Está aqui

O caso da “licença perpétua” da EDP na central de Sines

A licença de produção atribuída à EDP para a exploração da central termoelétrica de Sines terminaria este ano. Mas, em 2007, o Estado prolongou-a sem prazo e sem contrapartidas. Se nada for feito para revogar esta licença, a EDP pode ganhar 400 milhões nos próximos dez anos.
Central Sines. Foto Alberto Frias

No novelo das rendas da energia e das atuais investigações judiciais, o caso da central de Sines é paradigmático. Quando o governo de Santana Lopes, com António Mexia ministro das Obras Públicas, aprovou a mudança do regime de compensação às empresas produtoras de energia – os famosos custos de manutenção do equilíbrio contratual (CMEC) –, estes “herdaram” o prazo de vigência dos Contratos de Aquisição de Energia (CAE) em vigor até então.

Porém, no caso das centrais termoelétricas, as licenças deixaram de ter prazo de duração. Na altura, o regulador da energia (ERSE) emitiu um parecer sobre o diploma, referindo-se em concreto a este caso, considerando ser “ilegítima” a vantagem dada à EDP. Mas, em 2007, a licença sem prazo nem contrapartidas foi mesmo assinada pelo governo Sócrates.

O autor desta extensão da licença foi o então diretor-geral de Energia e Geologia (DGEG), Miguel Barreto, nomeado para o cargo em 2004 pelo governo de Durão Barroso, vindo da Boston Consulting, onde tinha prestado serviços à EDP no processo de reestruturação do setor.  Em 2008, Miguel Barreto saiu do cargo para, em sociedade com a Martifer, se tornar acionista (40%) da Home Energy, empresa do setor tutelado pela DGEG e que aumentou bastante o seu volume de negócios nesses anos. Em 2011, a EDP compra a Home Energy a Miguel Barreto e à Martifer.

Licença ambiental termina em 2019, Estado deve renegociar

O valor da concessão de Sines por dez anos num concurso internacional poderá rondar os 400 milhões de euros. É isso essa a dimensão do benefício à EDP se esta licença não for revogada, denunciou o Bloco de Esquerda no ano passado, lembrando ainda que “os ganhos que o produtor poderá realizar nesse período suplementar de exploração da central de Sines não foram deduzidos à compensação que os consumidores têm pago à EDP [a título de CMEC]”.

“Pelo contrário, a amortização dos investimentos realizados ao longo da ‘vida operacional’ da central de Sines, incluindo a dos mais recentes e avultados, realizados por imposição ambiental, tem sido totalmente suportada pelos consumidores e estará completa no final de 2017”, afirmava o deputado bloquista Jorge Costa no requerimento enviado em junho do ano passado ao ministro da Economia.

Na resposta, o ministro Manuel Caldeira Cabral abre a porta à renegociação da polémica licença, afirmando que o governo iria preparar “uma análise ampla e detalhada” no âmbito da renegociação dos CMEC, em que se incluiria a situação desta central termoelétrica. E revelou ainda que a atual equipa do Ministério da Economia não encontrou “qualquer estudo realizado anteriormente sobre este assunto”. Ainda em 2016,, o então presidente da ERSE reafirmou aos deputados da comissão parlamentar de Economia a posição assumida em 2004 pelo regulador quanto à ilegitimidade desta “licença perpétua”.

A licença ambiental da Central de Sines termina no final de abril de 2019. Para Jorge Costa, “enquanto se criam as condições para, a prazo, encerrar esta central a carvão - com forte impacto em termos de emissões de CO2 -, o final da licença ambiental em 2019 deve ser preparado pelo governo, para que seja paga pela EDP ao sistema elétrico (e portanto pelos consumidores, na fatura) a justa compensação pela continuidade da exploração de Sines para além do prazo original”.

(...)

Resto dossier

Rendas da energia: um assalto aos consumidores

A fatura da luz em Portugal é das mais caras da Europa. São os consumidores que pagam as rendas excessivas que os governos garantiram à EDP para a privatizarem. Este dossier detalha a história de algumas destas rendas e também das propostas do Bloco de Esquerda para as cortar, que já produziram resultados no último ano. Dossier organizado por Luís Branco.

