Está aqui

Há 25 anos, Alcindo Monteiro foi assassinado pela sua cor de pele

No dia 10 de junho de 1995, Alcindo Monteiro foi espancado por um grupo de neonazis no Bairro Alto, em Lisboa. A Câmara da capital vai homenageá-lo com uma placa na rua Garrett, no local onde foi assassinado, assinalando a luta contra o racismo.
Alcindo Monteiro foi assassinado a 10 de junho de 1995, por um grupo de neonazis
Alcindo Monteiro foi assassinado a 10 de junho de 1995, por um grupo de neonazis

Assassinado por ser negro

Alcindo Monteiro tinha 27 anos, nascera no Mindelo, em Cabo Verde e vivia no Barreiro.

Segundo o relatório médico, Alcindo Monteiro sofreu: “Hemorragias sub-pleurais e sub-endocirdicas; edema pulmonar; graves lesões traumáticas crânio-vasculo-encefálicas; lesão no tronco cerebral; edema cerebral muito marcado; fractura da calote craniana.”

Em artigo publicado no esquerda.net, Soraia Simões de Andrade refere que Alcindo Bernardo Fortes Monteiro “era primo de dois dos músicos que integravam o grupo Karapinhas (Tutin di Giralda e Djone Santos), que acompanhou o rapper General D em estúdio e em espectáculos”. “Quem conviveu com Alcindo conta que tinha uma paixão pela dança (participou inclusive em vários concursos, tendo ganho alguns) e que era um óptimo cozinheiro de cachupa e de sorriso fácil”, sublinha.

Além de Alcindo Monteiro, outras 10 pessoas, todas negras, foram tratadas nos hospitais por terem sido espancadas e sofrido de: narizes partidos, faces desfiguradas, cabelos arrancados, nucas amolgadas, hematomas em forma de punho, fraturas internas e externas.

A ação que levou ao bárbaro assassinato de Alcindo Monteiro foi realizada por um grupo de skinheadas, após um jantar nacional para supostamente comemorar o “Dia da Raça”, uma desculpa para “caçar pretos no Bairro Alto”.

O grupo de assassinos foi julgado e condenado pela Justiça portuguesa, tendo 17 skinheads sido identificados como autores dos crimes: Mário Machado, Cláudio Cerejeira, Nuno Monteiro, Nelson Silva, Nuno Themudo, Jaime Helder, Alexandre Cordeiro, José Lameiras, Hugo Silva, João Martins, Ricardo Abreu, José Paiva, Jorge Martins, Tiago Palma, Jorge Santos, Nelson Pereira, João Homem.

Seis anos antes, a 28 de outubro de 1989, um grupo de neonazis matara José Carvalho, dirigente do PSR e antigo membro da comissão de trabalhadores da Messa. Este crime alertou a sociedade portuguesa para a ação dos grupos neonazis e, seis anos depois, viriam a estar implicados na morte de Alcindo Monteiro.

Em declarações à Lusa, José Falcão, dirigente do SOS Racismo, destaca: “Foi um caso importante para chamar atenção. Não houve impunidade porque batalhámos bastante para que não houvesse e a morte do Alcindo Monteiro travou um bocadinho a onda de violência” que já vinha dos anos 80.

Assassinos novamente a contas com a justiça

A 16 de maio deste ano, o Ministério Público constituiu como arguidos 37 neonazis suspeitos de agressões brutais e tentativas de homicídio contra afrodescendentes e homossexuais. Entre os arguidos, 11 já foram anteriormente identificados em processos promovidos por organizações neonazis, 5 dos quais foram anteriormente condenados pela morte de Alcindo Monteiro, em 1995, no Bairro Alto. (ver notícia no esquerda.net: 37 neonazis constituídos arguidos pelo Ministério Público).

José Falcão aponta a “coerência” dos neonazis, notando que “não houve assim tanta alteração”, apesar da lei contra a discriminação racial aprovada em 1999.

“Eles estão aí à mesma”, sublinha e critica a “normalização da violência” e do discurso que separa e estigmatiza raças e que se espalha mesmo às autoridades policiais.

Racismo não é só aquele que mata ou bate”

“Racismo não é só aquele que mata ou bate. É institucional, sistemático e perpetua as diferenças. Continuamos a empurrar os alunos afrodescendentes para o ensino profissional. Continuamos a atirar as pessoas para as periferias das cidades, em bairros sociais onde já chove dentro das casas antes de serem inauguradas, numa estigmatização sistemática”, salienta José Falcão.

“Relembro que Alcindo foi pontapeado, por ser negro. Por Nuno Cláudio e pelos restantes, na cabeça, no estômago, nos genitais, um quadro de terror. Cláudio Cerejeira foi condenado, como outros foram, nele não há sinais de arrependimento e tem seguidores. A prová-lo estiveram os comentários e intimidações que um grupo de seus seguidores tem feito nas minhas, e de outros, redes sociais, após a exposição nas nossas páginas deste dislate televisivo”, denuncia Soraia Simões de Andrade.

Lisboa assinala luta contra o racismo

O vereador do Bloco de Esquerda na Câmara de Lisboa, Manuel Grilo, e a vereadora Catarina Vaz Pinto do PS, com o pelouro da Cultura, vão propor na próxima reunião do executivo municipal a fixação de “uma placa na Rua Garrett assinalando o local onde foi assassinado Alcindo Monteiro, há 25 anos, em 10 de junho de 1995, às mãos de skinheads”.

Em comunicado, do gabinete do vereador Manuel Grilo, realça-se: “A Câmara Municipal de Lisboa não esquece os nomes de quem sofreu a violência racista e assinala, assim, a urgência da luta antirracista todos os dias”.

Termos relacionados Sociedade
(...)