Está aqui

Edição histórica de Encontro de Mulheres reúne centenas de milhar na Argentina

Durante três dias, milhares de militantes discutiram bandeira plurinacional, aborto legal e construção da luta feminista, compartilharam experiências, construíram redes e participaram de discussões para fortalecer a luta feminista e dos movimentos populares internacionalmente. Peoples Dispatch
Centenas de milhares de pessoas de toda a América Latina e outras partes do mundo reuniram-se por três dias para discutir questões feministas / Foto Marcha Noticias
Centenas de milhares de pessoas de toda a América Latina e outras partes do mundo reuniram-se por três dias para discutir questões feministas / Foto Marcha Noticias

Mais de 500 mil militantes feministas de toda a América Latina e de outras partes do mundo participaram do 34º Encontro Plurinacional de Mulheres, Lésbicas, Travestis, Pessoas Trans e Não Bináries entre 12 e 14 de outubro na cidade argentina de La Plata, na província de Buenos Aires. Foi a maior edição do evento em suas mais de três décadas de história.

O evento anual, que antes se chamava Encontro Nacional de Mulheres, é realizado desde 1985 e, a cada ano, reúne pessoas de diferentes raças, classes, identidades de género e orientações sexuais que lutam por reconhecimento, voz e espaço político. Neste ano, após uma longa batalha liderada por mulheres indígenas, lésbicas, bissexuais e pessoas trans, o encontro passou a incorporar a bandeira “plurinacional e sem fronteiras”.

A mudança no nome oficial para Encontro Plurinacional de Mulheres, Lésbicas, Travestis, Pessoas Trans e Não Bináries foi anunciada no dia 14 de outubro durante a cerimónia de encerramento das atividades. Os debates sobre a mudança de nome e a síntese da luta comum contra o racismo, o patriarcado, o machismo, o colonialismo, a heterocisnormatividade, o capitalismo e o neoliberalismo começaram há mais de dois anos.

Nos três dias de evento, as militantes compartilharam experiências, construíram redes e participaram de discussões para fortalecer a luta feminista e dos movimentos populares internacionalmente. 

Nos três dias de evento, as militantes compartilharam experiências, construíram redes e participaram de discussões para fortalecer a luta feminista e dos movimentos populares internacionalmente. Foi um momento histórico de participação de mulheres indígenas, negras, e pessoas LGBT. Também foi marcante a presença de crianças e jovens, que realizaram oficinas e debates políticos.

No primeiro dia, foram mais de 100 oficinas sobre diferentes temas feministas, sociais e políticos. As discussões incluíram educação sexual integral, feminização da pobreza, luta de classes, direitos das mulheres encarceradas, luta contra a violência de género, a importância da luta pelo fim do racismo e da heteronormatividade, treinamento de autodefesa, a construção de movimentos políticos, além de atividades desportivas.

Foram lembradas as lutas de mulheres revolucionárias, indígenas, negras, travestis e trans, incluindo Marielle Franco, Macarena Valdés, Berta Cáceres, Diana Sacayán e Lohana Berkins, mortas por defenderem suas identidades, corpos e territórios.

No segundo dia de evento, uma imensa mobilização tomou as ruas de La Plata. Centenas de milhares de pessoas se concentraram na Praça San Martín e marcharam três quilómetros até o Estádio Único da cidade. A passeata levou o lilás da luta feminista, o verde, símbolo da pauta do aborto legal, e o arco-íris da comunidade LGBT.

Uma das principais bandeiras do movimento feminista é a legalização do aborto | Foto: Marcha Noticias
Uma das principais bandeiras do movimento feminista é a legalização do aborto | Foto: Marcha Noticias

Mulheres de diferentes raças, origens, identidades de género e orientações sexuais se uniram à manifestação para fortalecer a luta pela descriminalização do aborto e exigir o fim do feminicídio, do tráfico e da exploração de mulheres e pessoas LGBT.

As manifestantes também passaram pelo palácio de governo, denunciando os cortes no orçamento de políticas públicas e programas voltados para a promoção da igualdade de género.

Muitas mulheres também levantaram bandeiras contra o atual presidente argentino, Mauricio Macri, torcendo pela possível derrota do mandatário nas próximas eleições para Alberto Fernández, candidato pela coligação de centro-esquerda Frente de Todos que venceu as primárias realizadas no país no dia 11 de agosto.

Organizações indígenas e comunitárias também exigiram o fim do extrativismo, da mineração, da poluição e do aquecimento global.

Organizações indígenas e comunitárias também exigiram o fim do extrativismo, da mineração, da poluição e do aquecimento global. Essas questões, segundo as militantes, têm despertado preocupação em todo o planeta e são resultado direto do capitalismo e do neoliberalismo.

