Está aqui

Thó Simões: “A arte urbana revela e denuncia os monstros da alma humana”

Após apresentar em Luanda a exposição “Entre Homens e Monstros”, Thó Simões questiona a forma como a arte pode mudar as vivências de uma cidade e um país em crise económica e social e ainda com os estilhaços da guerra civil e a ocupação colonial. Entrevista de André Soares.
Thó Simões. Foto de Osmar Edgar.

Thó Simões, artista plástico angolano, acabou de apresentar em Luanda a sua mais recente exposição intitulada “Entre Homens e Monstros”. As imagens criadas pretendem alargar o debate sobre as microviolências de uma cidade em constante mutação. O artista foi um dos percursores da arte urbana em Angola com uma trajetória com passagem por Linda-a-Velha, Oeiras, Malanje e Luanda. A prática profissional em agências de publicidade e depois a rua trouxeram-lhe a vontade de intervir politicamente através do mural e da arte urbana. Nesta conversa questiona a forma como a arte pode mudar as vivências de uma cidade e um país em crise económica e social e ainda com os estilhaços da guerra civil e a ocupação colonial.


Acabaste de apresentar a tua nova exposição em Luanda, como se chama e do que trata?

Nem sei muito bem como começar. Trata-se da minha primeira exposição individual pós-covid, que para mim tem a mesma importância que a exposição de estreia enquanto artista, a primeira a solo. É esmagadora a sensação. O título da exposição é “Entre Homens e Monstros” e escolhi este título porque é uma tentativa de mostrar aquilo que eu absorvo em meu redor. Os meus trabalhos refletem as coisas que absorvo no dia-a-dia. A pergunta que tem andado na minha cabeça: o que é que define o humano do anti humano, qual a diferença de uma para outra situação, como distinguir?

Os trabalhos apresentados focam essa temática. O paradoxo entre a realidade e fantasia é bizarro na sociedade em que me insiro. A normalização do anormal e vice versa é tão evidente que levanta esta questão. Parece que a sociedade vive problemas que nem deveriam ser problemas, nunca são solucionados, mas são assimilados e integrados no modus vivendi.

 

Exposição "Entre Monstros e Homens"

Quando falas de monstros queres dizer que a humanidade se transforma em desumanidade?

A humanidade transforma-se no seu próprio monstro. Por exemplo... Eu torno-me insensível a um problema diário a tal ponto de deixar de ser um problema, passando a fazer parte da minha vida se ao invés de o resolver sou forçado a adaptar-me.

Vou dar-te um exemplo... se eu acordar a meio da noite com a casa alagada, porque choveu lá fora, mas não entrar em pânico, posso até ficar irritado e zangado por alguns instantes, mas logo de seguida lidar com a situação como se fosse algo banal, então há qualquer coisa de anormal e bizarro nesse cenário. O normal seria entrar em pânico, afinal... em circunstâncias normais uma casa nunca devia alagar porque choveu. Num cenário como esse muitas outras situações e acontecimentos rotineiros do dia são bizarros.

Como explicarias esse processo?

Acho que vem acontecendo. É uma soma de várias coisas em todo este tempo. Muitas coisas anormais ocupam o seu espaço e a gente deixa. Com o tempo deixamos de reivindicar e passado um tempo acabamos por entrar nesse anormal. Vejamos a luta contra a corrupção na minha amada Angola. O esforço e o empenho do Estado a combater a corrupção é enorme, e isso é bom e reacende a esperança em tempos melhores. Nota-se a intenção de tirar o país de uma situação dura de crise e extrema pobreza. Mas ainda assim acho que faltam muitos planos e estratégias concretas e suficientes com o foco na educação, na saúde e na família sustentada na ética, cultura e valores morais. Era isso que eu queria estar a ver muito mais, em contraste do que tenho visto nas medidas.

Temos de investir hoje nos que ainda não nasceram em diante. Com atenção aos mais carentes, em vinte anos os primeiros resultados de combate à corrupção a esta escala aparecem. O que interpretado do que se passa a minha volta é uma guerra de campo, que tem o seu efeito, com cabeças a rolar e tudo, não sei “se” e “até” que ponto afeta e garante um futuro melhor. Mas quando essa guerra acabar?, como ficam as práticas na “aldeia”, onde tudo começou? Abandonaremos os antigos hábitos e práticas? Ou seremos os mesmos, sedentos de voltar as mesmas praticas? Até que ponto somos humanos? E quando é que passamos a monstros? Essa é a questão.

 

Em relação ao arquivo e recolha de dados sobre murais e arte urbana, não achas que há pouco trabalho de pesquisa que valorize essa arte que acaba por fazer a ponte entre um certo carácter artesanal e a inovação?

Sim, acho que há pouco, mas por muitas razões. Uma delas é a falta ou a incipiência de uma estrutura que estimule e projete um arquivo à altura do desafio.

