Está aqui

Dos CAE aos CMEC: governo escolheu não negociar desconto nas rendas

Na substituição dos contratos de aquisição de energia criados nos anos 90 por outros contratos adaptados à liberalização europeia do mercado elétrico, o governo Barroso/Portas decidiu manter os níveis de rentabilidade iniciais. Mas a lei abriu portas para novas vantagens à EDP. Entre elas, várias que levaram a pagamentos em excesso na ordem dos 510 milhões de euros, calcula a ERSE.

Os Custos de Manutenção do Equilíbrio Contratual (CMEC) foram criados em 2003 para compensarem os produtores de energia pela cessação antecipada dos Contratos de Aquisição de Energia (CAE) celebrados entre o Estado, através da REN, e duas empresas do setor — a Turbogás e a Tejo Energia — que estavam nessa altura, em 1992 e 1993, a construir as suas centrais térmicas.

Em 1995, o governo de Cavaco Silva decidiu estender esses contratos às centrais da EDP, abarcando 98% da sua produção. Já sob António Guterres, os CAE foram assinados e a sua rentabilidade definida. Os CAE tornavam as contas da empresa imunes a quebras de preço ou produção, mas também a subidas de custos ou ao impacto da liberalização do mercado elétrico que veio a ocorrer anos mais tarde, imposta pelas diretivas europeias, obrigando à transição para o Mercado Ibérico de Eletricidade (MIBEL). Mas também serviram para capitalizar a EDP de forma a torná-la mais apetecível para uma futura privatização, conclui a comissão de inquérito.

Estes CAE sempre foram apontados como uma das maiores parcelas das rendas excessivas garantidas à EDP por várias décadas. Criados pelo governo PSD/CDS liderado por Durão Barroso, foram concretizados já com Santana Lopes primeiro-ministro. O objetivo assumido pelo governo era de manter as condições de equilíbrio contratual dos CAE e ressarcir os produtores pela sua cessação antecipada. Posição diferente teve a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE), ao considerar que se a cessação dos CAE resultava de uma diretiva europeia alheia à vontade do estado português, havia espaço para negociar outra solução  de acordo com as novas circunstâncias, com benefícios para os consumidores. Nas suas conclusões, o relatório preliminar da comissão de inquérito afirma que naquele momento “existiam condições para a revisão das remunerações garantidas dez anos antes, na medida em que eram previsíveis as graves consequências económicas e sociais da manutenção dos níveis de remuneração dos CAE e na medida em que o Estado era o acionista de controlo da EDP”.

Mas a ação da Comissão Europeia também não é poupada no relatório preliminar da comissão de inquérito, que conclui que a decisão de dar luz verde aos CMEC portugueses em 2004 “assenta na omissão de aspetos que flagrantemente contradizem a Metodologia invocada na Decisão da Comissão em 2004”. “Grande parte da análise da Comissão baseia-se na ideia de que os CMEC foram a continuação dos CAE — sem fazer uma análise profunda ou pronunciar-se grandemente sobre os CMEC — e de que os CAE foram atribuídos numa altura em que a empresa não poderia sobreviver em termos de mercado. Sabemos, a posteriori, que isso não tem qualquer racionalidade”, afirmou aos deputados o ex-presidente da Autoridade da Concorrência, Abel Mateus. Nas suas recomendações, o relatório propõe notificar a Direção Geral de Concorrência da Comissão Europeia das suas conclusões, “com vista a uma eventual reapreciação do regime de auxílio de Estado aprovado em 2004”.

510 milhões pagos em excesso, diz a ERSE

A Comissão Parlamentar de Inquérito ouviu alguns dos protagonistas deste processo. Jorge Vasconcelos, que presidiu à ERSE entre 1997 e 2007, explicou  a diferença entre o tratamento dado às produtoras elétricas pelo governo português e espanhol. Enquanto por cá se davam garantias para assegurar a rentabilidade do anterior regime, o governo espanhol negociou um desconto de 30%. O governo português argumentou sempre que os CAE da EDP estavam blindados de tal forma que seria impossível negociá-los. “Isto quer dizer que no dia a seguir esses produtores entregariam a chave, as pessoas, e diriam: «Olhem, quero os lucros cessantes, por favor, e o valor residual»”, afirmou aos deputados Ricardo Ferreira, então adjunto do ministro Carlos Tavares. Mas sendo o maior acionista da EDP, o Estado podia ter imposto essa transição, se o quisesse. A proteção da EDP face à concorrência espanhola e o peso dos CAE no valor de uma empresa na rampa de lançamento para a privatização (calculado em cerca de 30%) terão sido argumentos que pesaram para a decisão do governo. “Era preciso embelezar a noiva”, disse o antigo ministro Mira Amaral. Quase ao mesmo tempo dessa decisão, foi feito um aumento do capital que reduziu de 31% para 25% a participação do Estado na empresa.

