Está aqui

Movimento 15-M, os 'Indignados' de Espanha

Em 15 de maio, realizaram-se manifestações em 58 cidades espanholas, marcando o nascimento do 15-M. Trata-se, diz Manuel Castells, de uma nova política para sair da crise a caminho de um novo modo de vida construído coletivamente.
Aqueles que minimizam as wikiacampadas não entendem a sua profundidade. Foto de Julio Albarran

E de repente o monótono e oco discurso eleitoral tornou-se insuportável. No meio de uma crise incessante, 21% de desemprego, 45% de desemprego juvenil, cortes nas condições de vida para muitos e enormes lucros para poucos, impunidade para corruptos e privilégios para uma casta de políticos intocáveis, o enfartamento fez-se rede. Pouco antes das eleições municipais de 22 de Maio, nolesvotes.orgnolesvotes.orgnolesvotes.orgnolesvotes.orgnolesvotes.org (não votes neles) tinha 700.000 utilizadores únicos, 154 blogues e 641.000 resultados no Google. Nesse ambiente de indignação, germinaram as ideias do manifesto “Democracia Real Já”, coletivo criado em Madrid, que terminava dizendo: “É necessária uma Revolução Ética. Colocámos o dinheiro acima do Ser Humano e precisamos de colocá-lo ao nosso serviço. Somos pessoas, não produtos do mercado... Por tudo isso, estou indignado. Acredito que posso mudar. Acredito que posso ajudar. Sei que unidos podemos. Vem connosco. É o teu direito”.

E no 15-M saíram à rua dezenas de milhares de pessoas em Madrid, Barcelona e em muitas outras cidades. No final, em Madrid alguns pernoitaram na Porta do Sol e, no dia seguinte, outros em Barcelona, na praça da Catalunha. Falaram, sonharam e twitaram às suas redes de amigos. No dia seguinte eram centenas. Depois milhares. Quando os desalojaram da Porta do Sol vieram muitos milhares mais. Tantos, que a Junta Eleitoral e o Tribunal Constitucional declararam ilegal “pedir um voto responsável” na jornada de reflexão, mas a polícia não pôde impor a decisão. A dimensão tornava inviável a imposição. As acampadas proliferaram em Espanha e estenderam-se pelo mundo. No dia 25, após as eleições acolhidas com total indiferença nesta sociedade emergente, apesar de marcarem o colapso total do socialismo realmente existente, registavam-se 706 acampadas no mapa globalregistavam-se 706 acampadas no mapa globalregistavam-se 706 acampadas no mapa globalregistavam-se 706 acampadas no mapa globalregistavam-se 706 acampadas no mapa global.

Continuam a surgir, à medida em que cada localidade acrescenta o seu protesto reivindicativo, pacífico e festivo às redes tecidas entre o ciberespaço e o espaço urbano. A atenção mediática contribuiu para difundir um fenómeno que todos se apressavam a etiquetar, mas que poucos políticos se atreveram a condenar até ao momento. Não se tratava dos suspeitos habituais. Provêm de todos os lugares, condições, idades e grupos sociais. Vejam as fotos no flickr (acampadabcn.orgacampadabcn.orgacampadabcn.orgacampadabcn.orgacampadabcn.org) para perceber a diversidade. Depressa ficou claro que não havia líderes. Se alguém pretendia ser líder, a acampada desautorizava-o. Ainda que agradecidos aos serviços prestados por “Democracia Real Já”, os acampados não aceitaram nenhuma sigla. Em Acampadabcn decidiu-se que cada pessoa se representava a si própria. Tudo se elabora em comissões temáticas e funcionais, múltiplas e autónomas, coordenadas por uma intercomissão cujos membros rodam. As decisões que afetam todos passam pela assembleia ao final do dia. Debatem-se propostas, organização e tática. Debates intensos, conduzidos com respeito, criando uma nova dinâmica gestual para evitar ruidosas expressões (flutuam no ar as mãos que dão o sim ou cruzam-se carrancudos os antebraços dos nãos). Os palavrões são proibidos. O álcool é desaconselhado, a droga recusada, ainda que o tema esteja em debate. Controla-se qualquer indício de violência: nos primeiros dez dias não houve um único incidente. A não violência é um princípio básico assumido por todos, posto à prova quando as autoridades se cansaram de ser desautorizadas e tentaram impor-se violentamente.

