Está aqui

Perto de três mil pessoas em defesa dos Estaleiros de Viana

A Praça da Republica, em Viana do Castelo, encheu-se, esta tarde, de um mar de gente em defesa dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC). A eurodeputada do Bloco Marisa Matias manifestou a sua solidariedade com os trabalhadores dos ENVC e frisou que a luta continua, dado que “não podemos dar por adquirido que o processo de privatização dos estaleiros está terminado”.

Durante a iniciativa foram feitos inúmeros apelos à “investigação" da gestão dos ENVC nos últimos anos e à suspensão do processo de subconcessão e encerramento da empresa.

Mais de 2.500 pessoas, segundo números da PSP, associaram-se à iniciativa “A Construção Naval não pode morrer”, que contou com a presença do ex-presidente Mário Soares, as eurodeputadas Marisa Matias e Ana Gomes, os deputados Carla Cruz e Jorge Fão, o músico Pedro Abrunhosa, o Presidente da Câmara de Caminha, a ex-Ministra da Cultura Gabriela Canavilhas, o historiador Francisco Sampaio e representantes da CGTP e da UGT, entre muitos outros.

Mais de trinta associações da região também participaram na ação, assim como trabalhadores, ex-trabalhadores e reformados dos ENVC.

“Hoje tivemos aqui uma manifestação grandiosa, de todos os setores partidários, da esquerda à direita, do norte a sul, com toda a sociedade a dizer que é preciso parar este processo. É preciso parar para tomar uma boa decisão, porque este é um setor estratégico para o país”, afirmou José Maria Costa, presidente da Câmara local.

“Vim aqui para estar com vocês e ser solidários com vocês”, afirmou, por sua vez, o ex-presidente Mário Soares.  

A comissão de trabalhadores dos ENVC voltou a apelar à suspensão do processo de subconcessão ao grupo Martifer, e o consequente encerramento da empresa pública, anunciando uma nova manifestação para 13 de dezembro.

“Vamos lutar até à exaustão. Senhor ministro, deixe-nos trabalhar”, frisou o porta voz da comissão de trabalhadores, António Costa, lembrando que o ministro da Defesa já foi, por diversas vezes, convidado a visitar a empresa. O representante voltou a apelar ao afastamento do ministro da Defesa, adiantando que todo o processo está envolto em “manobras e trafulhices”.

A eurodeputada do Bloco de Esquerda Marisa Matias manifestou a sua solidariedade com os trabalhadores dos ENVC e frisou que a luta continua, dado que “não podemos dar por adquirido que o processo de privatização dos estaleiros está terminado”.

A dirigente lembrou também que o grupo parlamentar do Bloco de Esquerda no Parlamento Europeu questionou esta semana a Comissão Europeia (CE) sobre se exigiu ou não a Portugal os 180 milhões de euros por suposta violação de concorrência que serve de pretexto ao governo de Lisboa para justificar a decisão agora tomada.

No conjunto de questões endereçadas à CE, sobre o “negócio ruinoso” feito pelo governo português com os Estaleiros Navais de Viana do Castelo, Marisa Matias questiona ainda o executivo chefiado por Durão Barroso se está a par dos acontecimentos e se pretende tomar alguma medida “em tempo útil”.

Artigos relacionados: 

Termos relacionados Sociedade
(...)