Está aqui

Vem aí a maior sondagem de sempre sobre a monarquia espanhola

Ante a recusa do instituto oficial de sondagens espanhol em questionar a população acerca da monarquia, vários jornais e sites informativos lançaram um “crowdfunding” para encomendar a consulta. Objetivo foi atingido em menos de 24 horas.
Cartoon de Malagón publicado no CTXT.
Cartoon de Malagón publicado no CTXT.

A imagem da monarquia espanhola está hoje marcada pelos escândalos de corrupção que levaram à fuga do rei emérito Juan Carlos I, suspeito de ter recebido dezenas de milhões de euros em luvas do governo saudita. Mas não há forma de saber o quanto estes escândalos alteraram ou não o apoio dos cidadãos ao regime saído da Transição nos finais dos anos 1970.

Apesar de estar em causa o apoio popular ao regime monárquico, a entidade oficial encarregue das sondagens e estudos de opinião - o Centro de Investigações Sociológicas - tem-se recusado a inquirir a população sobre o tema. A última vez que o fez foi em 2015, um ano após Felipe VI ter assumido o trono. Nessa altura os espanhóis davam à monarquia uma nota de 4.34 numa escala de 0 a 10. O ponto mais baixo (3.68) tinha surgido dois anos antes, após o acidente de Juan Carlos durante uma caça ao elefante no Botswana.

Os pedidos ao CIS para voltar a inquirir a população repetem-se nos últimos meses. Na sexta-feira foi a vez da Unidas Podemos apresentar uma recomendação no parlamento nesse sentido, lembrando que nunca aconteceu passarem cinco anos sem nenhum inquérito acerca da monarquia, “uma situação difícil de se justificar para uma cidadania moderna e para os investigadores em sociologia.

Insatisfeitos com esta tentativa de esconder o sentimento da sociedade acerca do regime, um grupo de 16 jornais e sites de informação independentes dos grandes grupos mediático-empresariais decidiu lançar mãos à obra e pedir o apoio dos leitores para encomendar uma grande sondagem com um universo de três mil pessoas, tal como o usado nas sondagens do CIS.

“O nosso objetivo é fazer o estudo monográfico mais completo até à data sobre a monarquia em Espanha, distinguindo por idade, sexo, classe social, territórios, ideologia política e sentido de voto”, apontam os organizadores, apostados em “conseguir a informação mais precisa possível sobre a opinião dos espanhóis sobre a atual Casa Real, o Rei Filipe VI, o seu pai Juan Carlos I, os escândalos de corrupção, a validade ou não da instituição monárquica no século XXI, a possibilidade e a necessidade de um referendo sobre a monarquia ou República, e a sua opinião sobre a possibilidade de realizar esta consulta”.

E não demorou sequer um dia a atingir o primeiro objetivo: o patamar mínimo de 27 mil euros em mais de 1.700 contributos recolhidos através de uma plataforma de crowdfunding. Segue-se agora a realização do guião do inquérito, a cargo de três professores universitários com experiência na área, e a contratação de uma empresa de sondagens conceituada no país para o levar para o terreno. Os resultados serão publicados nos meios de comunicação promotores da iniciativa em outubro e os dados serão disponibilizados publicamente para que outros media, investigadores e a população em geral possam analisá-los também.

Os meios de comunicação promotores da sondagem são os seguintes: Alternativas económicas, Carne Cruda CT, Catalunya Plural, Critic, CTXT, Cuartopoder, El Salto, La Marea, La Voz del Sur, Luzes, Mongolia, Nortes, Nueva Tribuna, Pikara Magazine, Praza e Público.

Termos relacionados Internacional
(...)