Está aqui

Com a queda de Sam Bankman-Fried, toda a fantasia cripto está a desfazer-se

Da próxima vez que uma bolha especulativa estiver a inchar em torno de um novo ativo extravagante como a criptomoeda, lembrem-se de Sam Bankman-Fried e da rapidez com que todas as suas promessas se revelaram uma treta. Por Hadas Thier.
Sam Bankman-Fried. Foto publicada na sua conta Twitter.

Que diferença faz um ano. Por esta altura no ano passado, as criptomoedas estavam na berra. Para onde quer que nos virássemos, as celebridades estavam a alardeá-las - desde Kim Kardashian a Spike Lee, passando por Matt Damon. NFTs, um desdobramento cripto que atribui certificados de propriedade blockchain a bens digitais, disparou para patamares bizarros quando os cartoons de macacos se vendiam por milhões. E ser um agente imobiliário para terrenos virtuais tornou-se uma carreira real. Entretanto, a mais antiga e mais popular criptomoeda, Bitcoin, prosseguia a sua louca corrida de valorização de preço, atingindo um pico de 64.000 dólares em novembro passado.

Hoje, o valor da Bitcoin está a cair de volta à terra, agora á volta dos $16.000, dependendo do dia (ou hora). O comércio de NFT praticamente entrou em colapso. E várias celebridades estão a ser investigadas por promoverem a agora falida bolsa cripto FTX num processo judicial de ação coletiva. Os últimos meses testemunharam uma série de dramas no universo cripto, derrubando os principais intervenientes - incluindo a Terra, uma "moeda estável"; a Celsius, uma empresa de empréstimos em cripto; e a Three Arrows Capital, um hedge fund cripto. Agora a FTX, anteriormente a terceira maior bolsa de criptomoeda, entrou em colapso a uma velocidade vertiginosa - e com ela as finanças e a reputação do menino de ouro da cripto, Sam Bankman-Fried, também conhecido por SBF.

Em poucos dias, no início de novembro, a FTX passou de uma empresa avaliada em 32 mil milhões de dólares, com investimentos de empresas como a BlackRock e a Sequoia, para a falência. E a SBF passou do convívio com Bill Clinton e Gisele Bündchen para "um destroço em queda", nas suas próprias palavras.

A 2 de novembro, um relatório da CoinDesk descobriu que a FTX tinha utilizado os seus próprios tokens (FTT), uma espécie de moeda interna impressa pela própria FTX para ser utilizada no seu mercado, para inflacionar o seu balanço e o da sua empresa comercial associada, a Alameda Research. As revelações apontavam também para o provável cenário de que Bankman-Fried tinha utilizado milhares de milhões de dólares de ativos de clientes FTX para financiar as apostas financeiras da Alameda através de um mecanismo de contabilidade "furtivo" que canalizava milhares de milhões em fundos FTX para a Alameda sem alertar os auditores ou despoletar avisos da contabilidade.

Quatro dias após o relatório da CoinDesk, Changpeng Zhao, o CEO da Binance, a maior bolsa cripto (e ela própria sob investigação do Departamento de Justiça dos EUA por lavagem de dinheiro e violações de sanções) anunciou que iria vender o seu stock de tokens FTT. Seguiu-se o equivalente cripto de uma corrida aos bancos, com mais de 6 mil milhões de dólares de fundos levantados em setenta e duas horas. Zhao ofereceu-se então para comprar a FTX a 8 de novembro, mas no dia seguinte retirou-se do negócio, tweetando: "Um dia triste". Tentei, mas" com um emoji de cara chorosa.

A 11 de novembro, a FTX declarou falência, deixando para trás um buraco de 8 mil milhões de dólares nas contas dos seus clientes. Para acrescentar ao drama, logo após a falência, um hacker transferiu centenas de milhões de dólares para fora da empresa.

