Está aqui

Bloco aprova campanha contra governo da troika

Bloquistas apostam na multiplicação das lutas de massas e nas respostas consistentes a cada uma das medidas de aumento de exploração, de marginalização e de exclusão social. Contra a austeridade, partido quer devolver aos cidadãos o direito de decidirem sobre a sua vida.
Bloquistas querem devolver aos portugueses o direito de decidirem sobre si próprios e sobre a sua vida. Foto de Paulete Matos

O Bloco de Esquerda aprovou na reunião da sua Mesa Nacional de sábado a realização de uma "grande campanha contra a austeridade e contra o Governo da ´troika'", que culminará numa jornada nos dias 28 e 29 de abril. A campanha começa começa no próximo sábado, no Terreiro do Paço, quando os bloquistas se associarão à convocatória dos sindicatos, e passará também por várias iniciativas promovidas pelos bloquistas.

A 28 e 29 de abril realizar-se-ão jornadas no Porto, Braga, Lisboa, Setúbal, entre outras cidades, "que culminarão com grandes comícios de rua e com grandes iniciativas de intervenção popular, com marchas, com intervenção social, para dar corpo a uma resposta política que apresente alternativas concretas", explicou o coordenador bloquista, Francisco Louçã.

"O Bloco de Esquerda mobilizará toda a sua energia para desenvolver uma resposta consistente, de uma oposição construtiva, combativa, batalhadora, para devolver aos cidadãos a capacidade de escolha e o direito de decidirem sobre si próprios e sobre a sua vida", disse Louçã.

"Queremos dizer que há uma oposição que não desiste, que vai ser cada vez mais forte, que está determinada a isso, que vai à luta de massas, que vai a propostas claras perante o país, porque isso é que é necessário para mudar a política", argumentou.

Tsunami económico e social

O deputado do Bloco e economista explicou que "o Bloco de Esquerda fará subir o nível da nossa ação social, da nossa participação e intervenção populares para responder diretamente a cada uma destas medidas, à abolição de feriados, ao aumento do número de dias de trabalho que não é pago à multiplicação das formas de exploração e de marginalização e exclusão social", disse.

O Bloco de Esquerda alertou para o facto de que, "com o acordo feito entre o patronato e o governo, se iniciou uma fase de destruição de direitos sociais e de ataque à vida dos trabalhadores, que a grande maioria da população está a sofrer no primeiro mês de 2012 o prenúncio de um tsunami económico e social, que já se expressou no aumento do preço dos transportes, no aumento do preço dos medicamentos, na redução dos apoios sociais, no aumento dos impostos e em consequência no disparar do nível de desemprego".

Artigos relacionados: 

Termos relacionados Política
Comentários (3)