Está aqui

Donald Trump, o cão, e Abu Bakr al Baghdadi

Sem surpresa, a elegância no trato e a ponderação nas palavras é algo que, definitivamente, não podemos esperar de Donald Trump. Publicado por José Manuel Rosendo em meu Mundo minha Aldeia
Abu Bakr al Baghdadi, aquando de uma alegada entrevista à Agência de Media do Estado Islâmico, Al Furqan
Abu Bakr al Baghdadi, aquando de uma alegada entrevista à Agência de Media do Estado Islâmico, Al Furqan

O Presidente dos Estados Unidos há muito que nos habituou a uma desbragada incontinência verbal, mas ao contrário da tese de que não pode ser levado a sério, será de bom conselho estar muito atento a tudo o que diz. Não apenas porque é o Presidente da (ainda) maior potência mundial mas porque, podendo parecer apenas paleio de fanfarrão, tudo tem um sentido e um objectivo. A única coisa que permanece um mistério é se as frases que se transformam em notícia são da autoria do próprio ou têm origem no círculo que o apoia e lhe escreve os discursos e/ou as sequências de mensagens no twitter. De uma forma ou de outra, a mensagem representa o pensamento da actual administração norte-americana.

Donald Trump anunciou a morte de Abu Bakr al Baghdadi dizendo que o líder do Estado Islâmico se fez explodir num túnel durante uma operação de forças de elite norte-americanas no noroeste da Síria: “o bandido que tanto queria intimidar os outros passou os seus últimos momentos em pânico total, cheio de medo, aterrorizado pelas forças norte-americanas que o perseguiam”. Trump descreveu o momento ainda mais com mais pormenores: “morreu depois de correr num túnel sem saída, gemendo, chorando e gritando”, acrescentando que o líder do Estado Islâmico fez explodir um colete de bombas, suicidando-se e matando os três filhos que estavam com ele. Dito isto, Donald Trump rematou: “Morreu como um cão”. Não satisfeito, reforçou: “ele não morreu como um herói, morreu como um cão”.

É a esta frase (morreu como um cão) que é preciso dedicar especial atenção. Se os pormenores da operação dão que pensar, quanto mais não seja porque a fonte – Trump – não é de confiança, a comparação de Abu Bakr al Baghdadi a um cão, é um insulto que pode escapar aos não muçulmanos mas é profundamente significativa para a maioria dos seguidores do Islão. E, não querendo ficar por aqui, menos de 24 horas depois, eis que Donald Trump volta à carga, revelando que o líder do Estado Islâmico tinha sido encontrado por um...cão. Através do twitter, o Presidente dos Estados Unidos revelou a foto (desclassificada) do “herói” mas disse que o nome do cão é mantido em segredo.

Foi encontrado por um cão e morreu como um cão, assim Donald Trump quis deixar vincada a morte do líder do Estado Islâmico. Com estas duas frases, Donald Trump tenta humilhar o inimigo, depois de morto, e ao mesmo tempo todos os Muçulmanos. E como não fossem suficientes todas as referências que já tinha feito a Abu Bakr al Baghdadi, Donald Trump ainda fechou uma conferência de imprensa na Casa Branca dizendo que “era um animal, um animal sem coragem”. Para além de constituírem uma fanfarronice, todas estas frases são uma imprudência perigosa. Não se humilham os inimigos e Donald Trump devia saber. Ou alguém lhe devia dizer.

Acossado internamente com um processo de destituição quase certo e desacreditado externamente em diferentes negociações de que não se vislumbra fim nem consequências, Donald Trump aposta na fuga para a frente, não medindo, ou estando-se nas tintas, para o mal que pode provocar ao mundo quando procura ofender a comunidade muçulmana desta forma. Verdade seja dita que um facínora como o líder do Estado Islâmico não fica a fazer qualquer falta, mas a ofensa e a humilhação ao inimigo eram dispensáveis, um verdadeiro estadista nunca as faria, e nada podem trazer de bom.

Sem surpresa, a elegância no trato e a ponderação nas palavras é algo que, definitivamente, não podemos esperar de Donald Trump. Mas também é algo obrigatório na atitude de um Presidente, dos Estados Unidos ou de qualquer outro país.

Pinhal Novo, 29 de Outubro de 2019

Publicado por José Manuel Rosendo em meu Mundo minha Aldeia

Termos relacionados Blogosfera
(...)