Como parte do processo de falência, John Ray III foi nomeado o novo CEO da FTX. Ray é um advogado de insolvência com uma fama que inclui a liquidação da Enron em 2001. Ele disse no processo de falência: "Nunca na minha carreira vi uma falha tão completa dos controlos empresariais e uma ausência tão completa de informação financeira de confiança como a que ocorreu aqui". A experiência de Ray é certamente relevante, uma vez que as operações da FTX - recorrendo a avaliações fictícias e manipulações contabilísticas para aumentar artificialmente os balanços - têm semelhanças evidentes com as da Enron. Neste momento, os detalhes caóticos dos "balanços" da FTX e a sua cultura empresarial tóxica estão à vista de todos - descritos pelos meios de comunicação social como por um lado um tribunal feudal, por outro um bando de miúdos à solta nas Bahamas.

Mas não é preciso ter uma longa memória para nos lembrarmos da imprensa, dos políticos e das celebridades a bajularem SBF. Recuemos a... julho, por exemplo, quando a Economist publicou um artigo chamado "O último homem de pé na cripto", e perguntou: "Será Sam Bankman-Fried o John Pierpont Morgan da cripto? A comparação com JP Morgan, concluíram eles, "é surpreendentemente instrutiva". Outros compararam SBF ao investidor bilionário Warren Buffett, e há dois meses elogiaram a FTX por ter emergido como um suporte para a uma indústria em queda generalizada. O império cripto de SBF foi amplamente considerado como sendo o recanto mais legítimo da criptofinança.

Trinta anos de idade e encantadora ou irritantemente desgrenhado, dependendo da sua perspetiva, Sam Bankman-Fried era o rapaz maravilha da cripto, um docinho liberal, e por acaso o segundo maior doador do Partido Democrata para além de ser um grande financiador da moda filosófica do "altruísmo efetivo". Este verão, ele esteve na conferência do FTX nas Bahamas, sentado num painel com os seus calções e t-shirt ao lado de Bill Clinton e Tony Blair. O impacto do fracasso cósmico de SBF vai para além do choque que proporciona aos seus fãs liberais de outrora e para além das consequências financeiras que impõe na paisagem cripto mais vasta. Ele afeta a credibilidade do próprio projeto blockchain.

A cripto está de saída? É demasiado cedo para dizer. Mas se a indústria consegue coxear até à próxima bolha especulativa lhe reinjetar vida, ou se rasteja de volta para as periferias da finança, lembre-se deste momento em que as afirmações absurdas da cripto sobre revolucionar a finança e o mundo foram desmascaradas como sendo pouco mais do que uma burla.

O Dia em que a Música Cripto Morreu

As criptomoedas ganharam, com razão, reputação como ferramentas para atividades criminosas, burlas e pirataria. Os primeiros dias da Bitcoin foram marcados por empreendimentos como a Silk Road, um mercado de bens ilícitos que utilizam bitcoins. A Silk Road foi encerrada pelo FBI, e mais de mil milhões de dólares de bitcoin foram apreendidos. O seu fundador, Ross Ulbricht, usando o pseudónimo "Dread Pirate Roberts", foi preso por, entre outras coisas, ter contratado os assassinatos de seis pessoas que ele acreditava terem roubado as suas bitcoins ou o terem traído de outro modo.

Mas há mais de uma década que a história de Bitcoin e outras criptomoedas tem sido repleta de outros esquemas deste tipo, grandes e pequenos. A ascensão e queda de SBF e do seu criptoimpério são tão significativas porque ele era amplamente considerado como o tipo que ajudaria a cripto a tornar-se mainstream. Isto não se deve apenas às suas credenciais liberais e do "altruísmo efetivo", mas porque ele era um defensor de alguma regulamentação da indústria. O argumento de Bankman-Fried para um quadro regulamentar "leve" tornou-o impopular entre os libertários mais duros da cripto. Mas, para que os principais investidores apostassem a fundo na cripto, o Faroeste na blockchain teria de ser pelo menos um pouco domado e protegido.

Criptocenas

José Gusmão

Quaisquer que sejam as promessas antissistema de muitos dos proponentes da cripto, no fim das contas a viabilidade das criptomoedas depende do investimento em larga escala e da adoção generalizada. Para que as moedas Bitcoin e outras moedas digitais aumentem de valor - já para não falar de serem usadas como moeda real - os Estados e as instituições financeiras tão ridicularizadas pelos proponentes da cripto têm de ser envolvidos. É por isso que os promotores da cripto celebraram entusiasticamente a adoção da criptomoeda por El Salvador. É por isso que as "baleias" bitcoin, os maiores investidores na moeda, são tratados com tanta reverência.

