Está aqui

Crash petrolífero: como é possível haver preços negativos?

Com o confinamento e o encerramento de fábricas, a procura mundial de petróleo caiu a pique e a capacidade de armazenamento está a esgotar-se. Há produtores a pagar fortunas para armazenar o produto em alto mar. A queda do preço coloca em maus lençóis os países dependentes da exportação. Artigo de Atif Kubursi.
Plataforma petrolífera. Foto de chumlee10/Flickr.

É difícil acreditar que o preço de qualquer mercadoria possa cair em território negativo. Mas foi exatamente isso que aconteceu com os preços do petróleo.

A COVID-19 provocou confinamentos, fechou fábricas e impediu as pessoas de viajar. A economia global está a contrair.

A pandemia também reduziu a procura global de petróleo em cerca de 29 milhões de barris por dia, em comparação com uma procura de cerca de 100 milhões no ano passado. A OPEP e outros produtores concordaram em reduzir a produção em 9,7 milhões de barris por dia, mas esta redução é muito inferior à queda da procura, deixando um enorme excedente de petróleo no mercado sem compradores.

A capacidade de armazenamento em terra foi esgotada rapidamente. Muitos países importadores de petróleo começaram a armazenar grandes quantidades de petróleo, aproveitando os preços baratos que podem não durar.

Alguns produtores de petróleo, na esperança de manter sua posição no mercado, passaram a armazenar o excesso de petróleo no mar, arrendando petroleiros a custos elevados. Estima-se que alguns produtores estejam a pagar mais de 100 mil dólares por dia por cada petroleiro.

Os preços do petróleo voltarão a subir

Como é que os preços do petróleo em Albertai e até os preços futuros do West Texas Intermediate (WTI) escorregaram para território negativo?

Tudo começou com os contratos futuros de petróleo do WTI – petróleo a ser entregue em alguns meses aos preços de hoje. No dia 20 de abril, estes contratos desvalorizaram 6 dólares por barril, recuperando depois 11,66 dólares, tendo no entanto terminado o dia a -37 dólares, enquanto os detentores de contratos futuros tentavam livrar-se dos seus contratos antes que o petróleo fosse realmente entregue sem haver sítio onde armazená-lo.

O petróleo de Alberta, derivado principalmente de areias betuminosas (conhecido como Western Select), é normalmente vendido entre 10 e 15 dólares abaixo do preço do WTI, porque é necessário extraí-lo de terreno rochoso profundo. Esta circunstância dificulta a sua refinação, tal como o facto de precisar ser transportado milhares de quilómetros até às refinarias dos EUA.

E assim os preços do petróleo de Alberta tornaram-se negativos pois o preço de referência era agora mais baixo que os custos de produção, de transporte e de armazenamento.

Não é de esperar que esta situação dure por muito tempo. Os produtores, a curto prazo, podem aceitar preços abaixo do seu custo variável, desde que sejam capazes de pagar alguns dos custos em que incorrem, mesmo que a produção de petróleo esteja parada.

Com o passar do tempo, cada vez mais plataformas deixarão de operar (tecnicamente, algumas serão mantidas operacionais para evitar que se tornem inviáveis) e um novo equilíbrio entre oferta e procura será estabelecido a preços que excedam o custo médio total. Mas esta situação não é um bom presságio para Alberta ou para os Estados Unidos.

Dano colateral

O petróleo de Alberta é agora o dano colateral da guerra do petróleo entre a Rússia e a Arábia Saudita, com a COVID-19 a lançar um ataque adicional. Qualquer um destes dois fatores poderia ter, por si só, perturbado a produção de petróleo de Alberta. Mas as hostilidades entre a Arábia Saudita e a Rússia, juntamente com a pandemia global, provaram ser catastróficas para o Canadá, podendo ter um resultado semelhante para o setor de energia dos EUA.

A Rússia e a Arábia Saudita dependem muito das receitas do petróleo para sustentarem as suas economias. A economia da Arábia Saudita é claramente menos diversificada que a da Rússia, mas ambas partilham uma distorção semelhante, na qual as receitas do petróleo representam uma parcela muito alta dos seus PIB (Arábia Saudita, cerca de 50 por cento, Rússia, 38,9), orçamentos (Arábia Saudita, 87 por cento e Rússia, 68) e exportações (Arábia Saudita, 90 por cento e Rússia, 59). É difícil acreditar que qualquer um destes países possa aguentar-se com preços de petróleo tão baixos.

A Rússia precisa de um preço de 60 dólares por barril para equilibrar o seu orçamento de Estado e de um preço ainda mais alto para equilibrar sua conta corrente, ou seja, exportações de bens e serviços menos importações de bens e serviços, mais transferências líquidas de capital a curto prazo.

