Extrema-direita

A extrema-direita europeia tenta hoje disfarçar as suas velhas ligações a Vladimir Putin. Mas a aliança “Patriotas Pela Europa” - que o Chega acaba de integrar - tem Viktor Orbán como principal promotor. Dois dias antes de lançar este grupo, o primeiro-ministro húngaro esteve no Kremlin.

Um software de espionagem israelita e um exército de perfis falsos eram duas das armas usadas pela “Abin Paralela” contra alvos como juízes, jornalistas, funcionários públicos que investigaram casos em que estavam envolvidos filhos do ex-presidente e adversários políticos.

A extrema-direita espanhola rompeu os acordos de governo regionais com o PP depois de um acordo para distribuir pelo país cerca de 300 menores que estavam nas Canárias.

José Cesário foi notícia esta quinta-feira por ter nomeado um secretário com posições a favor de Salazar e de Franco. Mas as suas ligações com a extrema-direita não ficam por aqui. O nome de César do Paço também entra nesta história.

Vitório Cardoso é desconhecido do grande público mas conhecido como “facilitador” de negócios entre Portugal e a China. Admirador de Salazar e de Franco, dirigente e autarca do PSD mas presente em manifestações do Chega, foi nomeado secretário pessoal do Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, passando a ter acesso a informação sensível.

A campanha presidencial de Le Pen de 2022 está na mira da justiça por financiamento ilegal. Em Espanha, o Vox foi multado por financiamento irregular. No Brasil, Bolsonaro é acusado de associação criminosa por desviar do acervo público prendas vendidas para benefício próprio.

Cerca de duas dezenas de associações, editoras e livrarias dirigiram um apelo às ministras da Administração Interna, Justiça e Cultura para que tomem medidas urgentes para garantir a liberdade e segurança de escritores e leitores.

Netanyahu tornou-se o bem-amado da extrema-direita mundial, não só como modelo para eles, mas também devido aos seus esforços incansáveis para ilibar os seus companheiros em todo o mundo da acusação de antissemitismo e de a associarem àqueles que odeiam. 

Gilbert Achcar

Edgar Morin apela ao antifascismo. Annie Ernaux à união na eleição “pela qual os nossos descendentes nos julgarão” e depois da qual “é preciso continuar a lutar juntos pela justiça social”. São duas vozes entre muitas contra a União Nacional a poucos dias da segunda volta e quando a extrema-direita fugiu ao último debate.

Um relatório oficial detalha a existência de muitos membros com ligações a grupos de extrema-direita. Na segunda-feira, um político da AfD foi multado pela segunda vez por usar um slogan nazi.

Graças ao sistema eleitoral francês, estavam previstas para domingo mais de 300 disputas entre três candidatos. Contra o perigo da eleição de deputados de extrema-direita, cerca de 200 candidatos já saíram do escrutínio para concentrar votos nos melhores colocados para derrotar a União Nacional. A esquerda fá-lo em nome do antifascismo, mas no campo macronista abrem-se exceções.

Ugo Palheta, especialista em desigualdades sociais e étnico-raciais, analisa nesta entrevista a tentação autoritária e racista que atravessa França e as formas de tentar impedir a catástrofe.

Uma jornalista infiltrou-se na Juventude Nacional, o movimento de juventude do partido da primeira-ministra italiana, e mostra uma realidade de fascismo, antisemitismo e homofobia bem longe das tentativas de mostrar uma imagem de moderação.

A ministra da Administração Interna foi questionada pelo Bloco de Esquerda sobre a repetição dos ataques intimidatórios do grupo “Habeas Corpus” à escritora Mariana Jones sem que as autoridades intervenham.

200 associações francesas convocaram manifestações em várias cidades do país este domingo para denunciar o perigo da chegada da extrema-direita ao poder.

O partido quer explicações de Margarida Blasco sobre as iniciativas que resultaram em violência e ameaças por parte de grupos de extrema-direita nas últimas semanas.

O presidente dos Republicanos anunciou a vontade de entrar em acordo com o partido de Le Pen para as próximas legislativas. O seu partido, contudo, parece ter entrado em guerra civil por causa da proposta.

Confrontado com o caso de um imigrante que se queixou de ter sido vítima de racismo no país, o líder da extrema-direita virou-lhe costas e os seus apoiantes tentaram perturbar as explicações que dava aos jornalistas.

Os oito subscritores garantem que vão “fazer tudo o que estiver ao nosso alcance” para evitar que a tragédia se repita e lembram que “da última vez que a extrema direita chegou ao poder” exploraram o descontentamento e, “passo a passo, milhões de pessoas foram desprovidas dos seus direitos, incluindo o direito à vida.”

Ursula von der Leyen, candidata à presidência da Comissão Europeia apoiada por PSD e CDS, abriu explicitamente a porta a acordos com Meloni num debate televisivo. André Ventura mostrou-se solidário com a AfD depois das declarações abonatórias do candidato do partido sobre os paramilitares nazis das SS. Horas depois, o grupo europeu a que pertence expulsou os alemães.