Renováveis: mais um setor com lucros garantidos

A renda excessiva paga pelos consumidores às empresas de energia renovável tem rendido enormes lucros à EDP e outros operadores. Esses ganhos no mercado português são muito superiores aos dos outros países onde estas empresas operam.

07 de julho 2017 - 12:17
PARTILHAR

A empresa tem apenas 12% da produção de energia em Portugal, mas obtém aqui quase 27% dos seus lucros antes de impostos e encargos financeiros. É o preço pago pelos portugueses que faz o lucro da empresa disparar.

Nas contas relativas ao primeiro semestre de 2016, a EDP Renováveis apresentou um lucro por MWh de 58.9 euros em Portugal, 14.2 euros em Espanha e 19.1 euros na América do Norte. Este lucro excessivo obtido no mercado português de energia renovável não é um exclusivo da EDP. Se extrapolarmos aqueles valores para o mercado nacional, verificamos que, em Portugal em 2016, pagámos mais cerca de 390 M€ que a média ponderada dos mercados onde a EDPR actua.

O total de rendas pagas para subsidiar as empresas de energias renováveis ascendeu a 10 mil milhões de euros nos últimos 15 anos. Esse valor não se reflete imediatamente na fatura, mas é uma dívida que acumula, formando a chamada “dívida tarifária”. Só em 2016, no caso das eólicas, o preço médio pago por MW/hora foi de 93,2 euros, 53.76 euros acima do preço de mercado, formando uma renda de 1130 milhões de euros. Nas barragens, a diferença foi de 55.76 euros, totalizando 126.7 milhões. Na energia solar encontramos a maior diferença entre a renda e o valor de mercado: 256.96 euros por MW/hora, somando 149.3 milhões. E na cogeração, a diferença de 48.46 euros em relação ao preço de mercado significou um sobrecusto de 344.1 milhões de euros.

Bloco quer renováveis a pagar Contribuição Extraordinária sobre o Setor Energético

Para compensar os consumidores por estes lucros excessivos, o Bloco de Esquerda propôs que as eólicas e solares que auferem tarifas subsidiadas deixassem de estar isentas do pagamento da Contribuição Extraordinária sobre o Setor Energético (CESE). O Bloco pretendia adaptar a CESE ao setor renovável, para incidir mais sobre as empresas que recebem subsídios maiores e há mais tempo, cujos investimentos estão amortizados ou quase.

Na especialidade do Orçamento do Estado para 2017, o PS juntou-se à direita para chumbar a proposta do Bloco, cedendo às críticas das elétricas, que atacaram este alegado “entrave ao investimento”. Para o Bloco, esta ameaça das empresas não tem fundamento: “apesar da reforma energética espanhola de 2013, que reduziu muito as remunerações das renováveis naquele país (através de medidas que, aliás, o Bloco não propôs), a EDP Renováveis continua a investir em Espanha”, explicou então o deputado Jorge Costa. “De resto”, acrescenta o bloquista, “esta contribuição isentará os produtores que vendam em mercado (sem subsídio) e portanto não se aplicará a futuras licenças”. O governo do PS já anunciou que só emitirá novas licenças para produção em mercado. Ou seja, “é absurdo falar de projetos inviabilizados pela contribuição que propomos”, conclui Jorge Costa.

Termos relacionados: