Solidariedade

162 docentes exigem que Universidade de Coimbra tome posição contra a guerra em Gaza

14 de junho 2024 - 10:53

O abaixo-assinado defende que a reitoria deve seguir o exemplo de outras universidades europeias e acabar com os acordos de cooperação com instituições ligadas à ocupação da Palestina. Acampamento estudantil pelo fim do genocídio já dura há 24 dias.

PARTILHAR
Acampada pela Palestina na Universidade de Coimbra.
Acampada pela Palestina na Universidade de Coimbra. Foto Coimbra pela Palestina/Facebook.

O abaixo-assinado subscrito por 162 professores e investigadores da Universidade de Coimbra foi entregue esta quinta-feira ao reitor Amílcar Falcão e pede-lhe que tome “todas as providências necessárias para que a voz da UC se junte a todos os que denunciam os crimes de guerra e contra a humanidade perpetrados em Gaza”, em nome da defesa de um “cessar-fogo imediato que permita a libertação de todos os reféns e a abertura de caminhos que permitam uma paz duradoura para os povos da região, incluindo o reconhecimento do Estado da Palestina”.

Os docentes querem que a Universidade de Coimbra siga o exemplo do Conselho de Reitores das Universidades Espanholas, que decidiu suspender os acordos de colaboração das 77 instituições de ensino superior com universidades e centros de investigação israelitas que não tenham expressado “um firme compromisso com a paz e o cumprimento do direito internacional humanitário”. Mas também de outras universidades europeias como o Trinity College (Irlanda), a Universidade de Bergen (Noruega), a Universidade Livre de Bruxelas ou a Universidade de Ghent (Bélgica), que adotaram posições no mesmo sentido. Por outro lado, defendem ainda que a Universidade de Coimbra deve “dinamizar todos os canais de cooperação universitária com a rede de ensino superior da Palestina”.

“Como docentes, investigadores e investigadoras da Universidade de Coimbra, expressamos a nossa solidariedade com o povo palestiniano e o nosso repúdio pelo genocídio em curso em Gaza”, vincam os subscritores, condenando a ação do Governo israelita de uma “defesa sem limites, na sequência da ação inqualificável de eliminação e de detenção como reféns de civis israelitas inocentes”, refere o abaixo-assinado citado pela agência Lusa.

Estudantes de Coimbra continuam acampados desde 21 de maio

A “Acampada Estudantil pelo Fim ao Genocídio em Curso na Palestina”, promovida por estudantes da Universidade de Coimbra, prossegue junto à entrada da Faculdade de Letras, com o objetivo de exigir um posicionamento claro da reitoria contra a ofensiva de Israel na Faixa de Gaza e pelo fim de acordos com instituições israelitas.

Segundo disse à Lusa uma das estudantes que participam na acampada, Mariana Costa, este protesto começou quando perceberam que a universidade tinha projetos em parceria com instituições israelitas que “estão diretamente ligadas ao regime de ‘apartheid’ e ocupação”.

Acmpada pela Palestina em Coimbra
Acampada pela Palestina na Universidade de Coimbra. Foto Coimbra pela Palestina/Facebook.

Apesar de o grupo já se ter encontrado por duas vezes com o reitor, dessas reuniões não saiu uma mudança de posição da universidade, pelo que algumas dezenas de estudantes continuam a participar diariamente nesta acampada, mesmo durante a época de exames e a Queima das Fitas, que terminou recentemente. Na terça-feira entregaram também um abaixo-assinado subscrito por 800 estudantes com as mesas reivindicações.

Os estudantes sublinham a incoerência da reitoria, que logo após o início da invasão da Ucrânia manifestou total solidariedade com o povo ucraniano e projetou as cores da sua bandeira na torre, enquanto no caso do genocídio na Palestina nada faz para afirmar a mesma solidariedade. “A reitoria resguarda-se, referindo o direito internacional e num posicionamento da União Europeia. Para nós, isso não serve de argumento”, afirma Mariana Costa.