Está aqui

Mulheres de Abril

 

O projeto "Mulheres de Abril" teve início em 2018, tendo sido posteriormente retomado em 2019. Durante vários meses foram publicadas dezenas de relatos de mulheres antifascistas sobre a sua história de resistência e de luta contra a ditadura. Brevemente retomaremos esta série. Coordenação de Mariana Carneiro.

Maria Custódia Chibante, 25 de Abril de 2017.

Morreu a resistente antifascista Maria Custódia Chibante, mulher do Couço

3 de Julho, 2020 - 17:44h

Maria Custódia Chibante, natural do Couço, mulher antifascista, exemplo de coragem e combatividade, foi presa no dia 27 de abril de 1962, assim como outros homens e mulheres da sua terra. Morreu esta quinta-feira aos 87 anos.

Mulheres de Abril: Testemunho de Maria Luísa Cabral

21 de Janeiro, 2020 - 15:40h

O convite do esquerda.net representou uma oportunidade de passar ao papel as experiências vividas num tempo muito sombrio e sem esperança, dando uma ideia de como era então o quotidiano. Até que o “dia perfeito, inteiro e luminoso” nos empurrou para o futuro.

(1969), "Lilica Boal, Aristides Pereira, Domingos Brito e Hugo dos Reis Borges com uma delegação estrangeira", Fundação Mário Soares / DAC - Documentos Amílcar Cabral, Disponível HTTP: http://hdl.handle.net/11002/fms_dc_44229 (2019-11-23)

Mulheres de Abril: Testemunho de Lilica Boal

24 de Novembro, 2019 - 16:09h

Em 1969, fui dirigir a Escola-Piloto do PAIGC, na Guiné-Conacri, onde se formavam e preparavam quadros para a libertação e o desenvolvimento do país. Por Lilica Boal (Maria da Luz Boal).

Mulheres de Abril: Testemunho de Ana Rosenheim

23 de Maio, 2019 - 14:05h

Para nós, filhos de uma certa burguesia, passar por uma fábrica é descobrir como a maioria das pessoas vivem no mundo industrial. E toda a hierarquia, toda a alienação que isso pressupõe. Por Ana Rosenheim.

Mulheres de Abril: Testemunho de Luísa d'Espiney

16 de Maio, 2019 - 21:13h

O meu tio Zé Luís d’Espiney foi preso em 1965. Um ano depois, foi preso o meu tio Rui. E, quando tinha nove anos, em 1967, foi preso o meu pai, Sérgio d’Espiney. É este o panorama em que vivia: “não fales”, “não digas”, “não contes”, “tem cuidado”. Por Luísa d'Espiney.

Maria Emília Brederode Santos, 1963 ou 1964.

Mulheres de Abril: Testemunho de Maria Emília Brederode Santos

9 de Maio, 2019 - 18:00h

O movimento associativo foi uma escola extraordinária. Foi um período de grande consciencialização política. E também de aprendizagem de competências democráticas. Por Maria Emília Brederode Santos.

Mulheres de Abril: Testemunho de Luísa Amorim

2 de Maio, 2019 - 16:13h

O meu grande crescimento, do ponto de vista político, e do ponto de vista humano, foi, de facto, no movimento das mulheres. Por Luísa Amorim.

Mulheres de Abril: Testemunho de Maria Augusta Seixas (Magú)

30 de Abril, 2019 - 16:55h

Em menos de dois anos, eu tinha passado de caloira despreocupada, a activista associativa e política. Como eu, dezenas e dezenas de outros jovens. Em grande parte, fora a política de repressão do governo fascista que nos empurrara para a militância política. Por Maria Augusta Anselmo Seixas (Magú).

Mulheres de Abril: Testemunho de Helena Carneiro

23 de Abril, 2019 - 08:58h

Depois do julgamento, quando o Zé Manel [Picão] passou para Peniche, deixavam-me visitá-lo com a condição de tratar dos papéis do casamento. Casámos a 23 de janeiro de 1969 na prisão de Peniche. Por Helena Carneiro.

 

Mulheres de Abril: Testemunho de Joana Terlica

18 de Abril, 2019 - 18:01h

A minha origem de classe e o ambiente em que passei a minha infância moldaram a minha visão do mundo. Desde cedo, os meus heróis foram todos aqueles que, lutando pela sobrevivência própria e da família, estenderam a solidariedade a muitos outros. Por Joana Terlica.

Mulheres de Abril: Testemunho de Luiza Sarsfield Cabral

16 de Abril, 2019 - 15:17h

Quando aceitei a proposta do Nuno [Teotónio Pereira], tive logo a imagem da prisão, falámos disso, sabia que era uma coisa que podia suceder. A maior angústia dos interrogatórios era o pânico de implicar outras pessoas com as respostas dadas. Por Luiza Sarsfield Cabral.

Conceição Cardeira e Fernando Mariano Cardeira em Estocolmo, 1971.

Mulheres de Abril: Testemunho de Conceição Cardeira

11 de Abril, 2019 - 16:34h

Se tivesse ficado em Portugal, não teria vivido esta experiência, ser operária, por exemplo. Teria tido uma vida completamente diferente: teria iniciado a minha carreira de professora, teria casado com um engenheiro, teria tido uma empregada para cuidar dos filhos e da casa, como aliás era comum nas famílias da nossa classe social. Por Conceição Cardeira.

Mulheres de Abril: Testemunho de Helena Cabeçadas

9 de Abril, 2019 - 08:44h

Se a revolta estudantil de 1962, em Lisboa, foi o meu despertar para a política, Maio de 68, em Paris, foi, de facto, a “minha” revolução – ou, segundo a expressão de Daniel Cohn Bendit, “a revolução que eu tanto amei”. Por Helena Cabeçadas.

Mulheres de Abril: Testemunho de Conceição Pereira

4 de Abril, 2019 - 11:02h

Foi através das reflexões na Liga Operária Católica Feminina que comecei a conhecer o regime fascista em que se vivia. Estávamos em plena guerra colonial, de vez em quando chegavam soldados no caixão e a consciência política foi ganhando força. Mas o meu baptismo político foi em 1969. Por Conceição Pereira.

Mulheres de Abril: Testemunho de Manuela Barros

2 de Abril, 2019 - 11:48h

Nasci em Braga, comecei a falar em S. Miguel, aprendi a ler em Cabeceiras de Basto e a contar em Guimarães, descobri a amizade em Mirandela e conheci no Porto o amor, a prisão da PIDE e os ideais que se tornaram a minha estrela polar. Por Manuela Barros Ferreira.

Sobre o/a autor(a)

Socióloga do Trabalho, especialista em Direito do trabalho
(...)