Está aqui

Catalunha: Independentistas reforçam maioria absoluta, PSC é o mais votado

O Partido Socialista da Catalunha (PSC) foi o mais votado e o seu líder anunciou candidatura a presidente da Generalitat. Vox torna-se o partido mais votado da direita. CUP passa de 4 para 9 deputados e En Comú Podem mantém oito mandatos. Bloco enviou saudações a ERC, CUP e En Comú Podem.
Pere Aragones, à frente, acompanhado por Oriol Junqueras, presidente da ERC, que afirmou que a “ERC voltará a ter a presidência da Generalitat”, 14 de fevereiro de 2021 – Foto de Alberto Estévez/Epa/Lusa
Pere Aragones, à frente, acompanhado por Oriol Junqueras, presidente da ERC, que afirmou que a “ERC voltará a ter a presidência da Generalitat”, 14 de fevereiro de 2021 – Foto de Alberto Estévez/Epa/Lusa

PSC, ERC e Junts quase empatados

Nas eleições autonómicas da Catalunha realizadas neste domingo, 14 de fevereiro, Esquerda Republicana (ERC), Partido Socialista da Catalunha (PSC) e Juntos pela Catalunha (Junts) ficaram quase empatados. O PSC obteve mais votos, 648 mil, enquanto ERC passou os 600 mil e o Junts teve mais de 565 mil. Assim, o PSC e ERC ficaram com o mesmo número de mandatos 33 cada e o Junts elegeu menos um deputado (32).

A subida do PSC é digna de registo pois passou de 17 para 33 deputados. Em termos de votos a subida não é tão acentuada, devido à elevada abstenção, tendo passado de 606 mil que teve em 2017 para 648 mil votos.

No discurso que fez após as eleições, Salvador Illa anunciou que vai candidatar-se a presidente da Generalitat. “Vou apresentar-me à investidura”, declarou Illa, que agradeceu o apoio de Pedro Sánchez, líder do PSOE, e dedicou-lhe a vitória: “Esta é uma vitória nossa, presidente, de todos”, afirmou

ERC voltará a ter a presidência da Generalitat”, afirma Junqueras

O presidente da ERC, Oriol Junqueras, declarou na noite deste domingo: “Pela primeira vez, nos últimos 80 anos a ERC voltará a ter a presidência da Generalitat”. Junqueras acrescentou ainda, segundo o El Pais, que “a cidadania expressou claramente qual é a sua vontade: o referendo e a amnistia”.

A ERC ficou empatada em número de deputados com o PSC, mas ultrapassou Junts, tornando-se o mais votado partido independentista catalão. A ERC defende um governo de independentistas e na parte final da campanha assinaram, em conjunto com Junts, CUP e PDECat, um compromisso em que se comprometeram a “seja qual for a correlação de forças saída das urnas” “em nenhum caso se fará um acordo de governo com o PSC”.

Na noite deste domingo, o candidato da ERC, Pere Aragonès dirigiu-se ao primeiro-ministro, Pedro Sánchez, e declarou: “É hora de resolver o conflito”.

Maioria mais ampla pela autodeterminação

Pere Aragonès, que é candidato a presidente da Generalitat, declarou também: “Queremos juntar todos os deputados convencidos da amnistia e da autodeterminação. Aragonès dirigia-se assim a En Comú Podem, que manteve os oito mandatos, e propôs a realização de “acordos de base para conseguir os grandes objetivos que nos esperam”.

O candidato da ERC respondia à proposta da candidata de En Comú Podem, Jéssica Albiach, que apelou a um acordo tripartido com PSC e ERC.

De salientar que para além de uma maioria independentista, há uma maioria ainda mais larga que defende a autodeterminação, composta por: ERC, Junts, CUP e En Comú Podem.

Governo de esquerdas, propõe En Comú Podem

Jéssica Albiach declarou na noite deste domingo: “O Governo de esquerdas é imparável. Será o instrumento que tornará possível abrir uma nova etapa na Catalunha”. “Este é o parlamento mais de esquerda de toda a história. Faremos tudo o que esteja nas nossas mãos”, para conseguir um Governo de esquerdas, frisou Jéssica Albiach, que se encontrava acompanhada por Ada Colau, presidente da Câmara de Barcelona.

Colapso do Ciudadanos e subida do Vox aprofundam crise da direita

O Ciudadanos perdeu 30 deputados, passando de 36 para 6 deputados na Catalunha. Um colapso maior ainda do que era esperado.

Simultaneamente, o PP, que já só tinha 4 deputados, perdeu mais um, ficando reduzido a apenas três deputados e volta a não conseguir ultrapassar a fasquia que lhe permitiria formar um grupo parlamentar.

Por sua vez, o partido de extrema-direita Vox sobe fortemente, entra pela primeira vez no parlamento catalão e elege 11 deputados, tornando-se o quarto maior partido da Catalunha. Com estes resultados, o Vox passa a ter mais deputados que PP e Ciudadanos juntos.

CUP alcança uma grande vitória

A CUP, uma força política independentista e de esquerda, foi o partido que conseguiu a maior subida nestas eleições, ao passar de 4 mandatos, que tinha obtido em 2017, para 9 mandatos.

Na intervenção na noite eleitoral de domingo, Dolors Sabater, candidata da CUP, afirmou “esta crise é muito grave e não podemos perder nem um minuto” e defendeu que “não se pode separar a luta independentista de uma mudança social e económica”.

Dolors Sabater revelou também que falou com os representantes de ERC, JxCat e dos comuns (En Comú Podem) propôs-lhes uma reunião com o objetivo de estabelecer um pacto com vários eixos, como a amnistia “e o fim da repressão”, um referendo vinculativo, um plano de aprofundamento de políticas sociais e outro de transição ecológica.

O segundo candidato da CUP, Fernando Riera, lamentou, por sua vez, a baixa participação na votação.

Nestas eleições, a abstenção subiu significativamente e a participação eleitoral foi de 53,5%, a mais baixa em democracia na Catalunha. No entanto, esta participação eleitoral é a mais alta nas eleições autonómicas realizadas durante a pandemia de covid-19 no Estado espanhol.




  • Eleições autonómicas da Catalunha – 14 de fevereiro de 2021

    Partidos

    2021 - mandatos

    2017- mandatos

    ERC

    33

    32

    PSC

    33

    17

    JxCat

    32

    34

    ECP

    8

    8

    C’s

    6

    36

    Vox

    11

    -

    CUP

    9

    4

    PP

    3

    4

Notícia atualizada às 15h de 15 de fevereiro de 2021

 

Termos relacionados Internacional
(...)