Angola

A entidade com uma história ligada a Isabel do Santos e ao seu sócio Fernando Teles justifica a decisão com a dificuldade de comprar divisas. O Banco Nacional de Angola diz que vai ouvir os seus responsáveis para perceber as verdadeiras razões dos despedimentos.

As três principais centrais sindicais de trabalhadores angolanos convocaram esta quinta-feira a segunda fase da greve geral na função pública, com início na próxima semana, tendo como principal reivindicação a atualização salarial em conformidade com a inflação dos últimos anos. Por Sedrick de Carvalho.

Associações que reúnem familiares e amigos das vítimas da repressão de 1977 alertam que Angola não dispõe da tecnologia que permita identificar através do ADN os restos mortais encontrados em valas comuns.

Os sindicatos falam num clima de “ameaças e coação” com os julgamentos sumários dos detidos a servirem como “um ato de intimidação pública com objetivo de inibir o exercício da liberdade sindical e o direito à greve”. A Ordem dos Advogados de Angola coloca-se do lado dos trabalhadores.

O salário mínimo no país é de de 35 euros e pretende-se um aumento para cerca de 109. A greve está a afetar os serviços públicos e os sindicatos denunciam ameaças aos trabalhadores.

A bilionária angolana perdeu um caso em que está acusada de ter decidido empréstimos da empresa de telecomunicações Unitel à Unitel International Holdings, por ela controlada, para depois esta comprar ações da primeira.

Nas vésperas da marcha deste sábado em Malanje, o Comando Provincial da Polícia Nacional alegou não reconhecer a organização como partido político nem serem permitidas marchas a partidos sem assento parlamentar. Mas a juventude do partido manteve a marcha e saiu às ruas.

Human Rights Watch acusa forças de segurança angolanas de cometeram mais de uma dúzia de assassinatos ilegais e vários outros abusos graves contra ativistas políticos e manifestantes pacíficos desde janeiro de 2023. Organização pede investigação imparcial e responsabilização dos culpados.

Dezenas de pessoas concentraram-se em frente à embaixada angolana pelo fim do uso da "força excessiva, desproporcionada e letal” por parte da polícia nas manifestações em Angola.

Cem pessoas foram detidas nas manifestações do passado fim de semana. Ativistas e associações vincam que a violência policial “não resultou de atitudes ilegais dos manifestantes mas da dificuldade das instituições em respeitar o direito dos cidadãos a exprimir opiniões críticas”.

As marchas pretendiam protestar contra a subida dos preços dos combustíveis, o ataque à venda ambulante e a nova lei sobre as ONG. As autoridades alegaram questões burocráticas para tentar travá-las e depois reprimiram-nas em Luanda e Benguela. Há vários detidos entre os quais dirigentes do Bloco Democrático de Angola.

Há dezenas de presos e não se sabe quantas pessoas ficaram feridas na repressão policial dos protestos em Moçâmedes. Este sábado, há manifestação nacional contra a subida do preço dos combustíveis, o fim da venda ambulante e a nova lei das ONG.

Independentistas e defensores dos direitos humanos estão a ser presos por exercerem o direito à manifestação, acusa a organização de defesa dos direitos humanos.

Frank's Internacional terá de pagar ao Tesouro norte-americano 7,9 milhões de dólares por praticar atos de suborno entre 2008 e 2014. Multinacional pretendia desta forma romper com bloqueio da Sonangol que a impedia de expandir o negócio no país.