You are here

Espanha: Ecologistas pedem demissão do responsável de segurança nuclear

Um grupo de ativistas concentrou-se esta segunda-feira em Madrid, para exigir a demissão do presidente do Conselho Segurança Nacional de Espanha devido a “má gestão” e “falta de transparência”. Protestaram também contra a construção de um armazém de resíduos em Almaraz.

O Movimento Ibérico Antinuclear (MIA), o Foro Extremenho Antinuclear (FEAN), a Plataforma Contra o Cemitério Nuclear de Cuenca e o grupo Ecologistas em Ação manifestaram-se nesta segunda-feira em frente à sede do Conselho de Segurança Nuclear (CSN) em Madrid, com o apoio da organização Greenpeace.

Os ecologistas denunciaram as más práticas e a falta de rigor do CSN, nomeadamente na vigilância das instalações nucleares e na autorização de construção de um armazém de resíduos nucleares em Villar de Cañas (Cuenca) e de um armazém temporário na central nuclear de Almaraz.

No texto dirigido ao CSN, os ativistas referem que as últimas decisões da instituição carecem de rigor e a este propósito denunciam a mudança das regras de classificação dos acidentes nucleares na Escala INES que, segundo afirmam, “contribui para dar uma falsa imagem em relação à melhoria das condições relacionadas com a segurança nuclear”.

As organizações criticam igualmente a negligência do CSN na investigação dos falsos protocolos de segurança da empresa francesa AREVA que procedeu a reparações e construiu peças para as centrais nucleares de Ascó, situada em Tarragona, e Almaraz, em Cáceres.

Por outro lado, as organizações ambientalistas rejeitam o posicionamento do CSN que autoriza a construção de um novo armazém na central de Almaraz e tem intenção prolongar a vida da central nuclear, que dista 100 km da fronteira portuguesa.

Segurança nuclear

A porta-voz do FEAN, Paca Blanco, assinalou que “não será permitida a construção na Extremadura de um armazém de resíduos nucleares, exceto se forem encerradas as centrais".

O FEAN, tal como todas as organizações ecologistas, considera que a central nuclear de Almaraz deve encerrar o reator I em 2020 e o II em 2021, ou seja, 40 anos após a sua construção. “A intenção do governo é alargar a sua atividade em mais 20 anos e continuar a armazenar os resíduos por mais 20 anos”, sublinha o Foro.

O porta-voz da Plataforma contra O Cemitério Nuclear de Cuenca, Carlos Violeta, denuncia o "secretismo" do CSN em relação às informações sobre este cemitério.

A organização não governamental Transparency International revelou documentos internos daquele organismo "que dizem que os terrenos em que se pretende instalar o cemitério nuclear não são válidos".

Além disso, referiu que a defesa que o Presidente da Câmara de Villar de Canãs fez em relação ao armazém de resíduos se fica a dever a seis milhões de euros que o município receberá se ali for construído o cemitério nuclear.

Explicações no Congresso

Durante a concentração, os manifestantes  pediram a demissão do presidente do CSN e gritaram: 'o sol é energia e não porcaria'. O porta-voz do MIA, Francisco Castejón, disse aos jornalistas que "as más práticas" de Fernando Martí estão a provocar muitos danos à imagem do CSN e à sua reputação" e que por essa razão este organismo "deveria ser neutro e rigoroso" mas só está a provocar "um grande favor à indústria nuclear".

O membro do Comité de Segurança Nuclear, afirmou que desde a chegada de Fernando Martí ao CSN existe a pretensão para dimiunir as atribuições do comité de forma que os seu membros não possam colocar qualquer questão

Questionado sobre a presença de Fernando Martí no Congresso de Deputados no próximo dia 19, Castejón disse estar confiante que os deputados possam obter as informações sobre o que tem vindo a ser denunciado e que se não for pedida a sua demissão, seja confrontado com a “vergonha do trabalho que vem realizando”.

Recorde-se que o parlamento português aprovou por unanimidade, em abril passado, o encerramento da central nuclear de Almaraz. No projeto de resolução apresentado pelo Bloco de Esquerda recomenda-se ao “Governo que tome todas as iniciativas necessárias, junto do Estado Espanhol e das instituições europeias, no sentido do encerramento da central nuclear de Almaraz”.

Artigos relacionados: 

Termos relacionados Almaraz - ameaça nuclear, Ambiente
(...)