Está aqui

Memórias: Karl Kraus

No dia 28 de abril de 1874, nasceu Karl Kraus. Foi um escritor e jornalista austríaco. É considerado um dos maiores escritores satíricos em língua alemã do século XX. Por António José André.
Karl Kraus. Foto Charlotte Joel/ÖNB, Bildarchiv Austria/Wikimedia Commons

Karl Kraus nasceu a 28 de abril de 1874 em Jičín (Boémia - República Checa), numa família abastada, que se mudou para Viena, em 1888.

Em 1892, matriculou-se em Direito na Universidade de Viena. Nesse ano, começou a contribuir para o jornal "Wiener Literaturzeitung", começando com uma crítica a Gerhart Hauptmann.

Nessa época, tentou ser ator num pequeno teatro. Em 1894, mudou-se para Filosofia e Literatura Alemã. Kraus interrompeu os estudos, em 1896.

Em 1899, começou publicar a sua revista satírica quinzenal, "Die Fackel" (A tocha). Tal era o talento de Kraus, que Moritz Benedikt, editor da "Neue Freie Presse", ofereceu-lhe o cargo de chefe da secção satírica desse jornal.

Kraus viveu para os seus escritos e organizou a vida em torno do trabalho. Disse que era "uma forma invertida de viver": dormindo durante o dia e trabalhando a noite toda.

Kraus foi objeto de controvérsia durante a vida: teve posições liberais, conservadoras, socialistas e clericais. Opôs-se à psicanálise do seu conterrâneo Freud. Alegou que não havia crise da linguagem, mas uma crise cultural.

Kraus apoiou o Partido Social Democrata da Áustria. Esperando que Engelbert Dollfuss impedisse o nazismo de engolir a Áustria, apoiou o golpe de Estado de Dollfuss, que estabeleceu o regime fascista austríaco.
Em 1933, escreveu a sátira "Die Dritte Walpurgisnacht" (A Terceira Noite de Walpurgis). Kraus reteve a sua publicação para proteger os seus amigos de represálias nazis.

Kraus foi atropelado por um ciclista e sofreu intensas dores de cabeça e perda de memória. Deu a sua última palestra, em abril de 1936. Morreu a 12 de junho de 1936, em Viena.

Kark Kraus é considerado um dos maiores escritores satíricos em língua alemã do século XX.

Termos relacionados Memórias, Cultura
(...)