Está aqui

A impossibilidade prática de dois Estados na antiga Palestina (II)

Mais uma vez, choveram manifestações de indignação perante a aprovação no Knesset de uma Lei que estabelece que “Israel é a pátria histórica do povo judaico e, nele, ele tem um direito exclusivo à autodeterminação”. Artigo de José Manuel Rosendo em Meu Mundo, Minha Aldeia.
A impossibilidade prática de dois Estados na antiga Palestina (II)
Posto de controlo de Kalandya (entre Jerusalém e Ramallah). Foto de José Manuel Rosendo.

Mais uma vez, choveram manifestações de indignação perante a aprovação no Knesset (Parlamento de Israel) de uma Lei (Lei Básica: Israel – Estado Nação do Povo Judeu) que estabelece que “Israel é a pátria histórica do povo judaico e, nele, ele tem um direito exclusivo à autodeterminação”. O hebraico passa a ser a única língua oficial enquanto a língua árabe é despromovida; os colonatos passam a ser de interesse nacional e a expansão é incentivada; Jerusalém é a capital. A Lei passou com 62 votos a favor e 55 contra. Mas passou. Israel é agora um Estado judaico, sendo que 20% da população não o é e sendo os árabes a grande fatia desta minoria. 

O objectivo e a marca anti-democrática ficaram explícitos durante o debate parlamentar: “Aprovámos esta lei fundamental para impedir a menor veleidade de transformar o Estado de Israel numa nação de todos os seus cidadãos” (ver) disse Avi Dichter, deputado do Likud (o partido do Primeiro-Ministro Benjamin Netanyahu).

Um dia antes desta Lei ser aprovada em Israel, nas cerimónias do 100.º aniversário do nascimento de Nelson Mandela, Barack Obama referiu-se aos homens que chegam ao poder através da democracia e depois minam as instituições que dão sentido à própria democracia. Referiu-se também aos países que assentam a sua existência em nacionalismo, xenofobia e doutrinas de superioridade tribal, racial ou religiosa. Olhem a história e vejam como acabaram, alertou Obama (ver discurso completo). Israel deu um exemplo claro disso: um Parlamento eleito que destrói a essência que representa a sua própria existência.

Nas reacções que se seguiram à aprovação da Lei, falando apenas de Portugal, o Governo seguiu a linha de condenação da União Europeia e o MNE Augusto Santos Silva, em “português suave” disse que “não podemos aprovar, concordar, com a Lei que foi aprovada e esperamos que venha a ser corrigida”.

Pacheco Pereira, no jornal Público, amigo assumido de Israel (ver) escreveu que “agora não foi sequer a gota de água, foi uma torrente que se abriu com a nova lei da nacionalidade que institui na prática uma situação de apartheid e de racismo”.

Com este governo ou com outro assim tão à direita, Israel terá inevitáveis problemas, e Trump não é eterno na Casa Branca. Problemas desde logo com a União Europeia (UE). Apesar de Israel manter boas relações com o que de pior tem a União Europeia, como é o caso do actual governo húngaro, Federica Mogherini tem mostrado alguma firmeza. Em Junho, o Primeiro-Ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, recusou recebê-la (claro que foram questões de agenda...) e recentemente, a Alta Representante da UE para a Política Externa escreveu a Gilad Erdan, Ministro israelita (ver), lembrando-lhe que estava a alimentar a desinformação ao misturar a campanha BDS (Boicote, Desenvolvimento e Sanções a Israel) com terrorismo. Para além disso, Mogherini desafiou o ministro israelita a provar que a UE financia ONG’s com ligações ao terrorismo – foi essa a acusação. O que Mogherini fez foi dizer a este governo de Israel que o discurso maniqueísta de que, quem critica um Governo de Israel, é terrorista ou, no mínimo, anti-semita, esse discurso já não colhe.

Aliás, aquilo que agora foi consumado no Knesset, apenas dá forma de Lei à ambição de sempre dos principais líderes israelitas. Com maior ou menor visibilidade, as acções dos sucessivos governos, foram sempre no mesmo sentido. Exemplo disso é o livro de Uri Dan, “Conversas Íntimas com Ariel Sharon”. Em resposta a Uri Dan, no capítulo “Repovoar a Terra Prometida”, o ex-Primeiro-Ministro de Israel assume ter cometido um “erro”. As quatro páginas deste capítulo são constituídas por uma entrevista onde Sharon começa por defender que “(...) é o povoamento judaico na terra de Israel que determinará o nosso destino a muito longo prazo”, e mais à frente apresenta argumentos: “A Judeia-Samaria é o berço do povo judaico, e o sentimento e ter o direito do seu lado – um elemento crucial da segurança – depende, antes de tudo, do facto de viver no local a que se pertence”. Finalmente, Ariel Sharon explica o erro: “A questão da segurança tem uma dimensão temporária e é fácil debatê-la, ao passo que o aspecto histórico, capital, é mais forte que tudo. A força da atracção do Grande Israel está nas histórias bíblicas, nas festas, nas estações e nas paisagens. No nosso caso, tudo é história”. Sharon assume que foi o grande impulsionador dos colonatos e foi também ele que iniciou a construção do Muro de Separação.

Somando factos ao longo dos anos, a causa Palestiniana tem vindo sempre em perda; Israel tem vindo sempre a ganhar, através dos colonatos e da anexação de território, na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental. A comunidade internacional bem pode indignar-se após cada decisão, porque a indignação cai no esquecimento e a decisão há-de passar a facto consumado. A solução dois Estados é menos solução a cada dia que passa e não é de todo irresponsável considerá-la impossível de concretizar, porque a sua concretização implicaria um recuo nas ambições de Israel que, neste momento, é altamente improvável.

 

Pinhal Novo, 21 de Julho de 2018

Publicado por josé manuel rosendo em Meu Mundo, Minha Aldeia.

Termos relacionados Blogosfera
(...)