O envolvimento e papel da instituições culturais terá também que ser maior. Disponibilizar, apoiar e financiar programas e iniciativas nessa área... Eu não sei se existem, talvez até existam.  O que há é muita vontade de fazer coisas. Sou um dos precursores da Arte Urbana em Angola. Quando comecei não havia sequer o conhecimento de que se fazia arte urbana por estas bandas. A nossa presença tornou-se bem marcante, conseguimos façanhas soberbas como os Murais da Serra da Leba, que gerou um lindo documentário intitulado “As Cores da Serpente” do realizador brasileiro Juca Badaró e em que estive implicado como produtor. Conquistámos espaço e conquistámos presença. E mais importante, colocámos Angola no mapa da arte urbana.  

[trailer] As cores da Serpente

Parece-te que haja uma tendência, em Luanda, para desacreditar as pessoas que iniciaram o movimento de arte urbana?

O que me parece estar a acontecer de facto (mas espero estar errado) é que os interesses em usar a arte urbana para outros objetivos que não são propriamente promover a arte e a cultura são cada vez maiores, a tendência destes agentes é explorar a popularidade da arte que se faz nas ruas por “verdadeiros artistas de rua” para promover e anunciar campanhas que diferem do que é a nossa essência. Não é difícil nem complicado para eles o fazerem, por norma têm poder financeiro,  conceções e parceiros que nós artistas não temos, mesmo quando criam projetos focados para promoção da arte urbana não é a nós que chamam para produzir ou mesmo para consulta. E quando chamam os artistas de rua para executar os seus projetos, não valorizam com justiça a arte e o empenho dos mesmos, salvo algumas exceções. Só isto e a generalização desta tendência “não é normal”.

Porque é que a pintura mural é importante para as pessoas?

É importante porque comunica. É uma ferramenta poderosa de comunicação que permite transmitir mensagens próprias e para as pessoas que andam na rua. Eu não consigo através de outros meios passar essas mensagem. Tens que te lembrar que se eu pinto um mural numa determinada zona, o que eu lá deixar, vai afetar aquela zona e as comunidades que lá vivem. Aquela realidade não vai ser mais a mesma, as cores, o tema, a mensagem. O dia a dia vai mudar. O facto de estar lá um mural pintado vai levar a que o entorno daquela zona também se altera, as vibrações positivas e negativas também são afetadas pelas cores, um mural com cores vibrantes e positivas vai de certeza trazer essa energia a este lugar.

Dá-me um exemplo de uma zona onde tenhas pintado e que isso aconteceu?

Um dos exemplos que costumo dar é a rua dos Mercadores, na baixa de Luanda. Uma das ruas mais antigas e mais bonitas da cidade. Uma rua que durante anos foi esquecida, subestimada, com bares, tascas, sobrados e um antigo teatro que transformaram em oficina auto. Nem as pessoas da baixa iam para lá. O que é que fizemos? De tempos em tempos ía lá e pintava um graffiti, depois já era um mural e mais outro, depois alguns amigos graffiteiros também passavam e deixavam a sua marca. Sempre ouve bares como o Royal, que também ficou conhecido como a Taska dos Mercadores, que resistiram aos tempos, a malta que geria convidava-me a pintar as paredes. O que é que aconteceu? A realidade da rua mudou, passou a ser um lugar movimentado, de visita e de prestígio. Nasceu também o projecto de revitalização da rua promovido pela Associação KALU com a campanha “Reviver” e o CCBA (centro cultural Brasil Angola). Acabamos por pintar a rua toda, os moradores e a administração local revitalizaram todo o quarteirão. Passou a ser um lugar lindo e acolhedor uma zona alternativa, com linguagens artísticas multidisciplinares que deu a volta ao lado sinistro daquela zona.

 

Mural na Rua dos Mercadores, em Luanda.

Achas que esse património devia ser salvaguardado?

Sim. Será uma forma de salvaguardar a arte de pintura mural, como também ajudar na transmissão e partilha desse conhecimento. Também é uma grande ferramenta para tirar muita juventude da inércia e de práticas que não são benéficas. Imagina cresceres num sitio sem grandes perspetivas de vida e com uma taxa de desemprego gigantesca, mesmo em termos de acesso à educação, com dificuldades de formação. Jovens que chegam aos 15 anos e não têm perspetivas. Se houvesse essas escolas e essa formação, era uma alternativa a percursos e trajetórias quase impossíveis de seguir e conquistar para as comunidades mais pobres.

Entraste na vida artística depois de teres passado pelo mundo laboral e do grafismo comercial? Angola tem uma lógica imagética muito própria. Achas que as empresas apostam nesse arquivo visual híbrido - que mistura a tradição e a inovação?

