Novos licenciados começam a trabalhar com salário menor do que em 2006

22 de março 2023 - 15:17

Estudo do Banco de Portugal diz que o salário de entrada no mercado de trabalho em 2020 tinha recuado 38 euros face a 2006. Maior recuo foi entre 2010 e 2014.

PARTILHAR
Foto Tobi Gaulke/Flickr

Em 2020, o salário médio real de entrada no mercado de trabalho era de 1.050 euros para um jovem com licenciatura ou bacharelato e, em 2006, o valor era de 1.088 euros, revela um estudo do Banco de Portugal citado pelo Diário de Notícias. Todos os restantes grupos - com ensino básico ou inferior, secundário, mestrados - obtêm hoje melhores propostas salariais no início da sua atividade do que em 2006.

Este estudo intitulado "A distribuição dos salários em Portugal no período 2006-2020" destaca a "redução muito acentuada do salário médio de entrada" dos jovens até 30 anos com ensino superior. Uma redução que foi mais acentuada entre 2010 e 2014 e que depois recuperou, mas sem atingir os níveis de 2006 em termos reais, ou seja, descontando a inflação.

"Em 2020, o salário médio real dos indivíduos com idade entre os 25 e os 34 anos (2.073 euros) era ainda inferior ao salário médio real em 2006 dos trabalhadores do escalão etário imediatamente acima (2.102 euros)", refere o estudo.

Outra das conclusões é que no que diz respeito ao salário já não compensa tanto ter uma licenciatura. Em termos reais, esse "prémio salarial" face aos trabalhadores com o 12º ano caiu mais de 16% entre 2006 e 2020. Uma tendência constante ao longo desses 14 anos, com exceção apenas dos anos de 2008 e 2009.

Por um lado, a maior entrada de licenciados no mercado de trabalho pode ter contribuído para baixar esses ordenados. Por outro, a subida do salário mínimo, que beneficia sobretudo trabalhadores com o ensino básico mas que ajuda a "empurrar" os salários médios dos trabalhadores com o secundário. O resultado foi a redução da desigualdade salarial entre os trabalhadores com graus de ensino diferentes.

Nas contas do Dinheiro Vivo ao prémio salarial dos licenciados, em 2006 este seria de 652 euros mensais face aos que concluíram o secundário (1.744 euros e 1.092 euros, respetivamente). Em 2020, o salário médio real é menor para os dois, mas são os licenciados os mais penalizados, pois esse premio reduziu-se para 546 euros (1.592 euros e 1.047 euros, respetivamente). Nas licenciaturas esse recuo foi de 9%, nos mestrados de 5% e no secundário fica acima de 4%. A exceção é no ensino básico, graças à valorização do salário mínimo a partir de 2015, que permitiu um aumento de quase 14%, de uma média de 801 euros em 2006 para 910 euros em 2020.