Está aqui

Governo sob pressão para tabelar preço do gás de botija

Os preços do gás engarrafado dispararam nos últimos 15 anos e o próprio governo admite o “comportamento anómalo” do mercado. Se em 2002, os consumidores de butano pagavam por kWh mais cerca de 2,5 cêntimos do que os consumidores de gás natural, essa diferença supera hoje os 7 cêntimos.
Foto Paulete Matos.

Segundo a DECO, entre 2014 e 2016, 13 quilos de gás butano passaram a custar menos 6,24 euros, mas o preço de venda ao público da garrafa de 13 quilos de gás caiu apenas 2,77 euros. Uma das razões para a diferença crescente entre o custo da importação e o preço de venda ao público é a elevada concentração de mercado, com as empresas – Galp, Rubis, Repsol e OZ, além da Prio, no propano – a aumentarem as suas margens à custa dos consumidores, que não têm alternativa.

Outro elemento a ter em conta nesta análise de mercado é a disparidade dos preços consoante a zona do país para este bem de primeira necessidade. E comparando com Espanha, onde foram impostos preços máximos, a diferença é evidente: ali, a mesma botija que é vendida em Portugal por 23 euros, está a venda por 13 euros. O governo reconhece que o gás de garrafa é utilizado por 75% da população portuguesa e que o preço de referência calculado para Portugal é cerca de metade do preço de venda ao público, revelando um “comportamento anómalo” do mercado.

 

Em junho deste ano, o Bloco entregou na Assembleia da República um projeto de resolução que recomenda ao governo um sistema de determinação dos preços máximos de venda das botijas de gás GPL, butano ou propano, ao longo da cadeia e ao consumidor final. “Os preços máximos, fixados com regularidade mínima semestral, deverão refletir a evolução das cotações da matéria-prima e dos custos de comercialização”, aponta a proposta.

Em entrevista dada em junho à TSF, o secretário de Estado da Energia manifestou abertura para avançar para a fixação administrativa de preços, caso o preço de venda das botijas não se aproxime do praticado do mercado espanhol.

Os contratos “take or pay” no gás natural que a Galp escondeu

Com a transposição, em 2006, das diretivas que obrigaram à separação das atividades de transporte, distribuição e comercialização de gás natural, o governo definiu o modelo de reestruturação do setor do gás, retirando à Galp as atividades de transporte e às suas distribuidoras o monopólio da comercialização. Porém, manteve a Galp privada como titular dos contratos "take or pay", celebrados nos tempos de propriedade pública da empresa com a Argélia e a Nigéria. Estes contratos obrigam à compra, ao longo dos anos, de uma quantidade pré-determinada de gás, mesmo que as necessidades de consumo sejam inferiores.

Ou seja, o risco de consumo é partilhado pela Galp com os consumidores, que o pagam na fatura. Ora, a Galp pôde, enquanto titular dos contratos “take or pay”, revender os excedentes de gás natural ao longo de mais de uma década, mas não partilhou com os consumidores os ganhos realizados com esse excedente pago por estes.

Como o consumo de gás natural em Portugal caiu desde 2009, os excedentes acumularam-se. Ao mesmo tempo, a procura internacional aumentou (sobretudo do Japão, desde o acidente nuclear em Fukushima). Os preços dispararam. Segundo a ERSE, os lucros da Galp com estes contratos, entre 2010 e 2026, poderão atingir 1.158 milhões de euros. Nas contas do governo do PSD/CDS, as mais valias obtidas pela Galp entre 2006 e 2012 somaram mais de 300 milhões de euros - e nunca foram partilhadas com os consumidores.

Nos últimos anos, os governos tentaram ter acesso aos contratos “take or pay”, que deveriam estar depositados no Ministério da Economia e na Direcção-Geral de Energia e Geologia por vincularem o Estado português, enquanto concedente, quando foram assinados. Mas os contratos desapareceram e a Galp passou três anos a ocultar esses documentos quer do governo quer da entidade reguladora. As ameaças de contraordenação por parte da ERSE e o aumento da pressão política sobre a Galp obrigaram a empresa a entregar os contratos no último ano, passando assim a conhecer-se o preço de base do gás natural consumido em Portugal. Foi assim que, segundo o governo, em 2016, os preços do gás canalizado diminuiram para os consumidores domésticos em 18%. Para a indústria, essa queda foi de 22% a 28%, na média e na baixa pressão, respetivamente.