CMEC: história de uma renda garantida à EDP

Os Custos de Manutenção do Equilíbrio Contratual são uma importante parcela das rendas excessivas pagas à EDP. Os CMEC tiraram do bolso dos consumidores de eletricidade mais de 2500 milhões de euros nos últimos dez anos.

EDP: a rainha da promiscuidade entre política e negócios

Só desde os anos 90, mais de duas dezenas de antigos membros de governos portugueses passaram por órgãos sociais da EDP. Conhecer esta promiscuidade ajuda-nos certamente a compreender a força que permite manter no setor elétrico uma pilhagem tão sistemática e permanente contra a maioria da população.

Fatura da luz em Portugal pesa o dobro que em Espanha

Estudos confirmam que Portugal é o segundo país europeu onde a fatura da electricidade pesa mais. Desconto da tarifa social na luz e gás, que o Bloco reforçou e tornou de atribuição automática, é o maior da Europa.

Governo PSD/CDS prometeu novas rendas ao setor solar

O governo da direita não só manteve as velhas rendas da produção elétrica convencional como se comprometeu com novas tarifas subsidiadas à produção solar. O Bloco tem lançado os alertas.

Barragem do Baixo Sabor: Autarquias acusam EDP de não pagar o que deve

A Associação de Municípios do Baixo Sabor diz que a elétrica não está a cumprir as suas obrigações no pagamento da renda e na dotação do fundo para adaptação e desenvolvimento sustentável da região.

Garantia de potência: renda excessiva foi cortada este ano

A disponibilidade das centrais elétricas para abastecerem a rede em caso de necessidade foi paga, ao longo dos anos, a peso de ouro. O fim dos contratos por ajuste direto foi inscrito pelo Bloco no último Orçamento e já poupará este ano 7,2 milhões de euros dos consumidores.

Renováveis: mais um setor com lucros garantidos

A renda excessiva paga pelos consumidores às empresas de energia renovável tem rendido enormes lucros à EDP e outros operadores. Esses ganhos no mercado português são muito superiores aos dos outros países onde estas empresas operam.

Governo sob pressão para tabelar preço do gás de botija

Os preços do gás engarrafado dispararam nos últimos 15 anos e o próprio governo admite o “comportamento anómalo” do mercado. Se em 2002, os consumidores de butano pagavam por kWh mais cerca de 2,5 cêntimos do que os consumidores de gás natural, essa diferença supera hoje os 7 cêntimos.

O caso da “licença perpétua” da EDP na central de Sines

A licença de produção atribuída à EDP para a exploração da central termoelétrica de Sines terminaria este ano. Mas, em 2007, o Estado prolongou-a sem prazo e sem contrapartidas. Se nada for feito para revogar esta licença, a EDP pode ganhar 400 milhões nos próximos dez anos.

Interruptibilidade: a renda dos grandes grupos industriais

Cerca de meia centena de empresas são financiadas pelos consumidores de eletricidade pela prestação de um serviço que até hoje nunca foi utilizado. Esta renda não parou de aumentar e em 2015 atingiu 110 milhões de euros. Por proposta do grupo de trabalho formado pelo Bloco e pelo governo, as regras foram mudadas no Orçamento.

Windfall Tax: como o Reino Unido taxou as rendas da energia

Os lucros excessivos dos serviços de energia privatizados não são uma originalidade portuguesa. No Reino Unido, o imposto especial cobrado em 1997 permitiu arrecadar cerca de 7500 milhões de euros.

Iluminação pública: EDP não cumpriu contrato com municípios

Um inquérito promovido pelo Bloco junto das autarquias confirmou incumprimentos da EDP nos contratos para iluminação pública municipal. Mas a Associação Nacional de Municípios propõe agora reforçar a posição da empresa, tornando-a numa espécie de central de compras das autarquias.