You are here

Suíça aprova substituição do nuclear por energias renováveis

No passado domingo, 21 de maio de 2017, foi aprovado na Suíça em referendo, por 58,2%, o abandono progressivo do nuclear até 2050 e a sua substituição por energias renováveis.
Projeto aprovado em referendo na Suíça prevê o abandono progressivo do nuclear e aposta nas energias renováveis – Foto de 29in.CH/flickr
Projeto aprovado em referendo na Suíça prevê o abandono progressivo do nuclear e aposta nas energias renováveis – Foto de 29in.CH/flickr

A decisão aprovada em referendo no passado fim de semana é o resultado de um longo processo desencadeado após o acidente nuclear de Fukushima em 2011 no Japão. Nessa altura, a Suíça decidiu abandonar o nuclear até 2034.

Desde então foi elaborado um projeto, apoiado por quatro partidos - PDC (democrata-cristão), PLR (liberal), PS e Verdes- a “Estratégia Energética Dois Mil e Cinquenta”.

O projeto prevê um processo de abandono progressivo do nuclear até 2050 e a promoção das energias renováveis: a hidráulica, a solar, a geotermia e a biomassa. A Suíça tem cinco reatores nucleares que produzem em média 39% da produção de eletricidade, podendo atingir 45% nos picos de gasto durante o inverno.

O projeto prevê também o aumento da fatura energética paga por cada família.

O primeiro passo desta estratégia visa, nomeadamente, reduzir o consumo de energia, fixando valores indicativos de consumo energético médio por pessoa e por ano, prevendo uma redução do consumo em 16% até 2020 e de 43% até 2035.

O projeto proíbe também a construção de novas centrais nucleares, podendo as centrais existentes continuar a funcionar enquanto mantiverem [alguma] segurança.

O projeto teve apenas a oposição do partido de extrema-direita UDC, que pediu a realização de um referendo por considerar que a aplicação do projeto acarreta custos elevados, referindo que custará 200 mil milhões de francos suíços (183 mil milhões de euros) até 2050 e 3.200 francos suíços (2900 euros) por cada família de quatro pessoas. O partido de extrema-direita diz ainda que o projeto põe em causa o abastecimento energético e desfigura a paisagem com a multiplicação das eólicas e dos painéis solares.

Os autores do projeto contestam os números da UDC, dizendo que uma família de quatro pessoas, com um consumo de eletricidade médio, pagará mais 40 francos suíços (36,5 euro) por ano.

A participação no referendo foi de 42,3%, um número que está na média da participação da população nos referendos , nos últimos dois anos. Em cada ano, costumam realizar-se três a quatro referendos na Suíça.

Termos relacionados Ambiente
(...)