Europeias 2024

No primeiro debate a quatro nas televisões, Catarina Martins defendeu que a imigração em Portugal não é um problema de fronteiras mas de regularização de quem trabalha e desconta para a Segurança Social. E criticou o “eurocinismo” dos que na UE defendem o aumento da despesa militar e ao mesmo tempo fornecem armas para o massacre dos palestinianos.

Na feira da Senhora da Hora, em Matosinhos, Catarina Martins distribuiu o manifesto eleitoral para as eleições de 9 de junho e defendeu “mínimos europeus para que em Portugal não se receba salários bem abaixo dos mínimos e se pague preços bem acima dos máximos”. 

Mariana Mortágua e Catarina Martins juntaram-se numa conferência de imprensa sobre a importância das questões ambientais. Foi anunciado um projeto para parar as minas de lítio e um pacote de medidas a implementar à escala europeia.

Dois políticos alemães foram atacados recentemente. Antes, houve episódios de violência política em vários outros países europeus. Vários grupos políticos europeus juntaram-se para condenar os ataques, criticar a normalização da extrema-direita e comprometer-se a não cooperar com ela a nenhum nível. O PPE, que em Portugal inclui o PSD e o CDS, não quis subscrever a declaração conjunta.

Depois do PS e AD terem recusado debates frente a frente entre todos os candidatos e de as televisões chegarem a propor um frente a frente apenas entre estas duas forças políticas, finalmente consensualizou-se um modelo de debates para as próximas europeias.

O partido escreveu aos três canais televisivos apontando a sua “manifesta ilegalidade”, tendo em conta as decisões anteriores da CNE e da ERC. Assim, apela-se à sua retirada ou o Bloco apresentará uma providência cautelar “para que este debate seja realizado nos termos da lei”.

Depois da recusa de debates televisivos frente a frente, a cabeça de lista do Bloco às europeias diz que é compreensível que Sebastião Bugalho “esteja mais habituado a dar notas aos debates dos outros do que a debater”, mas que “Marta Temido lhe faça o frete é absolutamente inaceitável”.

A carreira diplomática de António Tânger Corrêa ficou marcada por casos em Toronto, Goa e Vilnius. O agora cabeça de lista às eleições europeias chegou a ser suspenso pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros.

A lista do Bloco às eleições europeias foi entregue esta segunda-feira no Tribunal Constitucional pelos candidatos às eleições de 9 de junho. 

Leia aqui o manifesto e a lista completa dos candidatos do Bloco de Esquerda às próximas europeias e a resolução da Mesa Nacional do partido que pretende ser uma “força determinada pela convergência unitária da oposição”.

Em entrevista ao Público, a cabeça de lista do Bloco ao Parlamento Europeu defende um novo projeto europeu "que seja mais do que dizer que vamos manter tudo como está e que não gostamos da extrema-direita".

Dez partidos progressistas da esquerda verde europeia, entre os quais o Bloco de Esquerda, apresentam-se nas eleições europeias com uma plataforma política comum que quer colocar as necessidades dos cidadãos à frente dos interesses dos lóbis e das multinacionais, e que encarna a alternativa à convergência entre a direita e a extrema-direita.

Nikolaj Villumsen, from Denmark's Red/Green Alliance, spoke to Esquerda.net about the meeting that brought together representatives from fifteen parties in Copenhagen on Friday, united in their commitment to build a common program for the European elections. By Mariana Carneiro.

Nikolaj Villumsen, da Aliança Vermelha e Verde da Dinamarca, falou com o Esquerda.net sobre o encontro que juntou representantes de quinze partidos na sexta-feira em Copenhaga, unidos no seu empenho em construir um programa comum para as eleições europeias. Por Mariana Carneiro.

Bloco de Esquerda, França Insubmissa, Podemos, Partido da Esquerda da Suécia, Aliança da Esquerda da Finlândia e Aliança Vermelha e Verde da Dinamarca tomaram posição conjunta em defesa da solidariedade, do clima, da justiça e da paz.