Está aqui

Dirigente de movimento contra barragens assassinada no Brasil

Dilma Ferreira Silva, coordenadora regional do Movimento dos Atingidos por Barragens foi assassinada em Tucuruí junto com outros militantes, segundo informou o movimento. O MAB organiza as pessoas atingidas ou ameaçadas por barragens que lutam pelos seus direitos no Brasil.
Foto do MAB/Facebook

O MAB, Movimento dos Atingidos por Barragens, informou que nesta sexta-feira a sua dirigente regional em Tucuruí, no Estado do Pará, Dilma Ferreira Silva foi assassinada junto à sua família. O movimento comunicou que foram também outros militantes mas não divulgou de quantas pessoas se trata e que não conhece os motivos do crime.

No comunicado emitido pelo movimento, o assassinato é referido como “mais um momento triste para a história dos atingidos por barragens que no dia de hoje celebravam o dia internacional da água”. O MAB exige “apuração rápida deste crime e medidas de segurança para os atingidos por barragens em todo o Brasil”.

O MAB é “um movimento nacional, autónomo, de massa, de luta, com direção coletiva em todos os níveis, com rostos regionais, sem distinção de sexo, cor, religião, partido político e grau de instrução”. Classifica-se como “um movimento popular, reivindicatório e político” cuja “prática militante é orientada pela pedagogia do exemplo”. Organiza-se a partir de grupos de base das famílias ameaçadas ou atingidas por barragens. Está presente em 19 Estados brasileiros.

No Tucuruí, o MAB reivindica os direitos das 32 mil pessoas deslocadas devido à construção da barragem no rio Tocantins. Há 30 anos que lutam pelos seus direitos.

Termos relacionados Internacional
(...)