Porto

Extrema-direita volta ao local do crime: “Rui Moreira e André Ventura estão a alimentar esta fogueira”

10 de maio 2024 - 20:23

Partido de extrema-direita marcou manifestação para a manhã de sábado junto ao local onde foram agredidos imigrantes há poucos dias. José Soeiro acusa Rui Moreira de permitir “a celebração de um crime no local onde esse crime aconteceu”.

PARTILHAR
Rui Moreira
Rui Moreira. Foto CM Porto/Facebook

O presidente da Câmara do Porto confirmou esta sexta-feira aos jornalistas que o partido Ergue-te (antigo PNR) vai realizar este sábado de manhã uma manifestação na freguesia do Bonfim relacionada com “questões de segurança” na zona. Confrontado com as críticas por não ter impedido a manifestação neonazi que antecedeu os violentos ataques a imigrantes com motivações racistas no mesmo local, o autarca do Porto disse ser incapaz de o fazer.

Rui Moreira argumentou com a opinião pedida ao procurador-geral distrital, que lhe terá respondido que “a lei só permitiria inviabilizar uma manifestação perante ocorrências que ponham em causa garantias fundamentais de segurança de pessoas ou de propriedade privada e sempre com fundamento numa avaliação de uma força de segurança“. Ou seja, os mesmos fundamentos que levaram o homólogo lisboeta a proibir a realização de uma manifestação do mesmo grupo junto ao bairro da Mouraria, em Lisboa.

O autarca acusou ainda o Bloco de Esquerda de “demagogia” por defender que ele podia de facto ter proibido a manifestação xenófoba na freguesia do Bonfim, onde dias depois vários imigrantes foram agredidos.

Para responder a estas acusações, o deputado bloquista José Soeiro reafirmou que “a realização desta manifestação é perigo para a segurança dos moradores do Bonfim, particularmente dos moradores do Bonfim que já foram agredidos na semana passada, para outros que possam a ser identificados por estes manifestantes neonazis, como sendo moradores do Bonfim e estrangeiros. Para o Bloco de Esquerda, não é normal que se permita a celebração de crime no local onde esse crime aconteceu e que se permita uma manifestação que apela à xenofobia depois de ter havido crimes causados por essa mesma xenofobia”.

Sobre a manifestação ocorrida antes dos ataques racistas, José Soeiro insiste que não deveria ter sido autorizada e que “não é verdade que Rui Moreira não tenha capacidade para atuar”, pois a lei permite-o e “não fazer nada é uma escolha política, não é uma inibição legal”.

Comentando os argumentos que Rui Moreira diz ter ouvido do procurador-geral distrital, José Soeiro lembrou que “o Presidente da Câmara tem a obrigação de comunicar com a PSP. E do nosso ponto de vista, teria a obrigação de comunicar à PSP, se tivesse essa preocupação, a preocupação da insegurança que esta manifestação causa e representa para os moradores daquela área”.

Ao associarem criminalidade e imigração, prosseguiu Soeiro, “Rui Moreira e André Ventura estão a alimentar esta fogueira que transforma vítimas dos crimes, como os que aconteceram na semana passada no Porto, em suspeitos e em eventuais culpados. E nós entendemos que é muito grave aquilo que está a acontecer”.