Em 2017, a ERSE calculou em 510 milhões de euros o valor pago em excesso aos produtores afetos ao regime dos CMEC, em comparação com o que estava previsto no decreto-lei 240/2004 que os criou. Uma das causas apontadas pela ERSE é a utilização de duas taxas diferentes para a atualização dos CAE e dos CMEM, responsável por uma parcela de 125 milhões de euros nas contas das rendas excessivas. Ouvidos na comissão, os defensores da utilização das duas taxas — como o economista João Duque, o ex-assessor do governo João Conceição ou o administrador da REN João Manso Neto — argumentaram com a necessidade de cobertura dos riscos associados à operação. Opinião oposta tiveram quadros da REN como Maria de Lurdes Baía ou Paulo Pinho, defendendo que esses riscos já estavam cobertos pelo mecanismo de revisibilidade anual dos contratos, que garantia a manutenção das condições dos antigos CAE. Mesmo o risco adicional dos últimos 10 anos dos CMEC, feitos após a revisibilidade final de 2017, são muito baixos, argumentou Paulo Pinho, uma vez que todas as centrais são hídricas e “o risco que é relevante para as centrais hídricas é: há chuva ou não há chuva. E esse nada tem a ver com o estado geral da economia”, defendeu o ex-administrador da REN.

O corte nestas taxas (de 7.55% para 4.72%) acabou por ser feito em 2012 por imposição da troika, permitindo ao Estado recuperar 120 milhões de euros. Ainda assim, bem longe dos 300 milhões que a ERSE calcula ter sido o custo adicional pago pelos consumidores pela manutenção das duas taxas.

(...)

Resto dossier

Rendas da energia: os resultados do inquérito parlamentar

A comissão parlamentar de inquérito às rendas da energia procurou descortinar os meandros de mais de uma década de negociações e legislação produzida na área da energia, que se revelaram ruinosas para o Estado e continuam a pesar na fatura paga pelos consumidores. Dossier organizado por Luís Branco.

Conclusões finais e recomendações do relatório preliminar da comissão de inquérito

No fim das mais de 200 páginas do relatório apresentado pelo deputado bloquista Jorge Costa à comissão de inquérito às rendas da energia são apresentadas 18 conclusões que enumeram as perdas que foi possível apurar para o sistema energético nacional em resultado das decisões políticas e das negociações feitas nesta área.

“O mercado resolve”: a omissão na lei que pode ter valido 285 milhões à EDP

Ao contrário do que acontecia antes dos CMEC, a lei deixou de prever inspeções da REN às centrais abrangidas para verificar se cumpriam a disponibilidade de potência que anunciavam.

Dos CAE aos CMEC: governo escolheu não negociar desconto nas rendas

Na substituição dos contratos de aquisição de energia criados nos anos 90 por outros contratos adaptados à liberalização europeia do mercado elétrico, o governo Barroso/Portas decidiu manter os níveis de rentabilidade iniciais. Mas a lei abriu portas para novas vantagens à EDP. Entre elas, várias que levaram a pagamentos em excesso na ordem dos 510 milhões de euros, calcula a ERSE.

O “jackpot” eólico de 2013: tarifas garantidas às energias renováveis

O forte investimento nas energias renováveis contribuiu para que o país pudesse atingir as metas ambientais. Mas a descida dos preços de mercado tornou essas rendas num fator de distorção da concorrência.

Boston Consulting: os homens da EDP nos governos

O papel dos consultores da Boston Consulting Group na liberalização do mercado elétrico em Portugal é destacado no relatório final da comissão de inquérito às rendas da energia. Um dos consultores continuou nos quadros da consultora durante mais de um ano em que esteve no gabinete de Manuel Pinho.

O retiro universitário de Pinho patrocinado pela EDP

O protocolo de apoio assinado entre a EDP e a Universidade de Columbia, que levou Manuel Pinho a dar aulas nos EUA após sair do governo, terá sido combinado com António Mexia quando Pinho ainda era ministro. Esta conclusão do relatório pode ser relevante para a investigação do Ministério Público.

Interruptibilidade: consumidores pagaram 727 milhões por um serviço nunca usado

Algumas unidades industriais e de comércio foram remuneradas durante anos pela sua disponibilidade para reduzir o consumo por ordem do operador do transporte de energia. Uma decisão do governo em 2010 fez aumentar as adesões e os custos deste serviço, que nunca foi necessário ativar.

Titularização da dívida tarifária: como a EDP ganhou centenas de milhões sem produzir

Em 2006, Manuel Pinho optou por manter as rendas elétricas e, para limitar o aumento do preço da eletricidade, criou o famoso défice tarifário. Esse défice - a parte dos custos não cobrada - foi preenchido com dinheiro da EDP, que passou a receber juros definidos pelo governo e pagos pelos consumidores na fatura. Partes dessa dívida foram vendidas no mercado financeiro com ganhos para a EDP. Como a lei não obrigava a devolver a diferença, esta dívida passou a ser um negócio milionário para a EDP.

Central de Sines: Estado prorrogou licença à EDP sem prazo nem contrapartidas

A passagem dos contratos CAE para os CMEC, abriu a porta à extensão da licença de produção na central de Sines para além de 2017, sem qualquer compensação para o Sistema Elétrico Nacional. A Comissão de Inquérito ouviu os protagonistas da decisão.