Está aqui

Ninguém pode ficar para trás na recuperação económica, salienta Pedro Filipe Soares

Líder parlamentar do Bloco considera que discurso do Presidente da República no 5 de outubro destaca a necessidade de não deixar “ninguém para trás” na recuperação económica. “É esse o preceito que queremos levar para a discussão orçamental”, afirma.
Pedro Filipe Soares realçou que a alteração dos escalões do IRS e o descongelamento das carreiras da administração pública são questões prioritárias no debate orçamental – Foto de Paulete Matos
Pedro Filipe Soares realçou que a alteração dos escalões do IRS e o descongelamento das carreiras da administração pública são questões prioritárias no debate orçamental – Foto de Paulete Matos

O líder parlamentar do Bloco pronunciou-se sobre o discurso do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, nas comemorações da implantação da República em Lisboa, considerando que o discurso do PR destaca a necessidade de respeitar procedimentos democráticos e, sobretudo, de não deixar “ninguém para trás” na recuperação económica.

As alterações dos escalões do IRS pretendem “garantir que a melhoria económica chega a toda a gente”, destacou Pedro Filipe Soares. “Quando dizemos que valorizamos os serviços públicos fundamentais, como a educação ou como a saúde, estamos a dizer claramente que é a República como um todo que deve ser valorizada”, sublinhou.

Reafirmando que é essencial garantir “que a melhoria económica tem de facto resultados concretos na vida das pessoas, na melhoria dos serviços públicos, no bolso das pessoas”, Pedro Filipe Soares realçou que a alteração dos escalões do IRS e o descongelamento das carreiras da administração pública são questões prioritárias no debate orçamental “e é por elas que nos vamos bater nos próximos dias”.

Solidariedade com professores

Dezenas de professores protestaram nas comemorações do 5 de Outubro em Lisboa, exigindo “justiça” e “colocação administrativa”.

O líder parlamentar do Bloco de Esquerda manifestou solidariedade com os professores, que “invocam acima de tudo uma alteração implícita de procedimentos que não foi devidamente esclarecida quando eles estavam a preencher os seus requerimentos para o concurso”.

"Mais do que resolver questões pontuais, e há questões pontuais que devem ser resolvidas, há matérias de fundo sobre a estabilidade da vida docente que devem ser levadas por diante", afirmou Pedro Filipe Soares, defendendo a realização, em 2018, de "um concurso extraordinário para vinculação de professores".

Termos relacionados Política
Comentários (1)