SOS Racismo denuncia “parada Ku Klux Klan” em frente à sua sede

10 de agosto 2020 - 23:38

No sábado passado, um grupo de “nacionalistas”, imitando os grupos criminosos racistas dos Estados Unidos Ku Klux Klan, fez uma marcha em frente à sede da associação, que vai apresentar queixa ao Ministério Público.

PARTILHAR
Pichagem xenófoba feita há semanas num ataque à sede do SOS Racismo, em Lisboa
Pichagem xenófoba feita há semanas num ataque à sede do SOS Racismo, em Lisboa

Segundo notícia do Público, os “nacionalistas” juntaram- se em frente à sede do SOS Racismo, em Lisboa, com a cara tapada com máscaras brancas, imitando os ataques do Ku Klux Klan, que, nos Estados Unidos, ao longo de muitas décadas, têm feito ataques racistas e mesmo linchamentos de pessoas afro-americanas.

O jornal lembra que, há poucas semanas, a sede do SOS Racismo foi vandalizada com uma pintura com a frase “Guerra aos inimigos da minha terra”. Na noite de 12 para 13 de junho, várias pichagens com frases racistas e xenófobas apareceram em diversos concelhos de Lisboa.

O SOS Racismo está a juntar o que ocorreu no passado sábado a outras ameaças que tem recebido e irá fazer queixa ao Ministério Público por ameaças à integridade física, ofensas morais e danos patrimoniais e incitamento ao ódio e violência.

Justiça por Bruno Candé

01 de agosto 2020

Em declaração ao jornal, o dirigente do SOS Racismo Mamadou Ba afirma: “Isto é uma escalada. Uma coisa é fazerem uma manifestação no espaço público em que assumem uma posição política contra o anti-racismo, o que é inaceitável em democracia, mas elegerem uma organização anti-racista como alvo a abater, fazer ameaças de morte e, não contentes, fazerem uma parada militar à moda de Ku Klux Klan ultrapassa todos os limites do confronto ideológico”.

O grupo que fez a parada racista do passado sábado assumiu a iniciativa numa página do facebook com o nome de “Resistência Nacional”.

As imagens podem ser vistas num post no twitter, que publicamos abaixo e que salienta:

"O protesto foi pacífico mas a postura não engana. O perigo é real".