Está aqui

A Cimeira do Clima em Glasgow vai ser um falhanço como sempre

A COP26 será uma importante feira comercial para uma série de negócios internacionais e tecnologias fantasiosas, um show bonito para enganar a Humanidade. O capitalismo é hoje um culto da morte e a COP é uma das suas principais celebrações. Artigo de João Camargo.
Estação Central em Glasgow. Foto Daniel/Flickr

Alguém fez as contas e os governos prometem aumentar as emissões de gases com efeito de estufa em 16% até 2030, em vez de cortarem o necessário para evitar os piores cenários (corte de 50% para manter aumento de temperatura abaixo dos 1,5ºC). Em 2021. Só colocando a discussão num patamar ridiculamente baixo – regras para o lucrativo mas inútil comércio de emissões, a raquítica e nunca entregue verba dos países mais ricos para ajudar a adaptação dos países mais pobres, enquanto os mantêm sobre o garrote das dívidas, acertar as datas dos cortes insuficientes que anunciam à imprensa – é que alguém poderá fazer uma avaliação final “positiva”. A COP26 será sempre um falhanço porque, como as suas antecessoras, foi construída para falhar.

As emissões globais de gases com efeito de estufa em 2021 vão ser apenas ligeiramente inferiores às de 2019. Apesar da forte queda de emissões em 2020, a concentração de CO2 na atmosfera não caiu, já que o gás fica lá até centenas de anos. Ainda assim, o Bill Gates aparece em milhares de milhões de anúncios de Youtube todos os dias para anunciar que serão os mercados a criar novas tecnologias mágicas para cortar as emissões até zero. Este discurso será repetido na COP em Glasgow, onde Gates deverá fazer companhia a governantes e outros bilionários, se entretanto estes não tiverem uma imprescindível viagem à lua marcada. Entretanto, o assunto da cimeira, as alterações climáticas, dará um passo atrás para o espectáculo de cores e luzes que é a liderança do capitalismo global dizer à Humanidade e a todas as gerações futuras que terá "mais ambição". O que está previsto, segundo os seus planos, é o colapso. O único grande desacordo parece ser sobre a data.

Não há qualquer plano realista para cortar as emissões de gases com efeito de estufa para cumprir sequer o Acordo de Paris. Em qualquer país do mundo. Faltaria depois a árdua tarefa de passar do plano para a realidade.

O assunto do financiamento por parte dos países ricos aos países pobres para adaptação aos piores efeitos da crise climática arrasta-se desde muito antes do Acordo de Paris, desde a COP em Copenhaga. Mesmo quando há acordo, a transferência acaba sempre por ser uma fração do acordado e nunca chega no tempo certo. Deveriam ter sido 100 mil milhões por ano, todos os anos, até 2020, apesar de ser obviamente pouquíssimo. Claro que os países ricos acharam que isto devia ter a forma de empréstimos, para aumentar as dívidas neocoloniais. No ano em que mais se emprestou, não chegou aos 80 mil milhões.

Entretanto, milhares de novos projectos fósseis – sejam novos poços, infraestruturas, gasodutos e oleodutos, novos aeroportos e autoestradas – continuam a ser prioridade de investimento para os governos e empresas, para selar definitivamente o destino da Humanidade na catástrofe. O hábito é uma coisa terrível. Os combustíveis fósseis receberam 554 mil milhões de dólares por ano em 2017, 2018 e 2019. Esta é a ambição que conta no que diz respeito à crise climática.

A possibilidade da resolução de qualquer aspecto da crise climática na COP26 é anedótica. Será, no entanto, uma importante feira comercial para uma série de negócios internacionais e tecnologias fantasiosas, um show bonito para enganar a Humanidade. O capitalismo é hoje um culto da morte e a COP é uma das suas principais celebrações.