Nos fins dos anos 90, houve uma paz aqui, ou seja o inicio do fim da guerra, eu e dois amigos que estudávamos belas artes, no INFAC - Instituto de Formação Artística e Cultural, conseguimos um emprego numa oficina de sinalética. O dono chamava-se Xavier, a empresa Xavier Designer, o trabalho consistia em fazer reclames pintados na parede dos clientes e em caixas iluminadas, era o que a gente chamava de agência de publicidade. O que é que era uma agência publicitária naquela altura? Era uma espécie de oficina onde tinha umas pessoas que faziam reclames. Fazíamos reclames por encomenda. A oficina onde eu trabalhava já tinha clientes grandes como a Coca-Cola. As primeiras grandes empenas que eu pintei foi neste período. Colocavam-se andaimes em toda extensão das fachadas laterais de prédios com, e a malta pintava o produto e a marca, as ferramentas eram rolos, trinchas, pincéis, compressores e pistolas de pintura. E foi assim, acredito, que me iniciei na arte urbana, anos mais tarde com o aparecimento dos primeiros graffiteiros na urbe luandense, foi me envolvendo cada vez mais. Mas voltando ao meu percurso, fui avançando  e conhecendo cada vez mais pessoas e projetos que começavam a nascer. Um dos clientes do Xavier convidou-nos uma vez a produzir um cenário para um evento. A partir daí começaram a aparecer-nos pedidos para trabalhos mais elaborados em espaços onde aconteciam eventos, sobretudo apresentações musicais. Nessa altura o país estava a começar a abrir, porque até então vivíamos todos isolados, separados pela guerra, o país estava fragmentado. Nessa fase os agentes culturais começaram a pensar de forma mais aberta e a ser mais exigentes em relação aos eventos que produziam, os aspetos visuais, sobretudo cenários e palcos. Não havia esse tipo de serviço aqui por aqui, de alguma forma fomos também precursores do relançamento do Showbiz em Angola. Começaram com concursos de Miss em Luanda que depois se espalharam pelas províncias de Angola.

Nessa altura comecei a conhecer profissionais da área técnica de montagem de palcos e iluminação que pertenciam ao antigo teatro Avenida. O teatro tinha deixado de funcionar (ainda está desativado), mas eles tinham formação e muita capacidade técnica. Comecei a envolver-me com essa malta em trabalhos de palco. Fazíamos mais cenografia e comecei a aprender com os carpinteiros, os técnicos de luz, etc e eu e um amigo juntámos sinergias para projetar os cenários e montar os palcos. Havia muito desenrasca, montámos mesas de luzes com uns disjuntores elétricos normais, liga, desliga, era o que a malta usava para fazer uma mesa de luz para um espetáculo de duas ou três horas. Fiquei dois ou três anos com esta malta na estrada a fazer espetáculos e deu-me muita prática. Depois desta época comecei de facto a trabalhar em publicidade e comunicação em agências de prestigio como a Executive Center, a Publivision, a Young Network, a Zwela só para citar algumas por onde passei. Com a chegada da crise económica por conta do caos que se instalou no mercado financeiro, decidi que era chegada a hora de parar, dedicar e focar-me quase exclusivamente só na minha arte e na minha carreira artística.

Trabalhas muito em coletivo. Porquê?

Em primeiro lugar porque sou um privilegiado, mesmo naquela realidade dura, tive oportunidades para aprender muitos ofícios com os melhores, não é toda gente que tem esse sorte, adquiri muito conhecimento, que no meu dia a dia e no contacto com os meus parceiros artistas, pode ser partilhado. Quando me voltei a juntar à malta que fazia arte na baixa de Luanda, a minha bagagem criativa e técnica era enorme. A vontade e determinação de fazer coisas elevadas do pessoal da minha família artística, “Os Nacionalistas”, era maior ainda, eu com muito entusiasmo disponha-me a fazer parte e a partilhar o meu conhecimento técnico nos eventos e projetos que a malta criava. Foi nesta altura que conheci o Elinga teatro, que era um celeiro a abarrotar de artistas e criatividade e atividade, ai conheci artistas de áreas que não estava familiarizado. O teatro, a música e a dança estavam sempre presentes na minha vida nesta época, éramos tão à frente do nosso tempo que nem sempre fomos encarados com seriedade. Independentemente disso, o que aprendi é que a melhor forma de atingir a excelência é trocar e partilhar conhecimento. Apesar de ser polivalente, nunca deixei de valorizar o trabalho em equipa. Além disso o coletivo permite-nos atingir patamares maiores e para mim o mais importante é o que aprendo com essa formula.

Achas que a arte urbana pode humanizar os monstros que existem no ser humano?

Pode sim, não estava muito seguro disso no princípio, mas agora tenho certeza que sim, a Arte Urbana envolve, agrega e estimula o melhor que há em nós, isto é um facto. Observe como a comunidade se envolve quando a intervenção de artistas urbanos está em processo na comunidade, no bairro, outras manifestações artísticas brotam a envolvência de todos neste processo muda e derruba paradigmas, oferece perspetivas novas aos moradores, inspira os sonhos das crianças e da juventude, enriquece e estimula o gosto pelo belo e pela harmonia.
Resumindo, ela revela e denuncia os monstros da alma humana e suas sementes.

 

Termos relacionados Cultura
(...)