Está aqui

Covid-19: Pfizer só irá conseguir produzir metade das vacinas previstas este ano

A dificuldade no acesso a matérias-primas significa que, em vez das 50 milhões de doses previstas, apenas 25 milhões estarão disponíveis até ao final do ano.
As primeiras vacinas deverão ser administradas a partir de 14 de dezembro, na Escócia.
As primeiras vacinas deverão ser administradas a partir de 14 de dezembro, na Escócia. Fonte, Biontech, via EPA/Lusa.

A farmacêutica Pfizer-Biontech cortou para metade a previsão de produção de vacinas a serem distribuídas até ao final de dezembro. Em vez de 100 milhões, irão distribuir apenas 50 milhões. E uma vez que a vacina da Pfizer é adminsitrada em duas doses, significa que estaram disponíveis apenas 25 milhões de doses.

Até ao final de dezembro, a Agência Europeia do Medicamento e a Food and Drug Administration dos Estados Unidos (FDA) deverão autorizar a utilização da vacina de ARN-mensageiro.

As vacinas desenvolvidas pela Pfizer-Biontech e pela Moderna não utilizam nenhum material do vírus, mas antes uma molécula que codifica instruções genéticas para que as nossas células produzem a proteína que o coronavírus têm a superfície, e que não é infecciosa.

O Reino Unido, o único país a ter dado luz verde à utilização da vacina, comprou 40 milhões de doses à Pfizer, em produção numa fábrica belga, e deverá ter 800 mil doses no país até ao final da próxima semana. As primeiras vacinas deverão ser administradas a partir de 14 de dezembro, na Escócia.

“Não temos a certeza sobre quantas doses a Pfizer nos poderá dar. Sabemos quantas vão chegar esta semana, mas não sabemos quantas virão em Janeiro”, disse o director dos serviços de saúde da Escócia, Jason Leitch, citado pela BBC.

Segundo o Wall Street Journal, a Pfizer terá dificuldade em aceitar novos pedidos de doses de forma célere. “Escalar a cadeia de fornecimento de matérias-primas levou mais tempo do que se estimava”, disse uma porta-voz da empresa ao jornal. “E é importante frisar que os resultados dos ensaios clínicos saíram um pouco mais tarde do que foi inicialmente projectado”, disse ainda.

No entanto, a Pfizer mantém a intenção de produzir 1300 milhões de doses de vacinas em 2021.

(...)