(...)

Resto dossier

Rendas da energia: um assalto aos consumidores

A fatura da luz em Portugal é das mais caras da Europa. São os consumidores que pagam as rendas excessivas que os governos garantiram à EDP para a privatizarem. Este dossier detalha a história de algumas destas rendas e também das propostas do Bloco de Esquerda para as cortar, que já produziram resultados no último ano. Dossier organizado por Luís Branco.

CMEC: história de uma renda garantida à EDP

Os Custos de Manutenção do Equilíbrio Contratual são uma importante parcela das rendas excessivas pagas à EDP. Os CMEC tiraram do bolso dos consumidores de eletricidade mais de 2500 milhões de euros nos últimos dez anos.

EDP: a rainha da promiscuidade entre política e negócios

Só desde os anos 90, mais de duas dezenas de antigos membros de governos portugueses passaram por órgãos sociais da EDP. Conhecer esta promiscuidade ajuda-nos certamente a compreender a força que permite manter no setor elétrico uma pilhagem tão sistemática e permanente contra a maioria da população.

Fatura da luz em Portugal pesa o dobro que em Espanha

Estudos confirmam que Portugal é o segundo país europeu onde a fatura da electricidade pesa mais. Desconto da tarifa social na luz e gás, que o Bloco reforçou e tornou de atribuição automática, é o maior da Europa.

Governo PSD/CDS prometeu novas rendas ao setor solar

O governo da direita não só manteve as velhas rendas da produção elétrica convencional como se comprometeu com novas tarifas subsidiadas à produção solar. O Bloco tem lançado os alertas.

Barragem do Baixo Sabor: Autarquias acusam EDP de não pagar o que deve

A Associação de Municípios do Baixo Sabor diz que a elétrica não está a cumprir as suas obrigações no pagamento da renda e na dotação do fundo para adaptação e desenvolvimento sustentável da região.

Garantia de potência: renda excessiva foi cortada este ano

A disponibilidade das centrais elétricas para abastecerem a rede em caso de necessidade foi paga, ao longo dos anos, a peso de ouro. O fim dos contratos por ajuste direto foi inscrito pelo Bloco no último Orçamento e já poupará este ano 7,2 milhões de euros dos consumidores.

Renováveis: mais um setor com lucros garantidos

A renda excessiva paga pelos consumidores às empresas de energia renovável tem rendido enormes lucros à EDP e outros operadores. Esses ganhos no mercado português são muito superiores aos dos outros países onde estas empresas operam.

Governo sob pressão para tabelar preço do gás de botija

Os preços do gás engarrafado dispararam nos últimos 15 anos e o próprio governo admite o “comportamento anómalo” do mercado. Se em 2002, os consumidores de butano pagavam por kWh mais cerca de 2,5 cêntimos do que os consumidores de gás natural, essa diferença supera hoje os 7 cêntimos.

O caso da “licença perpétua” da EDP na central de Sines

A licença de produção atribuída à EDP para a exploração da central termoelétrica de Sines terminaria este ano. Mas, em 2007, o Estado prolongou-a sem prazo e sem contrapartidas. Se nada for feito para revogar esta licença, a EDP pode ganhar 400 milhões nos próximos dez anos.

Interruptibilidade: a renda dos grandes grupos industriais

Cerca de meia centena de empresas são financiadas pelos consumidores de eletricidade pela prestação de um serviço que até hoje nunca foi utilizado. Esta renda não parou de aumentar e em 2015 atingiu 110 milhões de euros. Por proposta do grupo de trabalho formado pelo Bloco e pelo governo, as regras foram mudadas no Orçamento.

Windfall Tax: como o Reino Unido taxou as rendas da energia

Os lucros excessivos dos serviços de energia privatizados não são uma originalidade portuguesa. No Reino Unido, o imposto especial cobrado em 1997 permitiu arrecadar cerca de 7500 milhões de euros.

Iluminação pública: EDP não cumpriu contrato com municípios

Um inquérito promovido pelo Bloco junto das autarquias confirmou incumprimentos da EDP nos contratos para iluminação pública municipal. Mas a Associação Nacional de Municípios propõe agora reforçar a posição da empresa, tornando-a numa espécie de central de compras das autarquias.