Está aqui

Mundial de Futebol: Fifa, o futebol mercadoria

O futebol-arte próprio da criatividade humana transforma-se no miserável futebol propagandístico próprio da sociedade do espetáculo. Por Roberta Traspadini, Brasil de Fato.
Foto de Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr
Os tristes trópicos alegram o palco carnavalesco da acumulação de capital dos robustos cofres da Fifa. Foto de Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr

Estamos em plena Copa do Mundo e somos tomados por tantas sensações, inquietações. Através dos jogos vemos as disputas entre as nações, a concorrência e o destaque individual, a periferia contra os centros, seleções ricas e seleções pobres. Os relvados e as camisas com propagandas, o solo e os corpos como estandartes das mercadorias.

Mas qual o verdadeiro significado da Copa do Mundo? A Copa do Mundo no Brasil coloca-nos de frente para uma realidade grotesca: a apropriação privada do jogo e o desenvolvimento do futebol como uma mercadoria rentável, especulativa e fictícia, em contraposição ao prazeroso encanto do simples valor de uso do gozo.

Vivemos a era da substituição do jogo de passe de bola e das traves improvisadas com o que se encontra nas ruas, protagonizado por crianças, jovens e adultos em várias comunidades ao longo dos desconhecidos Brasis que conformam o Brasil, pela camisa verde-amarela patrocinada pelos grandes capitais financeiros mundiais.

É o futebol no movimento contraditório entre o poder ser para além das regras do capital e o omnipotente dever da ordem dominante. Neste estar entre o poder ser e o não conseguir ser, no qual vivem os trabalhadores, o futebol apresenta-se na história popular do Brasil contemporâneo como um crime hediondo do capital contra o trabalho: a convivência com a morte do direito à vida, ao jogo, ao encanto e à realização da maioria.

O futebol-arte próprio da criatividade humana transforma-se no miserável futebol propagandístico próprio da sociedade do espetáculo em que a ocultação do real não revela o preço pago por muitos na concretização do show produzido para a ostentosa acumulação privada de poucos.

Fifa, o futebol mercadoria

A Federação Internacional de Futebol (Fifa) com sede em Zurique-Suíça, foi conformada legalmente em 1904, em plena era hegemónica do capital monopolista financeiro (imperialismo). O negócio do futebol de forma ocorre no mesmo momento em que o mundo passa a ser regido pela dinâmica do capital financeiro.

O site da Fifa informa que de 2007 a 2010 os seus negócios do futebol tiveram êxito, em especial, nos preparativos para a Copa do Mundo da África do Sul. A indústria patenteada da bola acumulou neste período uma receita de 4.189 mil milhões de dólares, em que parte substantiva deste valor de mercado tem origem nos eventos do grande espetáculo do futebol.

Além desta fonte, o atual capital financeiro Fifa lucrou 37 milhões de dólares com a venda de quinquilharias patenteadas no mesmo período. Camisas, bonecos, bolas, meias, todos os kits da venda do sonho de pertencer à grande aldeia global do futebol “arte”, materializado nas campanhas de marketing do capital Fifa.

A Fifa reforça no seu site que os custos de 2 mil milhões de dólares para os preparativos da Copa são arcados por ela. Como se os custos não fossem debitados da conta do trabalho e dos cofres públicos do país sede da copa.

Os ganhos da Copa do Mundo no Brasil prometem. Ao modernizar-se enquanto capital financeiro, a indústria Fifa.com disponibilizou quase 3 milhões de bilhetes dos quais 2,9 milhões já foram vendidos, com uma lista de espera de 8 milhões. Além disso, as recordações da Copa do Mundo do Brasil, através dos produtos registados no site, expressa a gigantesca máquina de fazer dinheiro da indústria.com da Fifa.

A Fifa reforça no seu site que os custos de 2 mil milhões de dólares para os preparativos da Copa são arcados por ela. Como se os custos não fossem debitados da conta do trabalho e dos cofres públicos do país sede da copa.

Além disso, como educação e futebol para os negócios estão diretamente relacionados, a Fifa possui na Suíça um centro internacional de estudos desportivos que oferece especializações e cursos de curta duração organizados para a administração dos negócios desportivos do futebol. Merece destaque e um estudo o mestrado internacional da Fifa em administração, direito e humanidades do desporto.

O país do futebol foi escolhido como o palco benevolente da reprodução social do capital financeiro Fifa que se apresenta como um representante global dos interesses do futebol. Os tristes trópicos alegram o palco carnavalesco da acumulação de capital dos robustos cofres da Fifa.

O vermelho do verde-amarelo

Enquanto isto, no país do futebol-arte os “invisíveis” populares seguem os seus rumos na procura de trabalho, na luta por moradia, por inserção na educação e projeção de saúde mínima, para não terem que usar o falido sistema de cura dos superlotados hospitais brasileiros. Populares e invisíveis.

Na imagem aérea da arena do teatro moderno do futebol, não há espaço para a veiculação do quanto os estádios estão rodeados por gigantescas periferias, territórios em que os seus ocupantes não aparecem na fita da fantasia Fifa, mas que são os verdadeiros celeiros de craques desconhecidos em várias áreas da produção de vida.

O futebol é uma entre tantas paixões mundiais. E belo por ser próprio à criatividade humana. Mas a capacidade de transformar o belo em mercantil e de sujeitar todos à sua ordem hegemónica, não sem contestações, cobra o seu preço. Entre o sonho do ganhar dinheiro com a bola, vive-se uma realidade concreta de se fugir ao menos das balas: venham elas do Estado ou dos corpos armados.

Galeano ama a bola que vive dentro dos pés do Messi. Talvez ele enxergue a origem vermelha oculta pelas chuteiras do craque.

O país do futebol é vermelho além de verde-amarelo. Porque vermelha é a cor dominante nas ruas. Vermelho é o sangue sobre os asfaltos, nos corredores dos hospitais, nas contas não pagas pela maioria que vive para tentar arcar com a sua sobrevivência no palco mercantil do futebol fantasia do mundo do trabalho atual. Outro Brasil, verdadeiramente belo pulsa.

E vermelho também é a sua cor. Porque vermelha é a luta popular, vermelha é a cor da bandeira da luta, vermelho é o sonho que sempre presente, está por despertar. Galeano ama a bola que vive dentro dos pés do Messi. Talvez ele enxergue a origem vermelha oculta pelas chuteiras do craque.

24/06/2014

Roberta Traspadini é professora da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e da Escola Nacional Florestan Fernandes (ENFF).

Publicado originalmente no Brasil de Fato

Artigos relacionados: 

Termos relacionados Corrupção na FIFA, Sociedade
(...)