Está aqui

Ensino Básico completa ano letivo à distância, Secundário sem data para regressar às aulas presenciais

O primeiro-ministro anunciou que as aulas são retomadas no dia 14 de abril. O Ensino Básico terá aulas complementares através da RTP Memória. Calendário dos Exames Nacionais é alterado.
Foto de Paulete Matos.

O Primeiro-ministro anunciou em conferência de imprensa, esta quinta feira, as decisões do Governo sobre o terceiro período do ensino básico e secundário.

António Costa considera que a interrupção das aulas presenciais foi um sacrifício justificado que deu “um contributo decisivo e uma ajuda notável no combate à Covid-19”. Saudando toda a comunidade educativa, afirmou que os professores e alunos "reinventaram a aprendizagem à distância". Relativamente ao retorno às aulas presenciais, o Primeiro-ministro considera que a prudência deve imperar e que ainda não é possível retomar as aulas presenciais.

O Governo decidiu que as aulas presenciais serão retomadas de modo progressivo, com risco controlável, de acordo com as prescrições da comunidade científica. Não se sabendo ainda em que dia ou em que semana as aulas presenciais poderão ser retomadas.

Ensino Básico com aulas à distância e na RTP Memória

O terceiro período terá início no dia 14 de abril sem atividades letivas presenciais. Os alunos do ensino básico, do 1º ao 9º ano, farão todo o terceiro período através de ensino à distância. A partir de dia 20, haverá, como complemento às aulas à distância, emissões televisivas diárias de caráter pedagógico através da RTP memória, um canal que está disponível através de cabo, satélite e TDT. A avaliação no ensino básico será feita em cada escola sem provas de aferição e sem exames do 9º anos. E será mantido o regime especial de apoio às famílias dos menores de 12 anos.

Ensino Secundário: regresso das aulas presenciais depende da evolução da pandemia

Relativamente ao Ensino Secundário, o Governo considera que é “particularmente importante retomar as atividades presenciais”, porque é uma fase em que os estudantes se preparam para entrar no ensino superior ou na vida ativa. Havendo ainda o problema de uma diversidade de disciplinas (78) que torna inviável colocá-las todas na televisão. A decisão sobre “se e quando se iniciarão com segurança as aulas presenciais do 11º e do 12º anos” não será ainda tomada, depende da evolução da pandemia. Mas António Costa garante que para o Governo “não há data limite”, mesmo que sobre apenas duas semanas de aulas presenciais no final do ano letivo.

Mudanças no calendário de Exames Nacionais

O calendário dos exames nacionais foi adiado, prolongando o ano letivo. A primeira fase decorrerá entre 6 e 23 de julho. E a segunda fase será entre 1 e 7 de setembro. Para limitar a desigualdade sobre as condições de aprendizagem, haverá bloco de perguntas para que os alunos possam escolher responder às matérias cujos conteúdos puderam adquirir nestas circunstâncias atípicas. Com estas alterações ao calendário de exames, as atividades letivas poderão estender-se até 26 de junho.

Termos relacionados Covid-19, Política
Comentários (1)