Após as eleições o movimento alargou-se, concretizou-se e aprofundou-se. Estendeu-se por outras cidades e descentralizou-se por bairros, esboçando mini-acampadas que poderão tornar-se até centros de trabalho. Concretizou-se com objetivos próprios em cada acampada e decidiu a sua organização e as suas reivindicações. E aprofundou-se mediante uma atenção crescente na elaboração programática de objetivos.

No dia 25, a Acampada da Porta do Sol difundiu um documento sintetizando as propostas aprovadas pelas assembleias desde o dia 16: eliminar os privilégios da classe política; medidas contra o desemprego, incluindo a repartição do trabalho e a recusa ao aumento da idade da reforma, enquanto houver desemprego juvenil; o direito à habitação, incluindo a expropriação de habitações não vendidas para as colocar no regime de aluguer protegido: serviços públicos de qualidade, incluindo a supressão de gastos inúteis na Administração, contratar pessoal para os sectores da saúde e do ensino, transporte público barato e ecológico; controlo dos bancos, constituindo uma banca pública sob controlo social com as entidades que entrem em falência, devolvendo ao tesouro público o capital público despendido; reforma fiscal, aumentando os impostos sobre as grandes fortunas e os bancos e controlando a fraude fiscal e os movimentos de capitais; liberdades cidadãs e democracia participativa, começando pela abolição da lei Sinde, que restringe a liberdade na Internet; proteção da liberdade de informação e do jornalismo de investigação; modificação da lei eleitoral para acabar com a discriminação política, incluindo a representação dos votos nulo e branco; independência judicial; democracia interna nos partidos políticos; redução da despesa militar.

Cito estes objetivos para ressaltar como são concretos e razoáveis, ainda que a utopia imediata de uma vida diferente também esteja presente em muitas mentes. Mas a transformação é o processo mais do que o produto. É a elaboração em comissões abertas e a decisão em assembleia. É uma nova política para sair da crise a caminho de um novo modo de vida construído colectivamente. Um processo lento porque, como diz um cartaz em Barcelona, “devagar se vai ao longe”. De modo que aqueles que minimizam as wikiacampadas não entendem a sua profundidade. Poderão sair das praças, para voltar periodicamente a elas, mas não sairão das redes sociais e das mentes daqueles que nelas participam. Já não estão sozinhos e perderam o medo. Porque descobriram novas formas de organização, participação e mobilização que saíram dos canais tradicionais, dos quais uma parte da sociedade, e a maioria dos jovens, desconfia. Os partidos e as instituições terão também de aprender a viver com esta sociedade civil emergente. Se não, ir-se-ão esvaziando a partir de dentro à medida que os cidadãos forem passando das wikiacampadas a essa democracia em rede, ainda por descobrir numa prática coletiva que tem a sua raiz em cada pessoa.

Texto de Manuel Castells, sociólogo, publicado no jornal La VanguardiaLa VanguardiaLa VanguardiaLa VanguardiaLa Vanguardia de Barcelona, traduzido por Carlos Santos para esquerda.net

Leia também:

Dossier 15 de Outubro - Protesto Global

Espanha: Movimento 15-M

(...)

Resto dossier

O Mundo em 2011

O ano de 2011 vai ser lembrado pela Primavera Árabe, pelo surgimento dos grandes movimentos sociais, pela crise do euro ou pelo terramoto, tsunami e crise nuclear de Fukushima? Certamente por todos estes eventos, que relembramos neste balanço internacional do ano, e muitos outros mais. Dossier coordenado por Luis Leiria.

Tunísia dá início à Primavera Árabe

No poder desde 1987, o presidente Ben Ali foi derrubado pela mobilização do povo tunisino e fugiu do país a 14 de janeiro. Foi o primeiro episódio da revolta que se espalhou pelo mundo árabe.

Mubarak, o segundo ditador a ser varrido pelo levante árabe

No poder há quase 30 anos, o presidente egípcio não conseguiu sobreviver a 17 dias de manifestações de milhões. Mas o combate para desalojar os militares continua a ser um eixo fundamental de luta.

Assange luta contra a extradição para a Suécia e Wikileaks luta pela sobrevivência

Fundador da organização acumulou derrotas na Justiça britânica contra a sua extradição para a Suécia, para ser interrogado pela acusação de crimes de natureza sexual.Mas a Wikileaks, apesar das dificuldades, manteve-se viva.

Subida de preços dos alimentos ameaça milhões

O alerta chegou em fevereiro: a FAO, Agência da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação, advertiu que os preços dos alimentos atingiram em janeiro o nível mais alto desde 1990, para um conjunto de produtos básicos, ameaçando desencadear uma nova crise alimentar, como a registada em 2007 e 2008.

