolta explodiu em Hong-Kong, os protestos mantiveram-se durante o resto do ano. Nas eleições locais, em novembro, o campo pró-Pequim foi esmagado e no último mês do ano o movimento reafirmou cinco exigências ao governo.

Em Itália, nos últimos meses do ano, despontou o importante movimento das sardinhas contra a “política do ódio”

A extrema direita na Europa e o combate das “sardinhas” italianas

A extrema direita reforçou-se nas eleições europeias de maio de 2019, assim como nas eleições legislativas e/ou regionais em Espanha, Alemanha, e Polónia. O xenófobo Salvini acabou por ser afastado do governo em Itália, onde em novembro surgiu o movimento das sardinhas, contra a “política de ódio”.

"Macron, uma prenda para ti: oferecemos-te a reforma aos 41 anos", pode ler-se nesta pancarta na manifestação de 10 de dezembro em Paris. Foto Photothèque Rouge/Martin Noda/Hans Lucas

França: os protestos massivos vão marcar o início de 2020

A França terminou 2019 em ebulição. A cinco, dez e 17 de dezembro multiplicaram-se as jornadas de luta contra a reforma das pensões. Os protestos dos “coletes amarelos” comemoraram já um ano de ações. Macron continua a ser o profundamente impopular “presidente dos ricos”.

O acordo estabelecido entre PSOE e Unidas Podemos pode ser um passo importante para superar o impasse político e um fator importante na questão nacional

Espanha: uma prolongada crise política

A Espanha viveu ao longo de 2019 em bloqueio político. O acordo estabelecido entre PSOE e Unidas Podemos para um governo “rotundamente progressista” pode ser um passo importante para superar o impasse político e um fator importante na questão nacional.

Chilenas a fazer a coreografia "um violador no teu caminho", novembro de 2019 - Foto de Carla Motto/Facebook

A agenda feminista ocupou as ruas em 2019

A denúncia, a mobilização e o combate à violência sexual fizeram parte da agenda do movimento de mulheres em 2019. Num tempo em que o conservadorismo volta a atacar os seus direitos, o protagonismo das mulheres destacou-se também nas lutas contra o neoliberalismo e na greve internacional feminista.

Liberdade para Assange - Não à extradição para os EUA

Assange preso e sob ameaça de extradição para os EUA

O fundador da WikiLeaks foi expulso da embaixada do Equador em Londres, em 11 de abril de 2019 por ordem do governo de Lenin Moreno, foi entregue à polícia do Reino Unido e está sob ameaça de extradição para os EUA. A luta pela libertação de Assange é uma batalha para 2020.