Está aqui

Não puxem o coelho pelas orelhas

O título da notícia que foi publicada na vossa newsletter não é verdadeiro. O lay-off pode ser criticado por muitas coisas (...) mas nunca por fazer perigar as pensões (reformas). Postado por João Ramos de Almeida em Ladrões de Bicicletas
O lay-off pode ser criticado por muitas coisas (...) mas nunca por fazer perigar as pensões (reformas).
O lay-off pode ser criticado por muitas coisas (...) mas nunca por fazer perigar as pensões (reformas).

Caros camaradas jornalistas do Correio da Manhã
O título da notícia que foi publicada na vossa newsletter não é verdadeiro.

Se consultarem o diploma que regula lay-off simplificado, no seu artigo sobre o financiamento, verificarão que as despesas com esse dispositivo é coberto pelo Orçamento de Estado - e não pelo Orçamento da Segurança Social. O lay-off pode ser criticado por muitas coisas - desvalorizar o trabalho, repartir desigualmente o esforço da crise (cortando nos rendimenros do trabalho e criando poupanças nas empresas), dar dinheiro público a donos de empresas que não precisam, pode ser ineficaz em manter o emprego - mas nunca por fazer perigar as pensões (reformas).

Por outro lado, a dimensão do desemprego não é - ainda - de dimensão para afetar perigosamente as pensões.

Em terceiro lugar, a Segurança Social dispõe de um muito apetecível fundo de estabilização financeira, dotado de várias milhares de milhões de euros para fazer face a emergências.

Portanto, a que se deve esta manchete?

Se o argumento é ter sido o director de fecho a fazê-la para puxar as vendas do jornal, pois têm muito bom remédio. Protestem. Porque é o vosso nome de autores da notícia - que aliás está lá bem visível no topo da notícia colocada às 1h - que vai estar em causa.

Postado por João Ramos de Almeida em Ladrões de Bicicletas

Termos relacionados Covid-19, Blogosfera
(...)