Parqueamento pago – Transportes públicos gratuitos

11 de novembro 2023 - 14:19
PARTILHAR

A implementação dos transportes públicos gratuitos em Setúbal é urgente e deve ter data marcada. Claro que deveria ter sido simultâneo e acompanhar o parqueamento pago. Por Joaquim Coelho.

Autocarros Carris Metropolitana
Autocarros Carris Metropolitana em Setúbal. Foto CM Setúbal.

Com a emergência dos problemas ambientais, nomeadamente os relacionados com as alterações climáticas, torna-se hoje absolutamente consensual a urgência da introdução de dinâmicas de descarbonização que pressuponham uma diminuição drástica do uso de energias fósseis, substituindo-as por energias limpas e de maior eficácia energética.

Este é o caminho da neutralidade carbónica que passa também pela necessidade de alterar o paradigma dos transportes, intervindo nas políticas de acessibilidade e mobilidade nas nossas cidades. Para isso já estamos a trabalhar activamente na retirada dos carros dos centros das cidades, melhorando a rede de transportes públicos, privilegiando modos de transporte mais eficazes como o comboio ou mais suaves como as bicicletas.

Em Setúbal, e na gestão autárquica deste problema, seria importante nesta altura afinar melhor a estratégia municipal em curso, de modo a garantir que todas as pessoas, nomeadamente as que vivem nos bairros mais periféricos possam deslocar-se à Baixa ou circular pela cidade em tempo e conforto razoável. Para isso há que melhorar, e em muito a qualidade e a atractibilidade do serviço da actual rede de transportes públicos da Carris Metropolitana em Setúbal.

Joana Mortágua
Joana Mortágua

Tróia de volta ao povo

03 de novembro 2023

Sobre isto, muito já foi dito e também há consenso.

Foi este contexto que a Câmara de Setúbal resolveu introduzir na cidade, duma forma exaustiva e avassaladora o parqueamento pago. Se não contestamos o princípio (retirar carros do centro) já a metodologia de aplicação parece-nos bastante exagerada e algo discriminatória.

Tal como na aplicação de portagens nas autoestradas obriga a que haja outras  alternativas, também o parqueamento urbano pago deve obrigar a que se criem alternativas para aqueles que não podem ou não querem pagar para estacionar.

Ora a experiência diz-nos que, se os cidadãos não tiverem uma alternativa razoável continuarão a deslocar-se por transporte próprio, e assim o número de carros no centro irá continuar a aumentar. Isto será uma perversão do sistema já que aumenta as receitas do município, mas em nada contribui para as questões ambientais.

É bom acrescentar que, para os utentes casuais, os preços praticados nos transportes públicos em Setúbal também não ajudam em nada esta opção. Por exemplo; um casal de moradores do Viso que precise de ir à Baixa, terá que comprar 4 pré-comprados que lhe custam 5 euros. Por outro lado, mesmo pagando o parqueamento, a opção viatura própria apresenta-se como algo vantajosa e sem precisar de estar um tempo infinito à espera dum autocarro.

E não é essa a intenção. Ou é?

Para tornar os transportes públicos mais atractivos, como a primeira opção e aquela que sempre se nos apresenta natural, única e indiscutível, então os transportes públicos urbanos de passageiros em Setúbal devem ser mais eficazes e gratuitos para os utilizadores, competindo favoravelmente com a opção viatura própria mais estacionamento pago.

Para quem estiver mais atento as estas questões, isto nem será uma grande inovação, já que a gratuitidade dos transportes públicos é hoje uma questão premente em muitas cidades. Como o são as ciclovias, para as quais a autarquia também deverá dar uma atenção especial.

Jaime Pinho
Jaime Pinho

Queremos a Tróia de volta

31 de outubro 2023

A implementação dos transportes públicos gratuitos em Setúbal é urgente e deve ter data marcada. Claro que deveria ter sido simultâneo e acompanhar o parqueamento pago. Como isso não aconteceu, é agora altura da Câmara Municipal de Setúbal o inscrever e acomodar no seu orçamento para 2024, no sentido de iniciar o processo de tornar os transportes públicos urbanos gratuitos e assim justificar a dimensão ecológica das medidas que tomou, para facilitar aos cidadãos a acessibilidade e mobilidade em toda uma cidade que se quer sem muros nem ameias.


Setúbal, Outubro 2023
Joaquim Coelho (Geógrafo)