Sobra a única coisa relevante que há muitos anos se mantém: a Cimeira dos Povos, onde as articulações internacionais entre o movimento social global se fortalecem. Entre 7 e 10 de Novembro, em Glasgow e online, o movimento pela justiça climática vai usar esse espaço para preparar-se para a sua tarefa: travar o colapso. Em 2021 isso implica derrubar este sistema.

Artigo publicado no Expresso, 28/10/2021

Sobre o/a autor(a)

Investigador em Alterações Climáticas. Escreve com a grafia anterior ao acordo ortográfico de 1990
(...)

Neste dossier:

COP26: O que está em jogo na cimeira do clima

O combate às alterações climáticas é uma luta contra o tempo, mas os governos e a indústria poluente continuam sem pressa em cortar as emissões que a ciência exige para evitar a catástrofe. A cimeira de Glasgow será mais uma da longa lista de oportunidades perdidas. Dossier organizado por Luís Branco.

José Maria Cardoso

José Maria Cardoso: "Quem mais polui não pode continuar a lucrar com a poluição"

Entrevistado a poucos dias de participar na cimeira de Glasgow, o deputado bloquista José Maria Cardoso não tem ilusões acerca da incapacidade dos líderes políticos resolverem a crise climática sem uma profunda transformação do sistema económico e social em que vivemos.

Contracimeira em casa: 10 debates para assistir em direto

A "Cimeira do Clima dos Povos" terá lugar em Glasgow, de 7 a 10 de Novembro. Será um espaço de discussão, de aprendizagem e de criação de estratégias para alargar a intervenção climática na sociedade, com dezenas de sessões transmitidas online. Esta é a seleção de Andreia Galvão e Miguel Martins.

A Cimeira do Clima em Glasgow vai ser um falhanço como sempre

A COP26 será uma importante feira comercial para uma série de negócios internacionais e tecnologias fantasiosas, um show bonito para enganar a Humanidade. O capitalismo é hoje um culto da morte e a COP é uma das suas principais celebrações. Artigo de João Camargo.

“Net zero”: como as indústrias poluidoras fogem às responsabilidades

Um relatório lançado por dezenas de ONG mostra como as falsas soluções como os mercados de carbono ou a captura de CO2 estão a servir de instrumento para os grandes poluidores manterem ou aumentarem as suas emissões, ao mesmo tempo que recebem ajudas públicas.

COP26 e mais além: A defesa da Justiça Climática no Acordo de Glasgow

Há uma indefinição quando se trata das análises, estratégias, táticas e alianças, começando pela questão muito óbvia de saber se a COP26 e os futuros eventos da UNFCCC serão locais de clarificação - ou, em vez disso, de confusão - sobre a legitimação ou a deslegitimação. Artigo de Patrick Bond.

Alterações climáticas e elites suicidas

Se o Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas finalmente censurar o aviso de que o capitalismo é insustentável, ou se os governos se recusarem a cumprir este diagnóstico, estaríamos a caminhar para uma guerra de uma minoria contra toda a vida atual e futura. Artigo de Manuel Casal Lodeiro.

Greta Thunberg

Ainda não há verdadeiros líderes climáticos - quem irá avançar na COP26?

A emergência climática e ecológica é, evidentemente, apenas um sintoma de uma crise de sustentabilidade muito maior. Mas é ingénuo pensar que poderíamos resolver esta crise sem enfrentar as raízes da mesma. Artigo de Greta Thunberg.

"Mudemos o sistema, não o clima"

Chega de blá blá blá, só a luta resultará

Não há nada a esperar dos governos neoliberais, das suas COPs, do seu sistema e das suas leis. Há mais de trinta anos que os legisladores afirmam ter compreendido a ameaça ecológica, mas não fizeram quase nada. Artigo de Daniel Tanuro.

Portas giratórias não pararam de rodar entre governos europeus e petrolíferas

Um relatório do Corporate Europe Observatory, Friends of the Earth Europe e Food & Water Action Europe detetou desde a assinatura do Acordo de Paris 71 casos de portas giratórias entre governos europeus ou instituições públicas e as seis maiores empresas de energia ou cinco dos seus lóbis.