Está aqui

Ana Luísa Amaral distinguida pelos livreiros de Madrid

A associação de livrarias de Madrid atribuiu o prémio Livro do Ano, na área de Poesia, à poetisa Ana Luísa Amaral pela publicação do seu livro "What’s in a name". O prémio é uma escultura assinada pelo artista plástico Pep Carrió e será entregue na semana de 14 de dezembro.
Ana Luísa Amaral, poetisa, ensaísta e dramaturga – foto retirada de https://escamandro.wordpress.com/
Ana Luísa Amaral, poetisa, ensaísta e dramaturga – foto retirada de https://escamandro.wordpress.com/

Segundo a Lusa, o anúncio foi feito na página da Asociación de Empresarias y Empresarios del Comercio del Libro de Madrid – Gremio de Librerías, no âmbito dos prémios anuais, que distinguem ficção, ensaio, poesia, banda desenhada e ilustração.

O júri espanhol apontou sobre a obra de Ana Luísa Amaral: "Nestes tempos de incerteza e angústia que vivemos, de muros e janelas, a poesia de [Ana Luísa] Amaral acolheu-nos nessa casa fronteiriça e vizinha, cálida e familiar, que existe entre os nossos dois países (Portugal e Espanha), e ofereceu-nos nome e palavras numa língua dita estrangeira, mas que não é. Obrigada e parabéns".

O livro "What’s in a name", de Ana Luísa Amaral, foi editado em 2017 em Portugal pela Assírio & Alvim. Em Espanha, foi publicado pela Sexto Piso. A Sexto Piso, na apresentação da obra, considera que "What’s in a Name" transfigura "os pequenos atos quotidianos em momentos poéticos de grande voltagem, vitalidade e profundidade" e compara Ana Luísa Amaral à norte-americana Emily Dickinson e à Nobel da Literatura polaca Wislawa Szymborska.

A Assírio & Alvim, por seu lado, sublinha a "estranheza do inglês no título", como expressão da "ambivalência da relação, de que sempre a poesia viveu, entre a coisa (nossa, do mundo) e a sua nomeação, apontando para a multiplicidade de sentidos" que há na obra. "Nela se cruzam, em cumplicidade, o quotidiano e o cósmico, o poético e o político, a comoção e a ironia, o espanto e a indignação - em suma, a palavra e a vida", conclui a Assírio & Alvim.

O livro "What’s in a Name" foi também publicado em inglês pela WW Norton, numa versão da premiada tradutora Margaret Jull Costa.

Em outubro passado, Ana Luísa Amaral recebeu o prémio literário espanhol Leteo, da Direção de Ação e Promoção Cultural da cidade de Leão e do Clube Leteo Cultural. Para a organização deste prémio, que recordou ter sido Ana Luisa Amaral "duas vezes finalista do Prémio Rainha Sofia”, a escritora é "um dos mais importantes poetas vivos de Portugal".

Ana Luísa Amaral é poetisa, ensaísta, dramaturga, autora de livros para crianças e tradutora de autores como John Updike, foi também professora de Literatura e Cultura Inglesa e Americana, na Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Tem um doutoramento sobre a poesia de Emily Dickinson e as suas áreas de investigação são Poéticas Comparadas, Estudos Feministas e Estudos Queer.

A sua obra encontra-se traduzida e publicada em várias línguas e países, tendo obtido diversos prémios, como o Prémio Literário Correntes d'Escritas, o Premio Letterario Poesia Giuseppe Acerbi e o Grande Prémio de Poesia da Associação Portuguesa de Escritores.

Além do prémio atribuído a Ana Luísa Amaral, os livreiros de Madrid distinguiram ainda o escritor espanhol Juan José Millás, autor de "Que Ninguém Durma", com o Prémio Leyenda 2020 de carreira, pela sua defesa do livro e da leitura. A associação madrilena premiou ainda Elvira Lindo, na área da ficção, por "A corazón abierto", e Irene Vallejo, na área de ensaio, por "El infinito en un junco". No campo da ilustração o prémio foi atribuído a Kitty Crowther, pelo álbum "Madre Medusa", e, em banda desenhada ou 'comic', Juanjo Guarnido e Alain Ayroles, por "El Buscón en las Indias".

Termos relacionados Cultura
(...)