O que é que SBF tinha em mente com uma regulação "leve"? Como outros assinalaram, ele queria antecipar-se a medidas regulamentares mais agressivas da Securities and Exchange Commission, posicionando a mais pequena Commodities Futures Trading Commission  (CFTC)  como regulador da cripto. A própria FTX estava registada e licenciada pela CFTC e tinha contratado muitos antigos funcionários da CFTC, segundo o presidente da Better Markets, Dennis Kelleher. A relação acolhedora entre a FTX e a comissão ajudou a FTX a utilizar o "conhecimento, influência e acesso dos antigos funcionários da CFTC na agência e em Washington para mover a agenda da FTX". Também levou a comissão a agir, nas palavras de Kelleher, como "uma líder de claque para a cripto".

Nos seus momentos mais honestos (ou desesperados), SBF admitiu que pedir mais regulamentação era pouco mais do que uma manobra de relações públicas. Mais espantosamente, ele quase admitiu que a cripto era, em grande parte, um esquema Ponzi. No podcast Odd Lots da Bloomberg em abril, ele explicou como funciona a mineração de liquidez cripto [yield farming], numa versão em "brinquedo":

Começa-se com uma empresa que constrói uma caixa e, na prática, esta caixa, provavelmente enfeitam-na para parecer um protocolo que vai mudar o mundo, que vai substituir todos os grandes bancos em trinta e oito dias ou o que quer que seja. Talvez, por agora, ignoremos o que ela faz ou finjamos que não faz literalmente nada. É apenas uma caixa.

A partir daí, às pessoas que põem dinheiro na caixa é prometido um X token. E "no mundo em que estamos", continuou ele, "se fizerem isto, toda a gente vai ficar tipo, 'Ooh, um token da caixa'". Talvez seja fixe. Se comprares isso... isso vai chegar ao Twitter e terá um valor máximo de mercado de 20 milhões de dólares". As pessoas começam a ganhar dinheiro com o valor crescente dos seus X tokens, e empresas sofisticadas acabam por se juntar, acrescentando mais dinheiro à caixa.

Portanto, tens esta caixa e é um bocado parvo, pois, qual é o objetivo, certo? Esta caixa vale zero, obviamente. Nem se pode ficar com este boné ou assim. Mas por outro lado, se toda a gente pensa agora que esta caixa de tokens vale cerca de um mil milhões de dólares de valor de mercado, é isso que as pessoas a valorizam. [...] Todos vão apostar no mercado.

Durante o podcast, o colunista da Bloomberg Matt Levine foi apanhado de surpresa pelo cinismo da descrição de SBF. No entanto, a conversa prosseguiu com todos a concordarem que este tipo de cenário acontece, de facto, na prática. Ao longo do podcast, e nos meses seguintes, a Bloomberg e outros meios de comunicação social continuaram a recorrer a SBF como uma espécie de génio nerd. Entretanto, ele e o pessoal da FTX viam-se a si próprios, nas palavras de um funcionário de longa data, como "os bons da fita".

Agora o tom da conversa mudou, e mudou fortemente. SBF está a levar pancada de todos os lados. E os principais comentadores financeiros estão a referir-se à cripto como apenas "dinheiro inflacionado a esvair-se na especulação". E é improvável que as bolsas rivais da FTX estejam numa situação financeira muito melhor ou mais legítima.

O colapso da FTX lançou ondas de choque para toda a indústria cripto, com o preço da Bitcoin e de outras moedas a cair rapidamente. Mas mais do que isso, pôs o último prego no caixão de uma ideia: a de que a cripto é o dinheiro do futuro. Se o recanto mais "legítimo" da cripto é também um esquema Ponzi, o que é que sobra a que possamos recorrer?


Hadas Thier é um ativista em Nova Iorque e autor de A People's Guide to Capitalism: An Introduction to Marxist Economics. Artigo publicado em Jacobin. Traduzido por Luís Branco para o Esquerda.net.

Termos relacionados Internacional
(...)