You are here

Prozis despede precários e depois contrata para os mesmos postos de trabalho

Segundo o despedimentos.pt, na unidade de Póvoa de Lanhoso desta empresa de nutrição e suplementos desportivos os trabalhadores com contrato a termo estão a ser despedidos quando atingem o limite de renovações e outros são depois contratados para fazer as mesmas tarefas.
Prozis, foto de despedimentos.pt.
Prozis, foto de despedimentos.pt.

A plataforma de denúncia de abusos laborais despedimentos.pt noticiou que a Prozis, empresa de nutrição e suplementação desportiva, está a despedir os trabalhadores com contratos a termo na sua unidade em Póvoa de Lanhoso, após atingirem o limite de renovações, contratando outros precários exatamente para os mesmos postos de trabalho.

As denúncias recebidas pelo site indicam que já foram despedidos cerca de 20 trabalhadores que estão a terminar o terceiro contrato de 6 meses, “evitando que se tornem efetivos”.

Só que “ao mesmo tempo, porque as necessidades são permanentes, está a contratar outros trabalhadores, novamente com contratos a prazo, para desempenhar as mesmas funções”.

O site recorda que já tinha divulgado que a mesma empresa despedira também precários na sua unidade na Maia, logo na primeira fase da pandemia. O despedimentos.pt conclui que “a empresa segue, assim, uma estratégia de precarização, não hesitando em atirar dezenas de trabalhadores e trabalhadoras para o desemprego neste momento crítico para a comunidade, apesar de comunicar que o negócio continua a crescer”.

Sublinha-se ainda que “embora tristemente comum, esta prática é uma clara violação da lei laboral, que estipula que a cessação de contrato de trabalho a termo impede a imediata contratação para o mesmo posto de trabalho”.

A Prozis é um empresa portuguesa, fundada em 2007, que se dedica à produção e comercialização de produtos de nutrição desportiva, saúde e vestuário. Em 2018, atingiu um volume de negócios de 120 milhões de euros, um valor que, segundo a empresa, continuou a aumentar.

Termos relacionados Sociedade
(...)