Está aqui

Morreu João Varela Gomes

João Varela Gomes morreu esta segunda-feira, dia 26 de fevereiro. O coronel foi uma figura importante da resistência contra a ditadura de Salazar.
Varela Gomes morreu esta segunda-feira, 26 de fevereiro.
Varela Gomes morreu esta segunda-feira, 26 de fevereiro.

Tendo sido um dos protagonistas do golpe militar que, em 1961, tentou derrubar o Estado Novo, era por vezes chamado “primeiro capitão de Abril”.

Na madrugada de 1 de Janeiro de 1962, o então capitão Varela Gomes dirigiu com Manuel Serra a operação de tomada do quartel do Regimento de Infantaria 3, em Beja. Conhecida por “golpe de Beja”, a operação foi a expressão militar do que se vivia no país, após a campanha eleitoral de Humberto Delgado, em 1958, e a o início da guerra colonial, em 1961.

Varela Gomes negou ter sido o “autor do golpe de Beja” e atribui a autoria a Manuel Serra, assumindo-se como dirigente operacional da tentativa de tomada do quartel. Nessa qualidade, afirma que não deveria ter sido ele a empreender a prisão do major Calapez Martins, segundo comandante do quartel, da qual saiu gravemente ferido. A revolta foi, assim, derrotada logo no início.

O ano de 1961 viu uma série de ações contra o Estado Novo: a tomada do paquete Santa Maria, a revolta independentista em Angola, a intentona de generais, a condenação de Portugal na ONU, as eleições, a tomada de Goa pela União Indiana.

Em entrevista dada em 1975 à RTP, Varela Gomes recordou que a sucessão de acontecimentos levara à ideia de que a ditadura teria os dias contados. No entanto, ela sobreviveria durante mais 13 anos.

Varela Gomes era contra a comemoração do 25 de novembro, considerando que representava a derrota da revolução socialista. Num debate feito nos anos 90 com Alfredo Barroso, num programa da RTP Memória, enalteceu a frontalidade de Luís Trindade, historiador, ao considerar o 25 de novembro como uma “contra-revolução”. A comemoração deste dia seria, assim, a comemoração da vitória da contra-revolução.

Varela Gomes entrou na clandestinidade depois do 25 de novembro de 1975 para escapar ao mandado de captura emitido contra si. Assim, saiu de Portugal com identidade falsa e embarcou em Espanha para Cuba. Depois, de Cuba, seguiu para Angola, isto no início de 1976. Voltou para Lisboa em setembro de 1979, com a lei da Amnistia já aprovada pelo parlamento, embora ainda não promulgada por Ramalho Eanes, presidente da República.

Varela Gomes morreu esta segunda-feira, 26 de fevereiro, aos 93 anos, na sua casa, em Lisboa. O velório terá lugar na quarta-feira, 28 de fevereiro, a partir das 15 horas, na Basílica da Estrela. A cremação será na quinta-feira, às 14 horas, no cemitério do Alto de S. João.

[Notícia atualizada às 17h12.]

Artigos relacionados: 

Termos relacionados Sociedade
(...)