Fukushima: o inferno que não termina

Uma solução definitiva para a crise nuclear, que não se restringe apenas aos reatores da central, levará algumas décadas. A maioria de nós não estará, provavelmente, presente no dia em que isso ocorrer. 

Extrema-direita em ascensão

Partidos racistas e xenófobos crescem eleitoralmente em muitos países e já causam preocupação na Europa.

Islândia disse pela 2ª vez "não" ao pagamento da dívida da banca

As ameaças foram muitas, a chantagem foi brutal. Mas não atemorizou os islandeses, que rejeitaram mais uma vez em referendo que o Estado pagasse a dívida de cerca de quatro mil milhões de euros à Holanda e ao Reino Unido.

Morte de Bin Laden

Depois de 10 anos de buscas infrutíferas, os EUA conseguiram localizar e matar o líder da Al-Qaeda. Apesar de estar desarmado e não ter tentado resistir, Bin Laden foi morto imediatamente. Segundo Noam Chomsky, “a operação foi um assassinato planeado, violando as normas elementares do direito internacional.”

Movimento 15-M, os 'Indignados' de Espanha

Em 15 de maio, realizaram-se manifestações em 58 cidades espanholas, marcando o nascimento do 15-M. Trata-se, diz Manuel Castells, de uma nova política para sair da crise a caminho de um novo modo de vida construído coletivamente.

'News of the World' encerra devido a escândalo de escutas telefónicas

O grupo mediático de Rupert Murdoch conseguiu durante anos espiar ilegalmente a vida de muita gente em Inglaterra. E com ligações próximas ao primeiro-ministro David Cameron, que teve um dos implicados no escândalo como diretor de comunicação do governo.

O Mundo em 2011: O fim da era dos vaivéns espaciais

O Atlantis aterrou pela última vez a 21 de julho e foi para o museu. O seu substituto não voará tão cedo. Os cortes orçamentais norte-americanos e europeus mostram a decadência da antes chamada “aventura no espaço”.

Palestina desafia EUA e pede reconhecimento na ONU

"Este é o momento da verdade e o meu povo está à espera de ouvir a resposta do mundo", declarou Abbas no discurso na Assembleia Geral da ONU. EUA anunciaram veto, mas a Palestina viu aceita a sua adesão à Unesco, uma decisão considerada “verdadeiramente histórica".

Ocupa Wall Street planeia mobilizações para 2012

No dia 17 de setembro, nascia o movimento “Ocupa Wall Street”. Nasceu em Nova York e espalhou-se para centenas de cidades nos EUA e no mundo. Adotou o slogan “Somos os 99%” e recebeu apoios variados de sindicatos, intelectuais, celebridades, e ateo presidente Obama se referiu positivamente a ele. Mas depois começou a ser reprimido. Agora, faz planos para 2012. Reportagem de Carlos Alberto Jr., direto de Washington, especial para a Carta Maior.

ETA anuncia o fim da luta armada

Anúncio oficial pôs fim a 43 anos de conflito armado. Coligação da esquerda nacionalista, nas eleições de novembro, teve resultado histórico.

Líbia: intervenção da Nato quis acabar com as revoltas árabes

Bombardeamentos casaram milhares de vítimas e procuraram garantir que o regime pós-Khadafi não saía fora do controlo dos EUA.

Clima: Durban adiou o urgente

A 17.ª Conferência do Clima da ONU, que terminou a 11 de dezembro, determinou que os países continuem a dormir até 2020. Enquanto isso, aumentam as catástrofes naturais agravadas pelo aquecimento global. Quando um eventual novo acordo, ainda por definir, entrar em vigor, metade do planeta já poderá estar inabitável.

"A Europa e o euro caminham para o suicídio"

2011 foi o ano da crise do euro, que ameaça prolongar-se numa agonia em 2012. Na opinião do Prémio Nobel de Economia de 2001, Joseph Stiglitz, em entrevista ao jornal Página/12, a conceção geral da União Europeia foi errada.

China: a revolução silenciosa

Não é raro que acontecimentos importantes nas nossas vidas ocorram sob os nossos narizes e sejamos os últimos a percebê-los. Esse parece ser o caso da nova revolução chinesa. Uma revolução silenciosa, que está a ocorrer diante dos nossos olhos e ninguém parece se dar conta.