Está aqui

Hungria e Polónia vetam "bazuca europeia"

Os dois países cumpriram a ameaça de vetar o orçamento plurianual e o Fundo de Recuperação. José Gusmão pergunta “o que fará a Comissão e os Governos e grupos políticos da direita, que têm continuado a proteger a deriva autoritária, nomeadamente nos processos de sanções”.
Viktor Órban
Foto de Annika Haas (EU2017EE) | Flickr

A Polónia e a Hungria acabaram por cumprir o que se esperava e vetaram o orçamento da União Europeia e o Fundo de Recuperação, segundo informa o Jornal de Negócios.

Este veto impossibilita que os embaixadores dos governos dos países da União Europeia validassem hoje, segunda-feira, o compromisso alcançado no Parlamento Europeu onde se prevê fundos orçamentais num valor de 1,8 biliões de euros.

A Alemanha, que detém este semestre a presidência da UE, anunciou que foi aprovada a condicionalidade ao respeito do estado de direito ao existir uma maioria qualificada, mas para aprovar o orçamento para 2021-2027 é necessário unanimidade e “dois estados-membros mostraram reservas”.

O porta-voz do governo húngaro, Zoltan Kovacs, justificou o veto afirmando que “não podemos aprovar o plano na sua forma atual, ligando o critério do Estado de direito às decisões orçamentais, porque é contrário às conclusões da cimeira de julho (quando foi aprovado o orçamento da UE)”.

Kovacs refutou qualquer responsabilidade do bloqueio e Orbán endereçou uma carta a Merkel onde vinca que a Hungria votará contra todos os pontos relacionados com o orçamento plurianual, tal como o fundo de recuperação, “incluindo os que precisam de um voto unânime”.

A implementação da "bazuca europeia" fica assim em suspenso devido à posição da Polónia e da Hungria.

José Gusmão, eurodeputado do Bloco, diz que “a posição da Hungria e da Polónia já estava anunciada. A questão é a de saber o que fará a Comissão e os Governos e grupos políticos da direita, que têm continuado a proteger a deriva autoritária, nomeadamente nos processos de sanções”.

Para o eurodeputado é também importante perceber "se os Socialistas e Verdes irão continuar a apoiar um regulamento do Fundo que introduz sanções para Estados que não cumpram as ordens da Comissão, mas deixa à vontade Governos que estão a destruir a democracia e a liberdade”.

 

Termos relacionados Internacional
(...)