Está aqui

Abrantes: “Mudança em defesa do desenvolvimento sustentável”

Armindo Silveira encabeça a lista do Bloco de Esquerda à Câmara Municipal de Abrantes. Na apresentação da candidatura criticou “três décadas de governação autárquica” do PS e afirmou: “esta terra tem tudo para dar certo, mas está num declínio que urge estancar”.
Lançamento da candidatura autárquica de Abrantes - Foto de Andreia Quartau
Lançamento da candidatura autárquica de Abrantes - Foto de Andreia Quartau

Armindo Silveira, atual vereador municipal, é o candidato do Bloco de Esquerda à Câmara Municipal de Abrantes e Pedro Grave, operador de produção térmica, é o cabeça de lista à Assembleia Municipal.

A apresentação da candidatura realizou-se nesta sexta-feira, 16 de julho, tendo intervido os dois cabeças de lista e a coordenadora nacional do Bloco de Esquerda, Catarina Martins.

Os incêndios são apenas uma catástrofe anunciada”

Na sua intervenção, Armindo Silveira referiu que o concelho continua a perder população, apontou que “a deficiente assistência de cuidados primários de saúde aumentou assimetrias” e afirmou que “os incêndios são apenas uma catástrofe anunciada em consequência de uma gestão predatória do espaço rural”.

Catarina Martins, Fabíola Cardoso e ativistas de Abrantes - Foto de Andreia Quartau
Catarina Martins, Fabíola Cardoso e ativistas de Abrantes - Foto de Andreia Quartau

O candidato bloquista criticou também “a degradação do património edificado municipal”, a falta de política de reabilitação e o facto de não ser público o “ Plano Municipal de Adaptação às Alterações Climáticas do Concelho de Abrantes”.

“Trilhar novas soluções é urgente pois está mais que provado que esta governação é ineficaz e inoperante. Sem estratégia e visão para uma terra que tem tudo para dar certo”, salientou Armindo Silveira.

Pelo desenvolvimento sustentável de Abrantes”

Armindo Silveira afirmou que o Bloco irá defender o desenvolvimento sustentável no concelho, “como fizemos ao longo destes quatro anos” e apontou oito pontos essenciais nessa ação.

A “defesa da memória coletiva e do património de todos” apontou, como um dos pontos da estratégia de desenvolvimento da candidatura, sublinhando: “Connosco a memória colectiva e o património de todos nós será valorizado e preservado para as gerações vindouras”.

Ser um concelho referência ao nível da sustentabilidade ambiental e da vida, da produção e divulgação do conhecimento que permita alcançar esse objetivo a médio prazo”, defendeu, referindo a valorização dos espaços públicos e “um plano ambicioso de aquisição de terrenos para preservar, regenerar e florestar para potenciar a biodiversidade e tornar a floresta mais resiliente”.

Cuidados de saúde de proximidade”, defendeu em terceiro lugar Armindo Silveira e, em quarto, a Educação-Requalificação do Parque Escolar”, referindo a construção de um centro escolar moderno na UF de Alvega e Concavada.

O candidato à Câmara de Abrantes defendeu também a Reabilitação/habitação”, salientando que o Bloco avaliará a “recente” Estratégia Local de Habitação de Abrantes, e pugnou na Economia pelo “retorno do mercado diário ao seu edificio de origem”, como uma prioridade do Bloco de Abrantes”, e a discriminação positiva do comércio tradicional.

Na Cultura, Armindo Silveira considerou fundamental “afirmar Abrantes com uma referência no panorama cultural nacional e ibérico”, tendo em conta o Museu Ibérico de Arqueologia e Arte. Por fim, afirmou: “Lutaremos para que as freguesias tenham mais autonomia financeira e menos dependência do executivo autárquico”.

Termos relacionados Autárquicas 2021, Política
(...)