O evento contou com a participação da Campanha Nacional pelo Direito ao Aborto Legal, Seguro e Gratuito, o coletivo Ni Una Menos, o Movimento de Trabalhadores e Trabalhadoras Sem Terra (MST) do Brasil, a Assembleia de Feministas de Abya Yala, a Organização Nacional de Mulheres Indígenas dos Andes Peruanos e da Amazónia (Onamiap), o Conselho do Povo Maya K’iche, o Movimento de Mulheres do Curdistão, a Mala Junta, entre outras entidades.

O Encontro Plurianual do ano que vem será realizado na cidade de San Luis. As participantes votaram pela continuidade das atividades plurinacionais todos os anos para continuar construindo a luta para erradicar o sistema capitalista e colonialista e construir um mundo melhor e mais justo.

Publicado por Peoples Dispatch

Reproduzido de Brasil de Fato

Tradução de Aline Scátola para o Brasil de Fato

16 de Outubro de 2019

(...)

Resto dossier

Argentina, Alberto Fernández e Cristina Fernández Kirchner - Foto de Julio Gelves/Epa/Lusa

Argentina: derrota anunciada de Macri num país destroçado

As eleições deste domingo 27 na Argentina devem confirmar o resultado das primárias de 11 de agosto e dar a vitória, possivelmente já na 1ª volta, ao peronista Alberto Fernández. O fim do governo de Maurício Macri marca a derrota de um dos principais aliados de Trump e de Bolsonaro no continente. Dossier organizado por Luis Leiria.

Protesto em Buenos Aires em setembro de 2019. Foto de EPA/Fabian Mattiazzi, Agência Lusa.

Argentina: Derrota de Macri cria uma nova relação de forças sociais

A vitória anunciada do peronista Alberto Fernández representa uma mudança de relação de forças sociais na Argentina. No terreno internacional, a saída de Macri trava o realinhamento impulsionado por Trump com o Grupo de Lima. O Esquerda.net entrevistou Aldo Casas e Juan Carlos Fernández, do Conselho de redação da revista Herramienta. Por Luis Leiria.

Macri não pôde transferir a crise para o próximo presidente e deixará uma economia em ruínas

Argentina: Dívida, FMI e auditoria num contexto inédito

Macri não pôde transferir a crise para o próximo presidente e deixará uma economia em ruínas. Ele livrou-se da antecipação das eleições e de enfrentar uma rebelião popular semelhante à do Equador, mas desapareceu no final do mandato. Por Claudio Katz.

Uma "villa miséria" (bairro de lata) em Buenos Aires. Foto publicada por Buenos Aires Photographer em https://www.flickr.com/photos/22185138@N00/3862245608

Eleições na Argentina: certezas, evidências, incógnitas e um mar de dificuldades

A incerteza política foi afastada. Por outro lado, as dimensões económica e social indicam que o caminho para o dia 27 de outubro segue à beira do precipício e as margens de manobra para após o dia 10 de dezembro são muito estreitas. Por Eduardo Lucita,

A Bolsa de comércio de Buenos Aires. Foto de By Antonio García from Madrid, Spain CC BY 2.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=2582373

Argentina: os mercados cercam a democracia

Nas urnas, população goleou política quase idêntica à de Bolsonaro. Um dia depois, oligarquia financeira deflagra crise cambial e sugere: “agora, quem vota somos nós”. Vêm aí lances decisivos para o futuro da América do Sul. Artigo escrito logo a seguir às eleições primárias de 11 de agosto por Antonio Martins, Outras Palavras.

Manifestação contra os aumentos de tarifas promovidos por Macri. Foto de Banfield.

Argentina: O escândalo dos aumentos de tarifas

Os ganhos das principais empresas privadas que gerem os serviços públicos somam 3.525 milhões de dólares entre 2016 e 2018. Significa que ganharam 3,2 milhões de dólares por cada dia de governo macrista. Há cada vez mais famílias que não conseguem pagar as contas, mas os empresários ganham mais. Por Mónica Arancibia, La Izquierda Diario.

Centenas de milhares de pessoas de toda a América Latina e outras partes do mundo reuniram-se por três dias para discutir questões feministas / Foto Marcha Noticias

Edição histórica de Encontro de Mulheres reúne centenas de milhar na Argentina

Durante três dias, milhares de militantes discutiram bandeira plurinacional, aborto legal e construção da luta feminista, compartilharam experiências, construíram redes e participaram de discussões para fortalecer a luta feminista e dos movimentos populares internacionalmente. Peoples Dispatch

Silvia Federici: a Argentina é o país do mundo onde o feminismo está no ponto mais alto.

Silvia Federici: “As redes de mulheres na Argentina são únicas no mundo”

A professora feminista destacou o trabalho em rede que se desenvolve no país, tanto em relação ao aborto (Socorristas en Red - Socorristas em Rede) como o dos sindicatos (Intersindical Ni Una Menos - Nem Uma A Menos). Analisou as experiências comunitárias, coletivas e internacionais como alternativas de resistência perante o sistema capitalista, patriarcal e global.