Os Sauditas também precisam de um preço de petróleo muito mais alto

A Arábia Saudita, que continua a ser o país produtor de petróleo com menores custos do mundo, pode ganhar dinheiro quando o preço por barril excede 20 dólares, e a Rússia pode fazer o mesmo, ao preço de 40 dólares por barril.

Mas obter lucro quando os preços são mais altos que os custos não é suficiente. A Arábia Saudita precisa de um preço de 80 dólares por barril para equilibrar o seu orçamento, e também para implementar os seus planos de diversificação e sustentar uma economia fortemente subsidiada. O que está atualmente em jogo é a estabilidade dos sistemas e regimes políticos da Rússia e da Arábia Saudita.

Quanto mais dura a pandemia da COVID-19, maiores serão os danos para os produtores de petróleo. É difícil prever como serão os preços do petróleo quando a pandemia abrandar. Provavelmente aumentarão à medida que os produtores secundários forem eliminados, mas não por muito tempo. O uso de petróleo e de outros combustíveis fósseis é cada vez menos condizente com a prevenção dos desastres esperados das alterações climáticas. O petróleo está a tornar-se cada vez mais num ativo desvalorizado.

Atif Kubursi é professor emérito na Universidade McMaster.

Artigo publicado no The Conversation.

Tradução de João Garcia Rodrigues para o Esquerda.net.

Notas

i Nota do Tradutor.: Alberta é uma das dez províncias do Canadá

política: 
#CriseGlobal
(...)

Resto dossier

Dossier 316: Crise global, vai ficar tudo bem?

Crise global, vai ficar tudo bem?

A pandemia trouxe grandes mudanças à situação global política, social, económica, ambiental, cultural. A crise sanitária evolui para uma profunda crise económica, cujos traços importa analisar.

Efeito ressalto.

Economia: ressalto ou afundanço?

A retoma da economia não será miraculosa porque as empresas ficaram endividadas e procurarão cortar emprego e salário, as famílias empobreceram e vão reduzir o consumo. Os governos irão mais tarde ou mais cedo procurar “sanear” as finanças públicas às custas dos de sempre. Por Michel Husson.

Walter Cronkite, Reagan, Bush e vários outros membros da sua administração em 1981. Foto de Diana Walker, disponível no Briscoe Center for American History.

Auto-extinção do neoliberalismo? Não apostem nisso

O resultado final da crise económica será determinado pelas relações entre forças sociais. O mais certo não será o abandono do neoliberalismo, nem tão pouco um estado monstruoso trumpiano, mas em vez disso a tentativa dos governantes neoliberais de transferir o peso da dívida para os trabalhadores. Por Gilbert Achcar.

Obra que Banksy ofereceu ao hospital de Southampton e que será leiloada para angariar fundos para o Serviço Nacional de Saúde britânico.

Governança e conflito social em tempos de pandemia

Ainda é possível que todos fiquemos bem. Mas isso dependerá de nós, da nossa capacidade de impedir que tudo volte a ser como era. Se a tarefa parece ser assustadora, devemo-nos lembrar que não somos totalmente impotentes. Por Cinzia Arruzza e Felice Mometti.

Plataforma petrolífera. Foto de chumlee10/Flickr.

Crash petrolífero: como é possível haver preços negativos?

Com o confinamento e o encerramento de fábricas, a procura mundial de petróleo caiu a pique e a capacidade de armazenamento está a esgotar-se. Há produtores a pagar fortunas para armazenar o produto em alto mar. A queda do preço coloca em maus lençóis os países dependentes da exportação. Artigo de Atif Kubursi.

Com o pretexto de “salvar a economia”, estado indiano suspende leis laborais até 2023

Entre as medidas do governo de Madhya Pradesh, o quinto estado mais populoso da Índia, está o aumento da jornada laboral para até 72 horas semanais. Artigo de Praveen S. para o Brasil de Fato

Monumento a Dom Quixote e Sancho Pança em Tandil. Foto de Alena Grebneva/wikimedia commons.

Covid-19 e a superação imaginária do neoliberalismo

A crise não derrotou magicamente o neoliberalismo nem abre uma avenida para um Green New Deal ou um novo Plano Marshall. É precisa uma “radiografia o mais precisa possível da situação que enfrentamos” e das relações de forças sociais existentes. Por Alejandro Pedregal e Jaime Vindel.

Cidadãos chineses durante o surto da Covid-19. Foto No Borders News.

