Está aqui

Após escalada de violência em Gaza, Palestina aceita cessar-fogo

Esta madrugada, os líderes palestinianos em Gaza acordaram um cessar-fogo com Israel. A decisão veio no seguimento de uma escalada de violência, fruto da ordem de “ataques massivos" por Netanyahu.
Fotografia: commons.wikimedia.org
Fotografia: commons.wikimedia.org

Contavam-se já 25 mortos em dois dias. Durante o fim-de-semana, o exército israelita fez 220 bombardeamentos, tendo como resposta cerca de duas centenas de rockets.

Netanyahu afirmara que o Hamas estava a pagar “um preço pesado”, jurando que os ataques apenas atingiam alvos militares. Por sua vez, as autoridades palestinas apresentaram as vítimas civis como prova de que assim não tem sido. Para mais, os lançamentos de resposta foram reivindicados pela Jihad Islâmica.

Numa altura em que as hostilidades entre o Estado hebraico e grupos do enclave palestiniano, Trump declarou que “Mais uma vez, Israel enfrenta uma barreira de ataques mortais com 'rockets' dos grupos terroristas Hamas e 'Jihad' islâmica. Nós apoiamos Israel a 100% na defesa dos seus cidadãos”.

O presidente norte-americano não disse uma palavra sobre os bombardeamentos israelitas ou sobre as vítimas palestinianas.

Termos relacionados Massacre em Gaza, Internacional
(...)