You are here

Almaraz: Empresas exploradoras querem prolongar vida da central nuclear

Empresas que exploram a central nuclear de Almaraz, vão apresentar em junho o pedido de renovação da atual licença de produção de energia elétrica que caduca em 2020.

“O processo inicia-se em junho próximo com a apresentação da primeira documentação” para renovação da licença de exploração, disse uma fonte à agência Lusa, acrescentando que a decisão final deverá ser tomada antes de terminar a vigência da atual licença.

O Conselho de Segurança Nuclear espanhol irá “fazer a gestão” do processo e apresentar um parecer antes da decisão final ser tomada pelo ministério da Energia de Espanha.

O organismo responsável pela segurança nuclear do país vizinho deu na semana passada um parecer favorável para que a central nuclear de Garona, na província de Burgos (Comunidade Autónoma de Castela e Leão), possa operar até ter 60 anos.

Este parecer favorável abre caminho a que as outras cinco centrais nucleares ativas em Espanha (Almaraz, Cofrentes, Trillo, Ascó y Vandellós) possam continuar a operar além dos 40 anos, que vão cumprir nos próximos anos.

A Espanha cumpre a “moratória nuclear” que impede a construção de novas centrais nucleares, mas esse acordo internacional não trata das unidades que já estão a produzir eletricidade.

A central que em seguida irá pedir autorização para continuar a operar é a de Almaraz, a que mais eletricidade gera (30% do subsetor), operada pela Iberdrola, Unión Fenosa e Endesa na província de Cáceres (Estremadura espanhola) a 100 km da fronteira portuguesa, com dois reatores que entraram em funcionamento em 1981 e 1983.

A central nuclear de Zorita (Guadalajara) é aquela que, até agora, esteve mais tempo em funcionamento, 37 anos, de 1969 a 2006.

Artigos relacionados: 

Termos relacionados Ambiente
(...)