Está aqui

Bloco condena repressão e prisões políticas na Catalunha

Em comunicado da Comissão Política, o Bloco de Esquerda defende que “só a via do diálogo político e democrático, no estrito cumprimento do direito dos povos à sua autodeterminação, pode resolver a questão catalã” e condena o Estado Espanhol por “procurar resolver um conflito eminemente político através da repressão e da prisão”.

Num comunicado emitido esta terça-feira, a Comissão Política do Bloco de Esquerda tomou posição acerca da sentença do Supremo Tribunal espanhol aplicada a nove dirigentes políticos e associativos catalães envolvidos na organização do referendo de 1 de outubro de 2017 sobre a independência da Catalunha.

Para o Bloco, “o Estado Espanhol reprimiu violentamente” então este “ato democrático”. Quanto à condenação dos independentistas catalães a penas entre 9 e 13 anos, o partido considera que isso “representa um ataque aos princípios fundadores do Estado de Direito Democrático e aos mais elementares direitos cívicos e políticos”.

Por esta razão, repudia-se “a reiterada tentativa por parte do Estado Espanhol em procurar resolver um conflito eminentemente político através da repressão e da prisão”, para além de se apelar “à libertação de todos os presos políticos catalães, ao regresso dos exilados sem represálias e ao fim da repressão na Catalunha”.

O Bloco pensa que “em democracia, as opiniões diferentes e o exercício da oposição pacífica não podem ser atacados judicialmente” e, por isso, reitera que “só a via do diálogo político e democrático, no estrito cumprimento do direito dos povos à sua autodeterminação, pode resolver a questão catalã”.

Esta terça-feira realiza-se em Lisboa uma concentração contra a repressão espanhola à autodeterminação catalã. O evento convocado pela Assembleia Nacional Catalã terá lugar na Avenida da Liberdade, em frente ao consulado espanhol, a partir das 19h. Para o Porto está marcada outra concentração para quinta-feira às 18h30 na Praça Carlos Alberto.

Termos relacionados Catalunha, Política
(...)