Está aqui

Mais de trinta Organizações da Sociedade Civil apoiam Greve Estudantil pelo Clima

Mais de trinta coletivos, sindicatos e organizações da sociedade civil subscrevem um manifesto de apoio à Greve Estudantil Mundial pelo Clima, apelando à participação na greve de dia 24 de maio, próxima sexta-feira.
34 Organizações da Sociedade Civil apoiam Greve Estudantil Mundial pelo Clima de 24 de maio de 2019.
34 Organizações da Sociedade Civil apoiam Greve Estudantil Mundial pelo Clima de 24 de maio de 2019.

No manifesto, os coletivos, associações e sindicatos afirmam-se “empenhados na luta pela justiça climática” e sublinham que se sentem entusiasmados pela “nova onda de mobilização liderada por jovens que fazem greve às aulas para reivindicar um futuro e um planeta habitável”.

As organizações subscritoras citam um discurso de Greta Thunberg que apela ao tratamento da crise climática como uma crise e à mudança de sistema, aplaudindo “a clareza e a determinação destas palavras”.

“Solidarizamo-nos com as e os jovens que assumem esta causa como sua – porque ela é de todos – e que se unem para impedir os decisores políticos e económicos de queimar o nosso futuro”, escrevem, assumindo o compromisso de mobilizar os seus recursos para ampliar as vozes da organização da greve; divulgar a greve nas suas redes; disponibilizar os seus materiais para uso livre pela organização da greve; e dar visibilidade à liderança das organizadoras da Greve Climática Estudantil.

Frisando que “se a greve ganhar a luta, ganhará a humanidade inteira”, os coletivos, associações e sindicatos apelam à mobilização: “No dia 24 de Maio, às 10h30, faz greve climática também e aparece na manifestação”.

O manifesto, encontra-se aberto a subscrições e conta já com o apoio de: Academia Cidadã, Alentejo Litoral pelo Ambiente, Associação Vegetariana Portuguesa, CIDAC – Centro de Intervenção para o Desenvolvimento Amílcar Cabral, Climate Save Movement Portugal, Climáximo, Coopérnico, Cultura no Muro, Empregos para o Clima, Famalicão em Transição, Global Ecovillage Network, GAIA – Grupo de Acção e Intervenção Ambiental, Instituto Irradiando Luz, Linha Vermelha, Marcha do Orgulho do Porto, Movimento Contra Minas de Lítio na Beira Alta, Movimento do Centro contra a Exploração de Gás, Moving Cause, Espaço Musas, Núcleo do Ambiente FLUL, Plataforma Algarve Livre de Petróleo, Porto sem OGM, Precários Inflexíveis, Projetos See-Mar, Rede para o Decrescimento, Reflorestar Portugal, Sindicato dos Trabalhadores de Call Center, SOS-Salvem o Surf, Stop Petróleo Vila de Bispo, Tamera, The Climate Reality Project em Portugal e Zero.

 

Termos relacionados Greve climática estudantil, Sociedade
(...)