Modelos económicos estão a subestimar riscos climáticos

03 de novembro 2023 - 20:32

Um relatório da ONG Finance Watch alerta que os modelos usados pelos economistas para avaliar o impacto das alterações climáticas no crescimento económico estão "desligados" da ciência e perpetuam a inação dos decisores políticos.

PARTILHAR
banco submerso
Imagem do relatório da Finance Watch.

Os modelos económicos que servem de base às decisões políticas são enganadores quanto aos efeitos das alterações climáticas, alerta o relatório publicado há dias pela ONG Finance Watch.

Para Thierry Philipponnat, o economista-chefe da Finance Watch citado pelo Euractiv, muitas análises do impacto económico das alterações climáticas não têm em conta os pontos de inflexão e os mecanismos de feedback que tornam o efeito das alterações climáticas quase imprevisível.

A Finance Watch dá o exemplo do relatório de 2020 do Conselho de Estabilidade Financeira, um organismo internacional que monitoriza e faz recomendações sobre o sistema financeiro mundial. Ao determinar qual seria o impacto de um aumento da temperatura média global em 4°C no ano 2105, o relatório cita um estudo de 2015 que indica um impacto negativo no valor dos ativos entre 3% e 10%. Ora este valor parece muito aquém da realidade prevista pelos cientistas sobre o que acontecerá quando o planeta aquecer a esse nível, com o IPCC a prever a perda de entre 80% a 100% das espécies nalgumas zonas tropicais, em especial no mar. Essas regiões seriam sujeitas a 300 dias por ano em que os níveis de calor e humidade colocam riscos para a saúde humana.

O que aconteceria nesse cenário em termos de subida do nível do mar, movimento de refugiados climáticos e dos prováveis conflitos geopolíticos subsequentes é dificilmente compatível com uma queda de 3% a 10% no valor dos ativos. Por isso, Thierry Philipponnat apela aos economistas para "adaptarem os modelos económicos, sob pena de prejudicarem tanto a mitigação como a adaptação às alterações climáticas".

"Os economistas que analisam o impacto das alterações climáticas não devem ser cúmplices, mesmo que involuntariamente, da inação dos decisores políticos", afirmou o responsável da Finance Watch, com os olhos postos no relatório que a Comissão Europeia encomendou ao BCE e outras instituições para avaliarem os riscos climáticos para o sistema financeiro até 2030. O prazo de conclusão do relatório será o mais tardar o início de 2025, mas a Finance Watch considera quase inútil que o alcance da previsão seja já daqui a seis anos, pois "é pouco provável que o mundo inverta a atual expansão do consumo de combustíveis fósseis antes dessa data".