"Esta crise pode ser a pior desde a transição da China para o capitalismo"

O que falhou e acertou no combate do governo chinês ao novo coronavírus? Que sistema de saúde existe no país e que consequências terá a crise económica? E como tudo isto afetará os movimentos sociais do país? O ativista e editor da revista Made in China, Kevin Lin, dá as respostas nesta entrevista.

Cédric Durand num debate em 2015.Foto de Attac Essone.

"O desafio desta crise é planear democraticamente a transformação da economia"

Devido às falhas do mercado e ao desenvolvimento das tecnologias da informação, o planeamento económico democrático é mais urgente do que nunca. É a forma de construir uma sociedade livre da ditadura do capital e de enfrentar a crise ambiental. Entrevista com Cédric Durand.

Economia. Foto de spDucham/Flickr.

O estado da economia mundial no início da grande recessão do Covid-19

Primeira parte da análise ao estado da economia entre a crise económico-financeira de 2007-2009 e o surgimento da Covid-19, pelo economista François Chesnais.

Marisa Matias e José Gusmão. Foto de Paulete Matos.

Bloco propõe fundo europeu para responder à crise sem austeridade

Marisa Matias considera o resultado do Eurogrupo “um fracasso”. Os eurodeputados do Bloco apresentaram uma proposta alternativa para a economia europeia. Leia aqui na íntegra.

Crise do Corona. Ilustração de Jernej Furman/Flickr.

Covid-19 e os circuitos do capital

Enquanto o interesse público é excluído da agropecuária e da fábrica de produtos alimentares, os patógenos superam a bio-segurança que a indústria está disposta a garantir ao público. O agronegócio está em conflito com a saúde pública. E a saúde pública está a perder. Por Rob Wallace, Alex Liebman, Luis Fernando Chaves e Rodrick Wallace

Morador da favela da Rocinha, janeiro de 2013. Foto de João Lima/Flickr.

A sul da quarentena

Boaventura Sousa Santos escreve sobre alguns dos grupos para os quais este período tem sido mais difícil: mulheres, trabalhadores precários e informais, moradores nas periferias pobres e idosos.

Pandemia pode empurrar para a pobreza 500 milhões de pessoas em todo o mundo

A Oxfam lançou o alerta: se não forem tomadas medidas urgentes, a pobreza global poderá abranger 8% da população mundial. Isso seria um retrocesso de décadas para vários países, aponta o estudo apresentado em vésperas da reunião dos ministros das Finanças do G-20.

Marisa Matias e José Gusmão analisam e criticam as decisões do Eurogrupo

"Ministros das Finanças não têm noção da dimensão da crise”

A resposta europeia à crise resume-se a três instrumentos de dívida. Tudo o que poderia constituir uma resposta a sério, ou ficou fora do documento, ou ficou adiado para o Conselho ou para as calendas, afirmam Marisa Matias e José Gusmão sobre as decisões do Eurogrupo.

Foto de romanakr/pixabay.

Insolvência Pandémica: porque esta crise económica será diferente

Enquanto a gestão da crise após 2008 estava preocupada com a liquidez, a principal preocupação agora é a solvência. E essa generalização de resgates e “despejos de helicópteros” de dinheiro – por mais desiguais que sejam – gera uma crise muito diferente em termos políticos e morais. Por Bue Rübner Hansen.

A economia global pára não só por causa dos bloqueios para deter o vírus, mas também porque as linhas de produção da China param

A Covid-19 e a morte da conetividade

A pandemia de Covid-19 é a segunda grande crise da globalização numa década. A primeira foi a crise financeira global de 2008-2009, da qual a economia global levou anos para parecer recuperar. Por Walden Bello

Em 2008, foi a esfera financeira que acendeu o rastilho, passando-o para a esfera produtiva. Hoje, é o contrário: a atividade económica estagnou em parte e este súbito freio está a regressar

Economia global: neoliberalismo contaminado

A atividade económica estagnou parcialmente e este súbito travão está a regressar, como um bumerangue, para ter impacto nas finanças. Esta implosão das finanças irá, por sua vez, agravar a recessão. Por Michel Husson.

Donald Trump. Foto: TheWhiteHouse/Flickr

O megapacote financeiro dos EUA e as fraturas do sistema

O plano de estímulos à economia que resultou do acordo entre republicanos e democratas surpreendeu pelo valor histórico: 2 biliões de dólares. No entanto, o plano virado para o resgate de Wall Street e das grandes empresas não resolve os problemas de um país cada vez mais desigual.

À beira de uma recessão mais grave do que em 2009

Os custos das emissões estão a disparar, a dívida das empresas é gigante, os juros na zona euro são negativos e o nível de coordenação internacional é menor.