Está aqui

Patrão dos patrões vai mandar na Global Media

Marco Galinha, do grupo Bel, compra 40% do grupo que detém DN, JN, TSF, O Jogo e nomeia António Saraiva para presidir o grupo. 6 dos 10 milhões de euros investidos serão para despedir trabalhadores.
António Saraiva
Foto de Joana Campos | Lusa

Segundo o jornal SOL, na passada quinta-feira foi enviado um e-mail aos trabalhadores do Global Media no qual é referido que “os acionistas do Global Media e o Grupo Bel chegaram hoje (quinta-feira) a acordo para a entrada deste na estrutura acionista da empresa. Esta parceria, que será formalizada após a conclusão dos devidos procedimentos, visa o relançamento estratégico de um dos principais grupos de referência da comunicação social em Portugal, num momento desafiante para o setor e para o país”.

Marco Galinha, dono do grupo Bel, compra assim 40% por 4 milhões do grupo Global Media, que detém o Diário de Notícias, Jornal de Notícias, O Jogo e a rádio TSF, entre outros. As informações do Observador referem que Marco Galinha entrou no Global Media através da compra das participações do Novo Banco (10,5%) e do BCP (30% da Olivemedia e da Luis Montez-Grande Notícias).

Para além dos 4 milhões de investimento para a compra das ações, o dono do grupo Bel vai gastar mais 6 milhões em 120 despedimentos a partir de outubro para assim reduzir 6,49 milhões de euros em recursos humanos. Os despedimentos começam a partir de outubro, quando termina o impedimento de despedir para quem aderiu ao primeiro lay-off simplificado, tal como o fez o Global Media. De acordo com o plano, os jornalistas envolvidos na reestruturação podem chegar a 70, sendo o Diário de Notícias o mais afetado, passando de 44 para 20 jornalistas.

Possivelmente, a Entidade Reguladora da Comunicação Social (ERC) terá de fazer um parecer, já que Marco Galinha também detém 10% do Jornal Económico.

António Saraiva, presidente da CIP, chamado para liderar o Global Media

O presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), António Saraiva, desde 2010, foi chamado por Marco Galinha para ser chairman do Global Media.

O Jornal de Negócios lembra que Marco Galinha comprou a empresa de António Saraiva, a Metalúrgica Luso-Italiana (MIL) em 2018, depois da empresa ter passado por dois Processos Especiais de Revitalização (PER). Em 2015 no primeiro PER, as dívidas da MIL ascendiam a 4,1 milhões de euros e em 2018, no segundo, já estavam perto dos 5 milhões.

A salvação da MIL passou por “um enorme perdão” e pela entrada de Marco Galinha, através de um plano de recuperação que foi homologado pelo tribunal em janeiro do ano passado.

À margem de uma conferência online da CIP e em declarações ao jornal ECO, António Saraiva diz que dará esclarecimentos mais tarde e que “a Global Media terá um plano de comunicação para o novo quadro acionista, com o que se propõe para este grupo de media português.

Sobre o conflito de interesses com a presidência da CIP, António Saraiva diz que não existem porque “eu sou empresário, a CIP é uma organização privada de defesa da iniciativa privada. A Global Media é privada, não é pública. Não é conflito de interesses. Sendo privado-privado, o que farei enquanto empresário é desenvolver um conjunto de tarefas, como faço no conjunto de empresas em que colaboro.”

Termos relacionados Sociedade
(...)